Dádiva Odonata #5 – Nossa própria cerveja maturada em barris de single malt!

Quando comecei a escrever o Cão Engarrafado, não sabia muito o que havia pela frente. Mas imaginava algumas coisas. Previa que – se tudo desse certo – em algum ponto do percurso guiaria alguma degustação de whiskies. Imaginava também que, invariavelmente, conheceria muita gente. O que não é necessariamente bom, porque como uma vez disse Sartre, o inferno são os outros. Sabia, no entanto, que – em certos casos excepcionais – teria contato com gente bacana.

Tinha certeza de que descobriria uma centena de maltes apaixonantes, e provaria outros que não seriam muito além de medíocres. Sabia que beberia um pouco demais e gastaria além da conta. Em meus delírios mais sofisticados, antevia que poderia elaborar a carta de whiskies de certo bar ou restaurante. Todas essas coisas, apesar de bastante longínquas há três anos, me pareciam estágios do desenvolvimento de um blog sobre um assunto tão incrível quanto whisky.

Mas uma coisa que jamais poderia prever, nem em meus devaneios mais estratosféricos, é que assinaria e faria parte do desenvolvimento de uma cerveja. Mas foi exatamente isso que aconteceu recentemente com este Cão. Há alguns meses fui convidado por Victor Marinho – mestre cervejeiro da Dádiva – para participar de um dos projetos mais empolgantes que já tive a oportunidade de estar envolvido. A produção de uma Russian Imperial Stout que passa por barricas de whisky.

O resultado foi a Dadiva Odonata #5, maturada em barricas de single malt scotch whisky das highlands – que eu jurei de pé junto não contar qual é. A maturação, que levou em torno de dois meses, trouxe à cerveja um sabor adocicado de baunilha e madeira, que complementa perfeitamente suas notas amargas, de chocolate e de café. Há um certo mel residual, bem característico do whisky. Quando pude prová-la, antes de seu lançamento, fiquei estarrecido. Naquela oportunidade a cerveja ainda não estava nem carbonatada, mas já parecia um produto acabado e excepcional.

Deu sede só de ver a foto.

Mas a história é ainda mais surpreendente. Acontece que a Odonata #5 – como o número de sobrenome pode denunciar – não é filha única. Junto com ela, a cervejaria lançou mais duas Odonatas. A #4, que utiliza malte defumado por folha de charuto e é maturada em barricas de carvalho americano que antes contiveram rum; e a #6, maturada em barricas de carvalho europeu de cachaça. As meio-irmãs de minha Odonata são filhas, respectivamente, dos especialistas César Adames e Dinah Paula. E se você estiver se perguntando porque a numeração começa em quatro, eu explico. Não é uma homenagem a Star Wars. É que no ano passado foram lançadas outras três edições especiais desta incrível Russian Imperial Stout.

Para as Odonatas deste ano, serão feitos quatro lançamentos. Um geral, no Empório Alto de Pinheiros, no dia 17 de julho, e outros três, específicos para cada uma das cervejas. Estes acontecerão em locais com tradição no tema de cada uma. Assim, a cerveja de Adames será lançada no Cateto Pinheiros (anfitrião das conhecidas Smokey Mondays), no dia 18 de julho. A de Dinah, em sua Quinta das Castanheiras, no dia 20 do mesmo mês. E, finalmente, a deste Cão, no Admiral’s Place – referência de bar quando o assunto é whisky.

Odonatas

As Odonatas estarão disponíveis em garrafa e chope, em locais selecionados. Nos dias dos lançamentos, haverá garrafas a venda, que poderão ser adquiridas pelos presentes. No dia 17 de julho, este Cão estará no Empório Alto dos Pinheiros, junto com os demais padrinhos, para autografar as cervejas compradas no evento – ainda que eu não consiga ver qualquer boa razão para querer um autógrafo meu. Para saber mais sobre o evento, clique aqui. É uma oportunidade para experimentar uma cerveja incrível e conhecer muita gente. Eu sei, o inferno são os outros. Mas quem gosta de cerveja e whisky é exceção.

Veja abaixo o vídeo que gravei – com toda desenvoltura que me é natural – sobre o lançamento:

 

DÁDIVA ODONATA #5 – MAURÍCIO PORTO

Cervejaria: Dádiva

País: Brasil

Estilo: Russian Imperial Stout

ABV: 12%

IBU: 60

Notas de Prova:

Aroma: café, chocolate, um certo fundo vínico muito suave.

Sabor: Encorpada e com pouca carbonatação. Sabor predominantemente de chocolate, com mel, baunilha e frutas vermelhas. Final progressivamente mais adocicado, puxado para o chocolate e a influência da madeira.

 

13 thoughts on “Dádiva Odonata #5 – Nossa própria cerveja maturada em barris de single malt!

  1. Obviamente, não tenho como saber quais barris de qual Single Malt foram utilizados. E lendo a matéria, me parecem barris de carvalho americano… Porém, algo fica me berrando por aqui, no subconsciente. “Glenfarclas! Glenfarclas! Glenfarclas!”… Absurdo. ahahah. Tou tão curioso pra saber isso quanto pra provar a cerveja!

  2. Maurício, é muito legal que o hobby de escrever sobre whiskys, aliado à sua competência, tenha lhe proporcionado frutos e até novas opções de trabalho! Meus parabéns à você e à equipe do Cão! Abraços a todos.

  3. Muito legal! Fiquei curioso!
    Você disse que não pode abrir qual single malt estava nos barris, mas pode dar alguma outra dica? Quantos anos o single malt ficou? Era barril ex-xerez ou ex-bourbon?

    No mesmo assunto, já provou a Belhaven Speyside Oak Aged Blond Ale? Eu adorei. Gostei mais do que a Ola Dubh.

    Abraços

    1. Fala João! É barrica de caravalho americano de ex-bourbon. Não tem como dizer quantos anos ficou. Mas é uma destilaria bem conhecida e que, inclusive, está disponível no Brasil!

      Já sim, adoramos! Estamos com foto dela faz tempo, mas estou devendo o texto! Vou retomar!

  4. Bom dia
    Experimentei na sexta feira (21/07), achei incrível o resultado desta cerveja, fiquei impressionado com o sabor de chocolate meio amargo, com um toque aveludado e um final de cafe.
    Gosto muito do seu blog, conheci voce no canal do mauricio salvi do whisky review, que aproposito gosto bastante.
    Parabens!! pela cerveja e pelo belo trabalho!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *