Blue Label Elusive Umami – The Prestige

Você está procurando o segredo. Mas você não vai encontrar porque, é claro, você não está realmente procurando. Você realmente não quer resolver isso” . Essas são as derradeiras linhas de “The Prestige” – e também, uma valiosa lição de marketing. Aliás, as duas coisas – marketing e mágica – tem muita coisa em comum.

Mágicos utilizam diferentes técnicas para distrair sua platéia. Eles empregam prestidigitação, distração, ilusões ópticas e auditivas, adereços especialmente construídos, bem como técnicas psicológicas verbais e não verbais, como sugestão, hipnose e preparação. É uma dança elaborada entre o que é mostrado e o que é escondido, entre o que parece ser e o que realmente é. É parecido, de certa forma, com o marketing. Um bom storytelling pode nos induzir a sentir algo, ainda que aquilo não seja a realidade.

De certa forma, é isso que ocorre com o Johnnie Walker Blue Label Elusive Umami, blended whisky de luxo que acaba de desembarcar no Brasil por, aproximadamente, 2,5 mil reais. O Johnnie Walker Blue Label Elusive Umami, é uma criação do chef Kobayashi, do restaurante Kei, de tripla estrela Michelin, em Paris, e da master blender Emma Walker. Que curiosamente não é da mesma família de John Walker, mas que parecia predestinada a trabalhar para a marca. Aliás, se me permitem uma digressão, a Johnnie Walker deve contratar seus master blenders pelo sobrenome, porque é muita coincidência um Beveridge logo antes de uma Walker.

A walker beverage with Walker and Beveridge

Enfim, de acordo com a marca, Walker e Kobayashi criaram “um blended whisky equilibrado, unindo sabores salgados e adocicados, com notas de laranja sanguínea, frutas vermelhas, especiarias doces de madeira (?), carne defumada, sal e pimenta, culminando em um final doce de frutas.” Kobayashi, inclusive, humildemente recomenda que se consuma o Johnnie Walker Elusive Umami puro, acompanhado de caviar – justamente para intensificar o sabor umami. Sorte minha que dá pra comprar esturjão oscietra grávido na feira.

Aliás, vamos falar dessa palavra misteriosa. O Umami. Ele foi identificado pelo químico japonês Kikunae Ikeda em 1909. Ikeda, ao comer uma tigela de dashi, notou que estava sentindo algo delicioso que não poderia ser descrito por um dos quatro sabores básicos. Com tempo e conhecimento de sobra, ele foi ao laboratório até descobrir exatamente o que sentira. Como um mágico desvendando o truque do rival.

E ele conseguiu. Tecnicamente, umami se refere a glutamato – um tipo de aminoácido, que ocorre naturalmente em muitos alimentos, como carne, peixe, vegetais e vários produtos lácteos. Quando o glutamato se decompõe – o que acontece ao cozinhar um pedaço de carne, ou maturar um queijo, por exemplo – ele se transforma em L-glutamato. E é aí que as coisas ficam gostosas. Umami. Yummi. Compreendem?

E talvez o leitor sagaz já tenha entendido para onde vou enredando. É que o whisky não se chama Blue Label Umami, mas, sim, Blue Label Elusive Umami. E o sobrenome do meio traz uma pista preciosa. Elusive é, em inglês, “indescritível”. O Umami Indescritível. Mas é também “esquivo”, “ardiloso”, “ilusório”. Essa abrangência semântica revela o que realmente é o whisky. Ele não é umami, e a Johnnie Walker obviamente sabe disso. Não mais que qualquer whisky com notas costeiras, como Old Pulteney, Talisker ou Clynelish – que, aliás, é provavelmente sua base.

A bela Clynelish, que produz whiskies sulfúricos e com perfil costeiro

Das três vezes que provei, tive a mesma impressão. Ele tem um equilíbrio incrível sweet-salty, que nos induz a pensar no umami. Em boa parte, por causa da palavra estampada no rótulo. E isso, por um lado, é bem interessante. Porque ele é um blended whisky delicioso, com notas frutadas, adocicadas e salgadas. Que mostra, aliás, a razão pela qual blended whiskies existem. Justamente para unir whiskies de perfis completamente distintos, e construir algo muito mais complexo, mas ainda delicado e agradável. Mas, por outro lado, tira um pouco da singularidade do lançamento.

E eu sei que você chegou até este inconclusivo desfecho, apenas para saber se deve ou não comprar o Johnnie Walker Blue Label Elusive Umami. E a resposta é depende. Se você procura um blended whisky de luxo, extremamente elegante, com perfil marítimo e frutado, o Johnnie Walker Blue Label Elusive Umami é perfeito. E deve ser ainda mais perfeito com caviar. Entretanto, se sua curiosidade foi aguçada pela misteriosa palavra que sugere o quinto sabor, talvez este seja um para pular. A ilusão não está, enfim, na mão do mágico. Mas sim, nos olhos do espectador.

JOHNNIE WALKER BLUE LABEL ELUSIVE UMAMI

Tipo: Blended Whisky

Marca: Johnnie Walker

Região: N/A

ABV: 43%

Notas de prova:

Aroma: frutas vermelhas, amendoas, levemente sulfúrico

Sabor: frutado e vínico. Final progressivamente enfumaçado e iodado. Alcool muito bem integrado, com especiarias, cravo, canela. Levemente sulfúrico

The Macallan 25 – Bolo Real

Abro, com o cuidado de quem desarma uma bomba, a fatura de meu cartão de crédito. O fim do ano não ajudou. Faço uma apostinha mental: se for menor que certo valor, fico sem beber hoje. Confiro o número com perplexidade. Clonaram meu cartão – sussurro, severamente, para minha esposa. Não é isso não, é que eu passei o cabelo e a maquiagem da festa de fim de ano nele. Pisco de incredulidade. Mas a turma da maquiagem usou fulerenos endoédricos pra fazer o brilho e justificar esse preço?

O que sucedeu foi uma discussão conjugal que culminou numa reflexão óbvia, mas necessária. Cada um tem uma percepção diferente de valor das coisas. Pra mim, é um absurdo pagar o equivalente às reservas de capital de Honduras em uma maquiagem. Mas beber este valor é justificável. E tem gente ainda mais louca. Teve um cara que pagou 7.500 (sete mil e quinhentas libras) por um pedaço de bolo de frutas do casamento da Kate com o Príncipe William. Isso foi em 2014, três anos depois do casamento.

Aliás, bolos de frutas e whisky tem vários pontos de tangência. O perfil de sabor é um deles. Outra coisa, é que bolos de frutas podem durar décadas. Isso tem a ver com a pouca umidade, e talvez com o fato de que tem tão pouca coisa interessante lá dentro, que o doce é desprezível até para bactérias. De acordo com alguns malucos, bolos de frutas ficam até melhores depois de alguns anos. Algo que é verdade para whisky.

Fica, vai ter bolo.

É o caso, por exemplo, do The Macallan 25 Sherry Oak, que desembarcou oficialmente no Brasil há alguns meses. O rótulo é conhecido com um dos melhores da famosa e luxuosa destilaria. É também um dos mais caros à venda no Brasil, apenas atrás do 30 anos e do The Macallan M Decanter. Uma garrafa custa aproximadamente 27 mil reais. Ou seja, o equivalente a meio pedaço de bolo do casamento real – para você ver que preço é algo realmente relativo.

O The Macallan 25 anos é maturado exclusivamente em barricas de carvalho europeu que antes contiveram vinho jerez. A The Macallan, inclusive, encomenda um jerez produzido especialmente para temperar – ou melhor, curar – estas barricas. Não há informação se são de primeiro ou segundo uso. Entretanto, considerando o equilíbrio sensorial do malte, o palpite educado é que tais barris já tenham sido previamente usadas para maturar alguma expressão mais jovem da destilaria. Isso permite que se chegue ao ponto de equilíbrio mais tarde, tornando o whisky mais delicado.

EXPLICA ESSA HISTÓRIA DE TEMPERAR

Vou transcrever, a seguir, três parágrafos que já estiveram na prova do The Macallan 18 anos Sherry Oak, porque eu sei que este é um assunto polêmico e que merece atenção. Se você não quiser saber, ou já tiver lido antes, só pula pro próximo capítulo. Nos vemos lá. Ou não.

A The Macallan utiliza, de uma forma um pouquinho confusa, a palavra “seasoned” em seus rótulos – traduzido para cá como temperado – para explicar as barricas da linha Sherry Oak. “Maturados em barris temperados de vinho jerez”, dizem os rótulos. Essa é uma situação irônica. Uma destilaria que guarda tantos segredos, ao tentar esclarecer algo para o consumidor, causou ainda mais confusão. A confusão foi ainda maior porque a frase foi incluída após um rebranding da marca. O que poderia indicar que havia também uma guinada de processo. Mas nada disso aconteceu. Ao menos, não no mesmo momento do emprego da expressão.

A introdução da expressão “seasoned” serviu apenas para apontar algo que a The Macallan já fazia. E demonstra seu cuidado especial com as suas barricas. A destilaria encomenda de tanoarias espanholas, como a Tevasa, Vasyma e Hudosa, barris de carvalho europeu temperados com um jerez produzido sob medida para a The Macallan. Em outras palavras – o controle sobre o processo passa pela padronização do jerez também. Aquele jerez não é produzido para ser comercializado. Mas, tão somente, para trazer sabor às barricas que mais tarde serão preenchidas com o new-make da The Macallan.

Armazéns da Macallan

O tempo, aqui, também é chave. Há um equilíbrio fino entre a potência do barril e a influência de jerez. O prazo que o barril deve guardar o vinho espanhol deve ser somente suficiente para que este entre em seus poros, e influencie no sabor do whisky. Mas, não grande o suficiente para roubar a potência da madeira. É um tradeoff, numa progressão bem ardilosa. Mais tempo pode, discutivelmente e até certo limite, trazer mais influência do indrink, mas menos da madeira. Seja como for, a própria The Macallan diz que o prazo de cura – que aliás, é um termo bem melhor do que tempero – é de um a dois anos.

EXCLUSIVIDADE E SABOR

Assim como ocorre com o The Macallan 18 anos, o 25 anos é uma edição limitada anual. A a justificativa oficial é que, como barricas se comportam de formas distintas, cada ano trará um perfil sensorial levemente diferente para o whisky. Este Cão, entretanto, suspeita que seja uma razão mais comercial. Estampar o ano no rótulo faz com que o ávido colecionador se veja obrigado a comprar uma – ou três – garrafas anualmente, ao invés de apenas uma vez na vida. Ainda mais considerando a altíssima capacidade de padronização e qualidade da The Macallan.

A destilaria

Sensorialmente, o The Macallan 25 anos traz notas de – wait for it – bolo de frutas, alcaçuz, pimenta do reino e cravo. É um whisky curiosamente delicado para a The Macallan, fruto do quarto de século de maturação. Mas é também oleoso, com um sabor resinoso, típico dos maltes mais maturados. Dizer que é um whisky único que vale o investimento seria uma hipérbole. Mas é um líquido que, indiscutivelmente, tem sabor de caro.

Por vinte e sete mil reais, é difícil recomendar o The Macallan 25 anos. Apelar para a lógica, neste caso, é um exercício de futilidade. Nada que eu disser justificará o preço. E obviamente a The Macallan sabe disso. Macallans são produtos de luxo, criados para mexer com o desejo, status e exclusividade. Nada de errado aqui. Um bolo de frutas ordinário dificilmente custará mais do que poucas dezenas de reais. Já o – e note o artigo definido aqui – bolo de frutas do casamento real é algo diferente. Ele não é um bolo de frutas. Ele é um objeto que transmite muito mais sobre seu comprador do que sobre si mesmo.

Mas, se me permitem um último sussurro, e que ninguém me ouça, é bom demais.

THE MACALLAN 25 ANOS SHERRY OAK

Tipo: Single Malt

Destilaria: The Macallan

Região: Speyside

ABV: 43%

Notas de prova:

Aroma: uvas passas, especiarias, gengibre, frutas cristalizadas, açúcar mascavo.

Sabor: Frutas secas, ameixas secas, uvas passas, figos secos. Final longo e delicado, puxado para o açúcar mascavo e passas.

Como (não) beber whisky – Um post des-educativo

 

Antes de tudo, preciso dizer que isto é um não post. Ou melhor, um post deseducativo. Se você veio até aqui a procura de informação, ou de como degustar seu whisky e parecer um especialista, recomendo fortemente que fuja o mais rápido possível. Ou então leia esta matéria aqui. Essa aí sim, é educativa. Comportada e informativa. Esta aqui não. Esta é aquele conselho pernicioso do seu amigo perverso.

Passei as últimas semanas relendo um de meus livros preferidos. Cem Anos de Solidão, de Garcia Marquez. Resolvi reler porque queria realmente conhecer os personagens. Da primeira, apenas prestei atenção na história, mas não dei muita importância a quem era quem. Dessa segunda vez não. Dessa vez fiz anotações, montei a árvore genealógica da família e anotava, ao lado do nome, características físicas e de personalidade dos Buendía.

Demorei exatos trinta e cinco dias para ler o livro. O mesmo que tinha me levado dez da primeira vez. E fiquei pensando. Eu tinha gostado mais da obra da primeira vez. Quando me ative somente à história. Me pegava torcendo por Macondo e por aquela família. Pensei que fosse por conta da ausência do elemento surpresa – da primeira vez, não sabia o que aconteceria com os personagens. Mas depois de um tempo eu entendi. Não era nada disso. Era a espontaneidade.

Han YOLO

E aí que me ocorreu. Eu faço isso com whisky. Às vezes fico tão preocupado em descrever certa expressão, apontar suas características sensoriais e adivinhar, na língua, qual o tipo de jerez que repousara na barrica antes dela receber whisky, que deixo de aproveitar o  momento. E pior, em certas situações, me armo de tal forma que até deixo de perceber coisas.

Aconteceu comigo uma vez que provei o Talisker 10 anos. Da primeira vez, fiz tudo hermeticamente. Glencairn, silêncio, computador na frente, conta-gotas ao lado. Da segunda, resolvi que ia beber o tal malte assistindo “True Grit“. Achei que seria uma harmonização interessante, pela elegante impetuosidade em comum entre a película e o malte.

E aí, de guarda baixa e totalmente despreparado, percebi um monte de coisa que não tinha percebido – como certa salinidade, quase reminiscente de algas marinhas. Quanto mais hermético, mais preocupado com o hermeticismo fiquei. Coloquei o whisky em segundo plano e ainda deixei de aproveitar o momento. E notei algo bem esquisito.

Percebi que a espontaneidade é quase tão importante quanto o método, ao provar determinado whisky. Que, para entende-lo, deve-se beber em situações completamente distintas, e com objetivos quase diametralmente opostos. Resolvi, então, explicar uma coisa meio óbvia. Como beber whisky. O que fazer, o que não fazer. Então vamos do básico. Degustação analítica e beber por prazer.

DEGUSTAÇÃO ANALÍTICA

Aqui, a ideia é entender a bebida. Tentar descrevê-la, com seus descritores aromáticos e sabores. Ter prazer aqui, obviamente, é uma consequência. O que é maravilhoso, porque, como diria um grande professor, a indústria dos parafusos não proporciona oportunidades como esta. Mas, aqui, deve-se atentar mais à forma, para atingir um resultado.

Na degustação analítica, bebe-se sempre puro, ou com um splash de água. Às vezes, nem se bebe. Só se sente o aroma da bebida, como fazem certos escritores especializados no destilado. Algumas pessoas bebem e cospem. É, parece feio, mas acontece e é técnico – tem até um baldinho bem conhecido da turma dos vinhos, a cuspideira. Cuspir pra fora ou pra dentro é escolha pessoal.

Cuspa aqui

Não se preocupe muito se, no começo, não conseguir descrever direito os aromas e sabores. Isso – para a maioria das pessoas – é uma construção que leva tempo. O que pode ajudar é relacionar com algum contexto. Por exemplo, você pode ter dificuldade de entender o aroma de baunilha. Mas conseguirá encontrá-lo com mais facilidade se relacionar com bolo ou Crème brûlée. Defumado, com churrasco. E por aí vai.

Não se deve colocar gelo ao fazer uma degustação analítica. A redução da temperatura muda a percepção dos sabores. O amargo fica mais amargo, e doce menos doce. Além disso, por estar gelado, as papilas gustativas ficam menos sensíveis, e perceber aromas delicados se torna bem mais complicado. Além disso, perde-se controle da real diluição.

BEBER POR PRAZER

Já beber por prazer, vale tudo. Você pode colocar gelo, pode misturar com outros ingredientes e criar coquetéis, pode tomar com água pura, água com gás, tônica, o que for. Aqui, a única regra é beber de forma responsável. É como da segunda vez, que resolvi acompanhar o filme com um whisky.

Assim como na degustação analítica, ter uma companhia de bebida é importante. Mas, no primeiro caso, trocam-se impressões sobre o líquido no copo. Na segunda, o whisky é coadjuvante. Conversem sobre o que preferirem, o importante é produzir dopamina.

Assim, o conselho que não deve ser observado deste Cão Engarrafado é o seguinte. Deguste seu whisky. Preste atenção nas notas, procure descriptores aromáticos e de paladar. Gire a taça lentamente, sinta os aromas, adicione água, tome nota, dê um minigole e deixe deslizar pela sua língua. Isso é importante. Mas, também, beba. Com moderação, é óbvio, mas experimente o whisky quando o foco não for ele. Você perceberá que uma bebida realmente bem-feita transitará perfeitamente entre os dois momentos. Whiskies foram feitos para serem aproveitados – para trazer prazer.

Fanciulli Cocktail – Da Ordem

As vezes, não basta talento. É preciso, também, um pouco de sorte. Este foi o caso de Francesco Fanciulli, líder da banda de fuzileiros navais does Estados Unidos, de 1892 até 1897. Inclusive, o breve período de liderança do compositor toscano já sugere que algo imprevisto se deu com sua carreira. Em seu caso “descumprimento de uma ordem oficial, uso de linguagem chula para com um oficial e conduta que prejudica a boa ordem e disciplina“.

A verdade é que Fanciulli era um excelente compositor. Mas não tão bom quanto John Philip Souza, seu predecessor. Ainda que sob sua batuta – literalmente – a banda tivesse recebido reconhecimento no meio, inclusive, internacionalmente, quem brilhava ainda era Souza. Tanto é que, em Junho de 1897, Francesco recebeu a ordem de um superior de tocar “El Capitán”, composta por Souza.

Fanciulli surtou, e foi colocado sob prisão domiciliar. Foi necessária a intervenção de Theodore Roosevelt – na época secretário da marinha dos Estados Unidos – para que o bom homem voltasse ao trabalho. Apesar disso, em 1897, recebeu a notícia que seu posto não seria renovado.

Mas a história – especialmente a etílica – tem uma forma curiosa de corrigir injustiças. Porque, hoje, não há nenhuma mistura chamada John Philip Souza – talvez porque soe como um péssimo nome para um coquetel – mas há um Fanciulli. Ele foi publicado em 1931 no Old Waldorf Bar Days, de Albert Stevens Crockett, e sobreviveu até os dias de hoje.

O Fanciulli é, basicamente, um Manhattan, mas com uma nota mentolada, pelo uso de Fernet Branca. A receita original pede bourbon whiskey, mas, este Cão, talvez prefira Rye. O whiskey de centeio trará mais apimentado e herbal, enquanto o bourbon apresentará um certo dulçor. A escolha, aqui, depende mais do bebedor do que, efetivamente, do equilíbrio do drink. O vermute é uma questão importante também. Fernet é intenso, e demanda um vermute a altura. Punt e Mes ou um Rosso Antico entrarão marchando com convicção.

Enquanto o desafortunado Francesco pode não ter mantido o posto desejado, sua vingança líquida, o coquetel Fanciulli, permanece firme nos bares, mostrando que na vida, assim como nos drinks, o amargor pode, eventualmente, se transformar em um sabor irresistivelmente notável. Quem diria que um toque de Fernet Branca poderia ser a nota que faltava para que Souza fosse finalmente superado…

FANCIULLI COCKTAIL

INGREDIENTES

  • Rye Whiskey (ou bourbon…)
  • Vermute tinto
  • Fernet Branca
  • parafernália para misturar
  • taça coupe

PREPARO

  1. Adicione todos os ingredientes em um mixing glass com bastante gelo.
  2. Mexa e verta numa taça coupé resfriada

Old Pulteney Huddart – Mitologia

Não abre essa janela, você está de cabelo molhado, pode entrar um golpe de ar e você ficar resfriado” – todos já ouvimos essa frase de alguém. Provavelmente, no seio de infância, de algum adulto mal-informado. “Cuidado para não engolir o chiclete, porque ele vai ficar grudado pra sempre no seu estômago” é outra. Que é mentira também. O chiclete sai por baixo em alguns dias, totalmente incólume – como o milho.

São tantos exemplos que dá pra fazer um texto só deles. Boa parte envolve água, ou a praia. Não pode nadar por uma hora depois de comer qualquer coisa. Depende, se você não comer um boi inteiro e depois bancar o Michael Phelps, não tem muito perigo. Tomar banho quando está chovento forte é arriscado, porque você pode ser eletrocutado por um raio. Não vira o olho esquisito, porque se bater um vento, você fica assim pra sempre – e ainda pega um resfriado, considerando o primeiro mito.

A gente acredita em um monte de besteira. São noções passadas de geração a geração, que, em boa parte, servem para não precisar explicar algo complicado. Ou só por estupidez, mesmo. Existem noções assim em todas as áreas de conhecimento, e, claro, o mundo do whisky não sai ileso dessa. Há dezenas de mitos e lendas ao redor da produção de whisky – boa parte, perpretrada pela própria indústria. Um deles é que o whisky maturado ou produzido ao lado do mar fica salgado.

Essa é a Glenmorangie. Lá atrás, o mar.

É acolhedor acreditar em diversos mitos que podem explicar de forma descomplicada algo. Assim como crer que são as correntes marinhas e o spray das ondas que traz o sabor salgado ao seu copo favorito. É romântico. É quase gráfico – você vê, na televisãozinha mental da sua cabeça, aquela onda na rebentação pedregosa de alguma praia gelada da Escócia. Mas, é só parcialmente verdadeiro.

Há alguns meses, fiz uma matéria só sobre isso. Na oportunidade, expliquei como a impressão salina vem principalmente de compostos químicos – DMS, DMDS e DMTS – que nos remetem ao aroma da praia. E que há whiskies produzidos e maturados literalmente colados ao mar, como é o caso de Glenmorangie, que não retém qualquer aroma salino. E que incrivelmente há mais sódio em whiskies que não tem gosto de mar, como Glenfarclas, do que em whiskies bem salgadinhos, como é o caso do tema de nossa prova, o Old Pulteney Huddart.

O Huddart, aliás, é um exemplo precioso. Porque, além de salgado, ele é defumado. Mas o gosto de sal não vem de sal, e o gosto de fumaça não vem – diretamente – do uso de turfa no processo de secagem de sua cevada maltada. Mas, na verdade, do uso de barris que contiveram whisky turfado antes. O Old Pulteney Huddart, se fosse um filme, seria um daqueles metalinguísticos, que ao todo tempo te convencem que aquilo não é a realidade, mas, sim, um filme.

A maturação do Old Pulteney Huddart ocorre em barris de carvalho americano de ex-bourbon, tanto de primeiro quanto segundo uso. Depois, o whisky é transferido por um período não especificado para barricas de carvalho americano que antes contiveram alguma versão turfada de AnCnoc – ou melhor, Knockando. O processo de maturação faz com que o new-make da Pulteney absorva parte do líquido preso nas porosidades do barril, trazendo um sabor levemente enfumaçado para o single malt.

Este aroma discreto de fumaça, aliado à salinidade natural do Old Pulteney, produzem um single malt com características clássicas costeiras – com notas de iodo, fumaça, esparadrapo (ainda que bem pouco) e algas marinhas. Há um dulçor de açúcar demerara, também, e um leve sulfúrico. A impressão é que o Huddart é, de fato, um whisky produzido com cevada turfada – ainda que isso não seja real.

AnCnoc Peatheart: o single malt turfado que empresta a turfa ao Huddart

A nota de enxofre vem da destilação. Os alambiques de primeira destilação da Pulteney tem uma espécie de bulbo, quase tão grande quanto sua base, para incentivar refluxo, e topo reto. O lyne arm sai da lateral do alambique. Já os de segunda destilação contam com purificadores e condensadores em forma de serpentina, que adicionam oleosidade e este curioso perfil um pouco malcheiroso.

O Old Pulteney Huddart chegou recentemente ao Brasil, importado pela Cia. Hibernia de Bebidas – da qual este Cão faz parte. O whisky está à venda em varejistas selecionados, como o Caledonia, a Single Malt Brasil e a Alexandrion Experience, em São Paulo. Junto com ele, chegaram também o Old Pulteney 12 anos e o AnCnoc 12, ambos já revistos por aqui.

Para aqueles que procuram um single malt levemente turfado, com perfil de algas marinhas e adocicado, o Huddart é a escolha perfeita. E nem é porque nós que escolhemos. Mas, cuidado. Antes de comprar, seca bem o cabelo e cospe o chiclete. E só por precaução, melhor sair de óculos – vai que bate um vento. Tá bom que tudo isso pode parecer uma grande mentira. Mas, melhor se prevenir.

OLD PULTENEY HUDDART

Tipo: Single Malt Whisky

Destilaria: Pulteney

Região: Highlands (Wick)

ABV: 46%

Notas de prova:

Aroma: enfumaçado, adocicado e iodado, com algas marinhas.

Sabor: Adocicado, com baunilha. Algas marinhas. Final longo e enfumaçado

Greenpoint – Aral contra Dudinka

Seis amarelos no Aral contra quatro verdes em Omsk. Ou no Omsk. Tá bom, vai lá, mas vai ter troco, tô com dez na Dudinka. War era divertido, mas era um desserviço pra geografia. Se você me perguntar o que está entre a Russia e a China, vou demorar uns três minutos para lembrar do Cazaquistão. E isso, porque tem o Borat. Mas, na hora, a televisão mental projetará uma imagem do Aral. Very nice!

As horas na frente do tabuleiro criaram uma espécie de memória fotográfica falsa de como o mundo é dividido. E nem é só na Asia, não. Aquela Califórnia enorme, esticando até os Grandes Lagos, e Nova Iorque que vai até Miami não ajudam muito. Tampouco a Colômbia, que anexou todos os países do norte da América do Sul. Ou o Chile que finalmente resolveu a celeuma sobre qual melhor pisco, incorporando o Peru.

Não me dá os dados de defesa pra usar no ataque!

Aliás, falando em nova Iorque, eu aprendi geografia mundial com o War. Mas regional – mais especificamente, de Nova Iorque – com a coquetelaria. E nem foi porque eu viajei pra isso. Foi por causa do Manhattan. É que o coquetel tem infinitas variações – está quase dominando 24 territórios à sua escolha. E os bartenders teimam em batizá-los de bairros da tal “big apple”. Brooklyn e Bronx são exemplos. Há até subdivisões. O Greenpoint – tema deste post – é uma delas.

O Greenpoint, geograficamente falando, é uma sub-região do Brooklyn, famosa por galerias de arte e bares. Daí, o nome do coquetel, criado pelo bartender Michael McIlroy em 2006, no lendário Milk & Honey. Que não ficava em Greenpoint, mas, sim, no Soho. Já o Greenpoint, etilicamente falando, leva Rye Whiskey, vermute doce, Angostura Aromatic e Orange Bitters e – preparem a carteira – Chartreuse.

Ainda que seja um licor caro e difícil de ser encontrado, Chartreuse – produzido pelos monges cartuxos – é ingrediente de diversos coquetéis maravilhosos que já figuraram nestas páginas. Como o Pete’s Word, Final Ward e Campbeltown. Há duas versões do destilado: amarelo e verde. O verde tem graduação alcoólica de 55% e é um pouco mais seco. O amarelo é mais gentil e adocicado, com seus 43% de álcool. Alternativamente, pode-se comprar Génépy – que se assemelha ao Chartreuse Amarelo, é mais acessível e pode ser comprado neste link.

A proporção dos ingredientes dependerá do licor e vermute utilizados. A receita original do Greenpoint pede partes iguais de Chartreuse amarelo e vermute. Este Cão preferiu usar o verde – na verdade, era o único que tinha – e mudar um pouco as medidas, para evitar que o Chartreuse destruísse o Rye Whiskey, assim como Omsk contra o Aral. O vermute usado foi o Rosso Antico.

Dito isso, rolem seus dados e preparem-se para um coquetel que merecia dominar o mundo todo. O Greenpoint – prova também de que o Manhattan é um dos pontos de partida mais prolíficos da coquetelaria. O drink, claro. E bom, a ilha também.

GREENPOINT

INGREDIENTES

  • 60ml Rye Whiskey
  • 15ml vermute doce (Rosso Antico)
  • 10ml Chartreuse verde / 15ml chartreuse amarelo ou Génépy
  • Angostura Aromatic Bitters
  • Angostura Orange Bitters
  • Parafernália para misturar
  • Taça Coupe

PREPARO

  1. Adicione todos os coquetéis líquidos num mixing glass com bastante gelo
  2. verta para uma taça coupé
  3. aproveite para beber durante uma partida infinita de war

Glenfiddich Grand Cru 23 – Ano Novo

Ah, chegou o ano novo. E com ele, aquelas tradicionais simpatias. Pular sete ondinhas, comer lentilha, assoprar canela, comer romã e guardar as sementinhas junto com a folha de louro na carteira. Colocar dinheiro no sapato e usar branco. Por mais inofensivo que possa parecer, devo, porém, declarar que não vou fazer nada disso.

Do jeito que sou azarado, provavelmente espirraria com a canela, tropeçaria e cairia no mar. Arrotaria lentilha de susto, sujaria a roupa e o sapato. O dinheiro na sola ficaria ensopado, assim como minha carteira. Que depois de um tempo começaria a mofar, devido à folha de louro e sementes de romã úmidas, guardadas lá dentro. E meu ano seria péssimo.

Por isso, decidi que não vou fazer simpatia nenhuma. Aliás, para não correr riscos, resolvi passar o ano novo bem longe do mar. Num hotel da cidade, vendo algum filme. E sem champagne também, porque a chance de eu acertar meu olho com a rolha é razoável. Ao invés disso, escolhi um single malt maturado em barricas que antes contiveram champagne. Ou quase isso. O Glenfiddich Grand Cru 23 anos.

O Glenfiddich Grand Cru 23 chegou ao Brasil sem grandes explosões de rolhas, no final de 2023 pela Natique-Osborne, representante da marca no país. Ele faz parte da “Grand Series” da Glenfiddich, que conta com mais quatro expressões: Grande Couronne, Gran Cortes, Gran Reserva e Grand Yozakura, finalizados em barris de cognac, jerez, rum e awamori, respectivamente. Nenguma das outras expressões vêm oficialmente para o Brasil.

Neste ponto do texto, devo dizer que menti – como nas resoluções de ano novo. Na verdade, o Glenfiddich Grand Cru não é finalizado em barricas de champagne. Não exatamente. A finalização ocorre em barricas de vinho francês “cuvee”, que é um dos estágios da produção da champagne. Para se tornar propriamente champagne, o cuvee deve passar por uma refermentação na garrafa – é o conhecido método Champenoise.

A maturação do Glenfiddich Grand Cru ocorre, inicialmente, em barricas de carvalho americano de ex-bourbon, e carvalho europeu. O componente mais jovem na mistura passa 23 anos nas barricas. Depois, os maltes são combinados, e passam mais seis meses em barricas de vinho francês “cuvee”. Assim, ainda que o Grand Cru tenha vinte e três anos estampados em seu rótulo, provavelmente, parte de seus ingredientes são mais maturados.

Outros whiskies da Grand Series

Sensorialmente, o Glenfiddich Grand Cru é traz notas de caramelo, açúcar de confeiteiro, maçã, e um certo brioche – ou pão doce – que fica mais evidente na finalização. É até curioso, dizer que um whisky que passa por barricas de vinho francês desenvolva um aroma de brioche. Não fosse verdade, diria que é um delírio causado pela champagne do ano novo, combinada com a propensão de buscar uma referência cultural da França no líquido. De toda forma, é um dos melhores Glenfiddich que este Cão já bebeu.

Além do líquido delicioso, a embalagem do Glenfiddich Grand Cru é impressionante. Uma caixa cuja tampa gira nela mesma, revelando a garrafa – toda preta e dourada – escondida em seu interior. O visual beira o brega, mas consegue se manter elegante e demonstrar as credenciais do single malt premium da destilaria de Speyside.

Neste ano novo, eu não vou fazer nenhuma simpatia. Estarei trajando uma cueca usada, no escuro, sem lentilhas, romãs ou louros. Sem pular ondinhas ou estourar champagne. Mas, da melhor forma possível. Com um belíssimo single malt no conforto do lar. Se isso não é o melhor jeito de se começar um ano, eu realmente não sei qual é.

GLENFIDDICH 23 GRAND CRU

Tipo: Single Malt Whisky com idade definida

Destilaria: Glenfiddich

Região: Speyside

ABV: 40%

Notas de prova:

Aroma: Caramelo, açúcar de confeiteiro, frutas em calda.

Sabor: Frutado, com baunilha e açucar de confeiteiro. Final longo, frutado e puxado para o mel e brioche

Retrospectiva de Whiskies 2023 – Os Melhores do Ano

Recebi minha retrospectiva do Spotify. E ela é impublicável. É que todo mundo aqui em casa – apesar de ter a própria conta do Spotify – prefere usar a minha. Aí, parece que tenho transtorno borderline em relação a meu gosto musical. Apenas para entender o que quero dizer: minha banda mais ouvida foi BTS, mas o gênero preferido, southern gothic. E a música individual mais escutada foi Ronaldo, do Gato Galático, ouvida trinta e sete vezes num único domingo, seguida por Friendship is Magic, do My Little Pony. Ninguém tem um gosto tão eclético assim sozinho.

Mas o que eu queria mesmo ver, era a minha retrospectiva do Ifood – claro, com a contribuição de minha família. Seu restaurante mais pedido foi McDonald’s. O prato individual mais comido foi o Preferido, do Netão. Numa semana, você pediu quatro vezes Brás Pizzaria. Ao todo, juntando todos os hamburgueres e pizzas, você consumiu cinco quilos de pura banha. Seu gênero preferido foi junk food, e a tendência é, certamente, ao infarto do miocárdio.

Ou então, da Drogaria SP. Sua retrospectiva chegou! Seu remédio mais pedido este ano foi a dipirona. Mas você é eclético, e tomou bastante esomeprazol, também. Mas a gente sabe que seu remédio do coração mesmo é o Hemitartarato de Zolpidem, porque você valoriza uma boa noite de sono. Seu gênero preferido são os antiácidos, seguido pelo dos analgésicos e, claro, os estabilizadores de humor.

E naturalmente, pensei em criar uma retrospectiva de whiskies lançados oficialmente no Brasil, este ano. Fiz uma lista grande. Foram mais de vinte garrafas distintas, entre bourbons, single malts escoceses, blends, japoneses e brasileiros. A qualidade média subiu, também. Mas uma pura retrospectiva não traria tanto impacto, se não pal. Porque todo mundo ama uma polêmica, e é isso que quero oferecer a vocês.

Notem, entretanto, que a lista abaixo não está em ordem de preferência. Inclusive, vou usar classificações ao invés de números, para evitar quaisquer interpretações equivocadas daqueles que pularam este prefácio. Vamos lá.

Scotch Whisky de Luxo

A campeã de lançamentos em 2024 no Brasil para whiskies foi, sem a menor sombra de dúvidas, a Pernod-Ricard. Apenas para enumerar alguns. A Royal Salute trouxe duas novas edições do Richard Quinn, bem como o Blended Malt Jodhpur Edition. Introduziram também o ótimo Glenlivet Caribbean Reserve (mais sobre ele abaixo), e relançaram o 62 Gun Salute.

Mas o que capturou o coração deste cão foi o Royal Salute 30 anos. É um blend de luxo, com preço altíssimo, mas complexidade e profundidade incríveis. É levemente defumado e puxado para as frutas vermelhas. Perigosamente bebível, este. A ponto de ter que esconder a garrafa de mim, e relembrar constantemente que não é saudável – nem financeiramente, nem fisicamente – acabar com uma ampola de cinco mil reais em uma semana. Um close second é o Jodhpur Polo Edition.

American Whiskey

Essa provavelmente foi a categoria mais concorrida este ano. Na virada para 2023, eu jamais imaginaria a avalanche de bourbons de alto nível que chegariam a nosso país. Antes, o máximo que tínhamos era a tríade Makers-Woodford-Buffalo. Mas, em menos de quatro meses, chegaram rótulos como Eagle Rare, 1792 Small Batch, Basil Hayden, High West Rye e High West Bourbon.

Alguns lançamentos da categoria

Dois whiskies me fizeram muito feliz, especialmente. Eagle Rare, que sempre desejei em terras brasileiras, e o High West Double Rye. Este último, finalmente um rye whiskey com concentração de centeio na mashbill superior a 90%. E com graduação alcoólica caprichada também. Perfeito para fazer aquele sazerac maravilhosamente apimentado e herbal. Até lançamos uma versão do drink no Caledonia – o The High Sazerac, com infusão de frutas secas, que se tornou meu mais pedido do ano por lá.

Single Malt Escocês

Se você comparar uma retrospectiva de whiskies com o Oscar, a categoria de Single Malt Escocês é provavelmente equiparável à de melhor filme, ou melhor diretor. Pouca gente quer saber qual foi a melhor mixagem de som. Mas todo mundo fica na expectativa com o grande prêmio da noite.

Foram lançados diversos single malts em nosso mercado. Dentre eles, Glenlivet Caribbean Reserve, Tamnavulin Sherry Cask, Old Pulteney 12 anos e The Macallan Harmony Collection Intense Arabica. Quase na virada do ano, o Tullibardine 228 apareceu, pela Single Malt Brasil. Escolher o melhor, aqui, seria injusto. Mas se pudesse destacar dois, apontaria para o The Glenlivet e o Old Pulteney.

O primeiro por ser um single malt acessível – com preço próximo aos 250 reais, e que oferece uma experiência bem diferente daquela que os iniciantes no mundo dos maltes estão acostumados: barris de bourbon em cima de barris de mais bourbon. E o Old Pulteney, bem, porque fomos nós que trouxemos, e eu simplesmente amo o perfil salgado, mas não defumado, deste whisky.

Whisky Japonês

Essa é quase a categoria de melhor filme estrangeiro. Este ano, tivemos dois lançamentos de (literalmente) milhões. O Yamazaki 18 e o Hakushu 18, ambos comemorativos do centenário da House of Suntory no Brasil. Ainda que este cão prefira o sabor do Hakushu, o Yamazaki é um single malt bem mais interessante – especialmente ao se falar da produção. É apenas a segunda fez na história que a empresa produz um whisky maturado 100% em mizunara por mais de dezoito anos.

Whisky Brasileiro

A classe de whiskies brasileiros cresceu bastante em 2023. Em número e também qualidade. Foram mais de dez lançamentos, entre Union, Lamas e outras destilarias por aí. Dois ganharam o coração deste Cão. O primeiro, antes mesmo de nascer. O Lamas The Dog’s Bollocks II, resultado de nossa longeva parceria com a Lamas. É um malte turfado (turfado mesmo, não defumado) e finalizado em barricas de moscatel brasileiro. Enfumaçado, adocicado e apimentado.

O segundo é o Union PX Extraturfado. Finalizado em barris de vinho Pedro Jiménez, este single malt trouxe complexidade, dulçor e fumaça. Reminescente de meus queridos maltes escoceses defumados e vínicos, como o Bowmore.

Conclusão

2023 foi um ano interessantíssimo para o mercado de whiskies no Brasil – especialmente de rótulos mais sofisticados. E veja, obviamente, que esta publicação engloba apenas aqueles lançados oficialmente em nosso país! Não importa se você gosta de BTS, southen gothic ou música dos mariopôneis. Há um whisky para cada paladar e carteira. Quer dizer, talvez não para quem gosta de mariopôneis – a idade física ou mental pode ser uma proibição.

Jack Daniel’s Single Malt – Coincidências

A história é cheia de gente importante que morreu de forma estúpida. Vou dar aqui exemplos de dois indivíduos notórios, mas que comprovaram que uma vida extraordinária não exime ninguém de uma morte trivial. Aliás, a mesma morte trivial. O primeiro deles é o compositor francês Jean Baptiste Lully.

Lulli nasceu na cidade de Florença em 1632, de uma família com poucas posses. Seus pais possuíam um moinho, numa época de guerra e praga na Itália. Na infância, Lully recebeu pouca educação formal e musical. Um pouco mais velho, aprendeu a tocar violão com um padre franciscano. Tornou-se autodidata no violino e na dança – e passou a se apresentar em público, vestido de arlequim, cantando e dançando.

E foi assim que em 1646, Lully chamou a atenção de Roger de Lorraine, filho do Duque de Guise. Roger devia ter algum senso de humor, porque gostou de Lully mesmo em trajes ridículos, e o convidou para se tornar valet de chambres de sua sobrinha, a Mademoiselle de Montpensier. Jean Baptiste, entretanto, mirava mais alto. Atraiu a atenção do rei Luís XIV, e, em 1653 foi nomeado “compositor real”. Naquele ponto, Lulli havia se tornado um exímio dançarino e compositor, e um brilhante maestro.

Ou, mais ou menos brilhante. Porque, em 1687, enquanto conduzia a obra Te Deum, em homenagem à recuperação de Luís XIV de uma doença, Lully acidentalmente perfurou seu dedão do pé com o cajado de condução. A ferida evoluiu para uma gangrena, mas Jean Baptiste se recusou a amputar a perna – lembrem-se que não havia antibióticos na época – porque queria dançar. Acabou dançando mesmo. Morreu de infecção generalizada em março de 1687.

Ouch

Um senhor outrossim notável com uma morte igualmente cretina foi Jasper Newton Daniel. Que você talvez não reconheça pelo nome completo. Mas que é o fundador da mais famosa marca de Tennessee Whiskey do mundo. Jack Daniel’s. Durante sua vida, Jack – como gostava de ser chamado – arrecadou uma fortuna vendendo seu whiskey. Boa parte de seu lucro era guardado em um cofre, em seu escritório. Cujo segredo fora olvidado por Jack. Por conta do esquecimento, ele ficou com raiva e chutou o instrumento. Seu dedão – assim como o de Lully – infeccionou e gangrenou. O resto vocês já sabem.

Apesar de sua morte pouco prestigiosa, os legados de Jack e Lully sobreviveram. Atualmente, a Jack Daniel’s segue como a mais importante marca de Tennnessee Whiskey do mundo. E não só de Tennessee Whiskey! Antes, havia apenas um rótulo – o conhecido Jack Daniel’s Old No. 7. Porém, as últimas décadas viram uma bela expansão de linha. Foram lançados Gentleman Jack, Single Barrel, Rye, Sinatra e, neste ano, o Jack Daniel’s Single Malt.

O Jack Daniel’s Single Malt é produzido 100% de cevada maltada comprada dos norte dos EUA – algo em comum com os primos escoceses. Entretanto, como no tradicional Jack, o new-make passa por filtragem em carvão de bordo, ou maple tree. Este processo, ainda que não seja exclusivo da Jack Daniel’s, é um dos mais alardeados pela destilaria, e o que, segundo eles, difere seu Tennessee Whiskey de bourbons.

O filtro

A maturação do Jack Daniel’s Single Malt acontece em barris de carvalho americano virgens, com uma finalização em barris de carvalho que antes contiveram vinho jerez oloroso. “Quando começamos a experimentar uma mash 100% de cevada maltada em 2012, sabíamos que seria fundamental colocar nossa própria marca nas tradições atemporais do single malt e criar algo que fosse exclusivamente Jack Daniel’s”, disse o master distiller Chris Fletcher. Daí, o uso de barris virgens.

O lançamento do Jack Daniel’s Single Malt não é uma coincidência, como a causa mortis de Lulli e Jack. Ele marca a proposta de regulamentação para o que seria “American Single Malt” – de Julho de 2022. De acordo com o documento proposto, Single Malt Americano seria um produto feito 100% de cevada maltada, destilado a no máximo 80% de graduação alcoólica, e maturado em barris de carvalho de, no máximo 700 litros. Ao contrário da Escócia, não haveria tempo mínimo de maturação. Mas, semelhante à regra escocesa, a graduação alcoólica mínima seria de 40%, e a produção deveria ser feita em uma única destilaria.

Single Malts Americanos são uma categoria em expansão tanto nos Estados Unidos quanto no mundo. A própria Brown-Forman, proprietária da Jack Daniel’s, já se arriscou com cevada maltada em outro produto. O Woodford Reserve Kentucky Straight Malt, em 2018. Apesar de não ser um single malt, considerando sua mashbill, o whiskey tinha a função de colocar em evidência as características de um mosto com predominância de cevada maltada.

Woodford Malt

Para aqueles que chegaram a este último parágrafo, trago más notícias. O Jack Daniel’s Single Malt é, atualmente, um produto exclusivo de Duty Free. O que sigfica que ele não está à venda oficialmente no Brasil, mas pode ser comprado nos free-shops de aeroportos internacionais, como o Galeão e Guarulhos. Para os irremediáveis fãs da Jack Daniel’s, os apaixonados por single malts e os whisky-geeks, o Jack Daniel’s Single Malt é compra obrigatória. Só tomem muito cuidado para não bater ou derrubar nada no dedão do pé, durante o processo.

JACK DANIEL’S SINGLE MALT

Tipo: American Single Malt

Destilaria: Jack Daniel’s

ABV: 45%

Notas de Prova:

Aroma: caramelo, amêndoas, baunilha.

Sabor: açúcar mascavo, cravo, canela. Adocicado, mas bem menos do que o Jack Old No.7. Final longo, apimentado e puxado para o caramelo queimado

Live Free or Die – Amigo Secreto

Preciso confessar para vocês uma pequena vitória, que acabei de notar. Já estamos em dezembro, e, até agora, não fui convocado para nenhum amigo secreto. Isso é uma novidade para mim, porque, todo ano, alguém que eu não vi desde o ano anterior, me chama para um convescote desses. Além de ser um evento fastidioso, tem o presente. Eu sempre dou presente bom, e sempre ganho um vaso, ou um perfume. E eu raramente uso perfume, porque atrapalha na degustação de whisky.

E aí a turma diz que eu sou difícil de agradar. Eu sou a pessoa mais fácil do mundo. É só dar qualquer coisa alcoólica. Esse negócio de muito whisky não existe. É sempre bom ter mais um. Ou algo de cozinha. Uma faca, por exemplo. Sempre tem utilidade para mais uma faca lá em casa, nem que seja esfaquear o miserável que me deu um vaso no ano anterior.

Uma coleira de frango! Muito obrigado, é minha cara!

Mas a verdade é que eu fiquei um pouquinho preocupado com essa ausência de amigo secreto. De certa forma, é libertador. Mas, por outro lado, pode significar que não tenho mais amigos. Ou que cheguei naquela idade em que todos nossos relacionamentos sociais arrefecem, e a gente não é mais importante pra ninguém. Ou talvez meu comportamento nos amigos secretos dos anos anteriores tenha sido tão terrível que fui premiado com minha exclusão. A verdade é provavelmente uma amálgama dos três.

E ainda que eu tenha escapado – quiçá por (de)mérito – do amigo secreto, o Natal e o Ano Novo estarão aí, com certeza. E com eles, duas inevitabilidades: espumante e calor. Todo dezembro, em algum momento, você vai beber espumante num calor de trinta e cinco graus. Este ano, portanto, resolvi inovar. Busquei um coquetel que leve champagne e whisky ao mesmo tempo. E me deparei com o agradável – mais do que amigo secreto – Live Free or Die.

O coquetel foi criado por Joaquin Simo, e figurou no clássico da literatura etílica Death & Co. A razão do nome, entretanto, é um mistério. Provavelmente Simo se inspirou no Remember the Maine, que possui ingredientes similares, e resolveu dar um nome histórico-exclamativo para a mistura. Para quem não sabe – eu não sabia – “Live Free Or Die” é o lema oficial do estado norte-americano de New Hampshire, e foi inspirado numa carta de um certo general John Stark.

O Live Free or Die leva bourbon whiskey, cherry heering, vinho do porto ruby, absinto e champagne, ou espumante. Não é exatamente um coquetel leve. E sua aparente refrescância por conta das borbulhas esconde uma potência alcoolica perfeita para encarar qualquer festa de final de ano. É um coquetel levemente adocicado, também. Assim, a escolha do espumante é importante. Vá de algo bem seco, para equilibrar o drink.

De acordo com o website Tuxedo No.2, a receita original pede porto ruby, mas sugere também o uso de vinho madeira. Sinceramente, para o gosto deste Cão, quaisquer das opções tornará o coquetel demasiado doce. A sugestão – talvez polêmica – seja a substituição por porto branco seco. Taylor’s Chip Dry foi o usado, com resultados maravilhosos.

E aproveitando o assunto das trocas, o absinto – que é sempre um problema no Brasil – pode ser substituído por pastis. No caso, Ricard. Por conta de sua paleta de ingredientes, o Live Free or Die permite uma miríade de alterações. Testar algumas variações durante alguma reunião familiar certamente melhorará o humor de todos.

Então, caros leitores, peguem suas cadernetas que ganharam no amigo secreto do ano passado, junto com aquele lápis do Mickey e tomem nota. O Live Free or Die!

LIVE FREE OR DIE

INGREDIENTES

  • 45ml Bourbon Whiskey (este Cão usou 1792)
  • 15ml Cherry Heering
  • 15ml Porto branco seco (Taylor’s Chip Dry)
  • 1 dash de absinto
  • espumante seco “extra brut”
  • Parafernália para bater
  • taça coupe ou de champagne

PREPARO

  1. Adicione todos os ingredientes (menos o espumante) em uma coqueteleira e bata com bastante gelo. Ou adicione o espumante junto, vai ser divertido ver os fogos do ano novo antecipados!
  2. Desça na taça de sua escolha e complete com o espumante
  3. decore com um zest de limão siciliano ou uma cereja maraschino de verdade, não de chuchu.