Chivas Extra – Juntos e Extraordinários – Final

Qual seu programa de domingo? Bem, em um domingo qualquer, um domingo ordinário, eu provavelmente acordaria tarde, almoçaria e veria um filme em casa. Talvez prepararia algum texto para este blog. Ou acordaria cedo e sairia com a Cãzinha para algum parque ou museu. E a tarde, quando ela dormisse, me afundaria no sofá ao confortável e constante som da rota de aviões que passa próxima à minha casa. O que, convenhamos, é ótimo.

Mas este domingo – dia 09 de julho – foi um dia extraordinário. Não, não é por conta do feriado da revolução constitucionalista. Mas porque este Cão foi convidado para participar, como jurado, do primeiro campeonato de coquetelaria do whisky Chivas Extra. Um convite decerto extraordinário.

O Concurso,  batizado de “Juntos & Extraordinários” marcou o lançamento do Chivas Extra para os bares brasileiros. A ideia é mostrar a versatilidade do whisky também do lado de lá do balcão. Assim, o bartender deveria elaborar um coquetel que tivesse como base o Chivas Extra, dentro do tema “Quais ingredientes que juntos formam um drink extraordinário” e divulgá-lo via Instagram. Dentre os competidores, cinco de cada região foram selecionados.

Para a  segunda etapa de São Paulo, que aconteceu neste extraordinário domingo no The View, os bartenders selecionados foram Royter Correia, do Barê, Silas Rocha do Riviera, Ivo Rangel do próprio The View, Thiago Pereira do Sala Especial e Vladimir Cabral do SubAstor. Estes tiveram que improvisar, na hora, um coquetel com o tema “como você comemoraria um momento especial com Chivas?“. Os jurados foram Mijung Kim, embaixadora da Chivas Regal, Marcelo Sant’Iago e Jairo Gama, além deste Cão, que pela primeira vez ocupava uma cadeira de julgador.

The view from the view

Antes de começar o campeonato, imaginava que o trabalho seria fácil. Afinal – pensava eu – não seria nada além de beber coquetéis e escolher um favorito. Mas a realidade, como sempre, foi bem diferente da expectativa. Porém, dessa vez, a superou extraordinariamente. Em primeiro lugar porque os coquetéis apresentados foram incríveis. Contos de fadas, cafés, pães, bolas de fogo, tampas voadoras, copos com luz própria, fumaça – aliás, muita fumaça – e ceviches cuidadosamente preparados foram os insólitos ingredientes daquela extraordinária noite. Em segundo, porque a tarefa de julgar trabalhos tão incríveis não era nada, nada fácil.

No entanto, após numerosas idas e vindas nas fichas de avaliação, um pouco de reflexão e muitas rasuras, já tinha meu resultado. Resultado que, somado àquele dos demais jurados, enviaria o vencedor a Lima, para participar da Clase Maestra 2017, um dos maiores eventos de coquetelaria do mundo. E – não sem um pouco de suspense – o ganhador foi finalmente anunciado. Sylas Rocha, do Riviera Bar. Seu coquetel, “O Momento” contou com uma apresentação literalmente mágica, além de uma garrafa surpresa, preparada com antecedência e cheia do drink, para que todos na festa pudessem compartilhá-lo.

O Momento de Sylas (fonte: Elton Araújo Fotografia)

“Juntos & Extraordinários” foi, para este Cão, uma grande experiência. Respondendo a pergunta “Como você comemoraria um momento especial com Chivas?” Bem, um ótimo whisky num domingo extraordinário, com coquetéis e pessoas incríveis certamente seriam parte dessa resposta.

 

5 thoughts on “Chivas Extra – Juntos e Extraordinários – Final

  1. Excelente maneira de superar a típica depressão dominical e difícil pensar num juiz mais adequado.

    Parabéns e grande abraço, mestre!

  2. Prezado Cão,

    Latidos Etílicos !

    Nem sei como demorei tanto a encontrá-lo ! Por óbvio que sou um velho bebedor, mas jamais deixarei de ser aprendiz !

    Anos e anos bebendo whiskies comuns e eis que deparei-me com uma oportunidade em que pude ter o prazer de experimentar destilados mais nobres e sofisticados !

    Depois de Chivas 12, Chivas Extra, Johnnie Walker Gold, Platinum e Blue, pareceu-me o velho J&B Rare uma coisa modestíssima, diria até mesmo ruim ! Estou preocupadíssimo, uma vez que haja poder aquisitivo no Brasil para adquirir tais destilados mais refinados ! (O JW Green eu já conhecia e continuo gostando muito dele !)

    Terei tido eu um surto de esnobação alcoólica ou será que whiskies comuns como J&B, Willian Lawson, Clan MacGregor, Cutty Sark, Grant’s, The Famous Grouse (estes dois últimos que foram outrora os meus preferidos “whiskies comuns”) e assemelhados são tão inferiores assim ?!? (Platinum Label e Chivas Extra até agora são os melhores que já bebi, e tenho um Chivas 18 novinho aguardando aquela ocasião !)

    Obrigado e abraços !

    WCatanzaro

    1. Meu caro, da mesma forma que uma coisa vista não pode ser “desvista”, seu paladar, quando muda, não volta ao que era. Esse é o “downside” de experimentar whiskies diferentes. A gente vai ficando fresco. Ainda sou fã do Famous Grouse e do Grant’s. Para falar a verdade, acho o whisky do tetraz um dos melhores custo-benefícios em nosso país. Mas realmente não dá para comparar com os mais sofisticados. O senhor tem bom gosto.

      Experimente o Chivas 18 logo. É excelente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *