Smokin’ Bob Negroni – Negroni Week

Uma noite de inverno em Oakland, em 1905.  Frank Epperson, um garoto de onze anos de idade, esquece um copo com água, refresco em pó e um palitinho de misturar do lado de fora de sua casa. Naquele momento, Frank não fazia a menor ideia do que acabara de criar. No dia seguinte, o menino encontra seu refresco congelado, com um conveniente palito espetado, perfeito para manipulação. Nascia o primeiro picolé do mundo. O próprio Epperson, alguns anos mais tarde, tratou de patentear aquela sua serendipidade. Um século depois, a criação de Epperson está no mundo todo. E apesar de algumas curvas erradas – as paletas mexicanas e aquele negócio comprido e roliço de iogurte, por exemplo – jamais saiu […]

Beer Drops – Maniacs Moscow

Nunca fui muito de futebol. Mas assumo que tenho acompanhado a Copa do Mundo com algum empenho e até torcido com entusiamo em algumas partidas, mesmo que o Brasil tenha sido elimado. Além disso, tenho um certo interesse pela Rússia. Talvez seja por conta de seus grandes escritores – como Gogol, Dostoievski e Tólstoi. Ou pela música, que contava com personalidades como Borodin e Stravinski (que, aliás, era um apaixonado por whisky). Aliás, a Rússia não é apenas um país de gigantes da literatura e música. Mas é também uma nação de coisas gigantes. O maior avião do mundo, por exemplo, é deles. Seu nome é Antonov An-225, e ele mede mais de oitenta e quatro metros de comprimento. O maior […]

Monomito – A História do Whiskey Irlandês – Parte 1

Você sabe o que A Pequena Sereia, O Senhor dos Anéis e Harry Potter tem em comum? Não, não é um protagonista irritante, ainda que isso seja verdade para as três sagas. É o monomito. Também conhecido como a Jornada do Herói, ele é uma estrutura narrativa bastante usada na ficção e, claro, em mitos, como o de Perseu. Se você analisar cuidadosamente, essas histórias – e uma porção de outras – possuem exatamente o mesmo esqueleto. O termo monomito foi descrito pela primeira vez por Joseph Campbell em seu livro “The Hero With a Thousand Faces”. Campbell pegou o termo emprestado de uma obra de James Joyce, chamada Finnegan’s Wake. O monomito é dividido em três atos: a partida, a […]

Worldclass 2018 – Sobre a Copa

Não foi dessa vez. Lutamos com garra, mas apesar de toda torcida, do canarinho pistola e do russo esquisitão, fomos derrotados pela Bélgica. Numa copa bem atípica, sem Argentina, Alemanha e Espanha, o Brasil também ficou de fora. Mas apesar de nossa derrota no futebol, ainda podemos trazer a taça para casa. Mas não da Copa do Mundo. De uma outra competição que, na opinião – assumo que um pouco enviesada – desse Cão, é ainda mais importante: o Worldclass Competition. O Worldclass, pertencente à Diageo, é um dos maiores campeonatos de coquetelaria do Brasil, e dos mais importantes do mundo. São mais de dez anos de competição, em mais de cinquenta países. Nessa década de existência, mais de sessenta […]

Dadiva Odonata 2018 – Sobre Referências

Finalmente assisti Solo: A Star Wars Story. E não me decepcionei, mas não fiquei muito impressionado. É engraçado, porque não há nada intrinsecamente ruim sobre o filme. Ele é bem dirigido, o ritmo é bacana, e o Alden Ehrenreich está excelente como Han Solo,  a ponto de reproduzir com exatidão até pequenos tiques do personagem de Harrison Ford. Tipo atirar de perna aberta e fazer aquela cara de mau ator tentando expressar surpresa. Tem que ser muito bom ator para parecer mau ator. O problema, acho, não está no filme. Está na mística. Ou melhor, na ausência dela. É que quando Han contava vantagem para Luke sobre, por exemplo, o fato da Millennium Falcon ter feito o Kessel Run em menos […]

Whiskies para comprar no Duty Free

Este é um post sazonal, que já teve três edições. Depois, leia a primeira, segunda e terceira aqui, se quiser. Ah, o prazer de viajar.  Preparar uma lista de tudo que precisa levar, com cuidado, para não esquecer nada. Escova de dentes, pasta, shampoo, sabonete, desodorante. Camisetas, camisa, blazer, malha. Calça jeans. Meias, sapatos. Calção para praia, se tiver praia, óculos escuros. Checar tudo de novo, e mais uma terceira vez, só para garantir. Passar dois dias arrumando mala, acordar as quatro e meia da manhã para pegar um voo. Usar seu corpo e boca para bater papo com o taxista por uma hora, enquanto sua alma silenciosamente cochila até chegar ao aeroporto. Fazer força para tirar as malas do […]

Beer Drops – Adnam’s Two Bays

Cervejas maturadas em barricas de carvalho ou com chips de carvalho. Nossas televisões mentais projetam, imediatamente, a imagem de alguma imperial stout ou porter, quase tão oleosa quanto petróleo. Se fosse um pouquinho mais densa, nem caberia na proverbial frase de Jânio. Bebo porque é líquido. Ela estaria lá, no limiar dos dois estados físicos. Tipo vidro. Uma vez me disseram que vidro é um líquido de altíssima densidade. Certamente essa pessoa não provou imperial stouts o suficiente para entender o que é a fronteira entre o sólido e o líquido. É natural. A maioria das cervejas maturadas pertencem a estes estilos. O que não significa, de forma nenhuma, que uma cerveja mais leve não possa sofrer maturação e ficar […]

Commodore – O lado doce da vida

Ah, o excesso. Como diria Oscar Wilde, a moderação é algo fatal. Nada tem tanto sucesso quanto o excesso. E ainda que a frase de Wilde deva ser vista com reticências, e não como uma carta branca para cometer todo tipo de atrocidade, tenho que concordar com ele. O excesso melhora bastante tudo aquilo que já é naturalmente prazeroso. Se você não concorda, deixe-me fartamente exemplificar, com abundâncias corriqueiras. Dormir até as duas da tarde no domingo. Comer meio bolo de fubá numa sentada. Assistir oito episódios seguidos da sua série favorita na companhia de um pote de sorvete ou pipoca. O clássico quarto – ou quinto – pedaço de pizza. Só mais uma cervejinha de saideira e a gente […]

Drops – AnCnoc Blas

Guardamos relação sentimental com uma porção de coisas. Aquele carro que nos acompanhou numa viagem incrível, aquele filme que assistimos com certa companhia especial e aquela música que pautou algum grande desafio. Não é necessariamente algo bom ou ruim. Mas é uma sensação de que aquilo é especial somente para você, por mais prosaico que possa aparentar para todas as outras pessoas. São aquelas coisas que participaram de momentos de epifania, ou que marcaram alguma passagem em nossas vidas. Um dos whiskies que guarda espaço especial em minha memória etílica é o AnCnoc. O AnCnoc foi meu predileto na degustação mais importante que participei em minha primeira viagem à Escócia.  Fiquei tão impressionado que a última coisa que fiz, vinte minutos […]

Seis whiskies que fazem muita falta no Brasil

Hiraeth. Não poderia começar este post de outra forma, senão por hiraeth. O correspondente galês de nossa intraduzível saudade. Mas com um significado extra. Hiraeth também se refere àquele vazio existencial causado pelo desejo de algo que você jamais teve. As saudades que um filho único sente de seu irmão que jamais nascera. Ou que eu tenho de possuir um Bowmore 1957 de 54 anos. Ah, que me falta faz esse Bowmore. De certa forma, hiraeth é um sentimento um pouco paradoxal. É a nostalgia de tudo aquilo que não vemos e não podemos ter. Mas pior que ela, é mesmo aquela saudade de algo que já tivemos, mas que acabou. Um amor, uma época da vida. E claro, uma […]