Final Ward – Aleatoriedade e Combinação

Como já contei aqui em certa ocasião, adoro comida mediterrânea. Especialmente tudo aquilo que vem do mar. E, dentro de meu coração gastronômico, há um prato que possui uma partição só dela. A Paella.

A paella – como você já deve saber – é basicamente a mistura de um monte de coisa boa com arroz. A mais tradicional leva frutos do mar e o tal cereal. Mas há versões com invencionices, que somam pato, frango, coelho, banco, feijão, páprica, alecrim, açafrão e por aí vai.

E aí está a magia da paella. Na improvável combinação de seus ingredientes. Quem poderia imaginar bacon, frango e polvo se encontrariam em um delicioso megazord gastronômico. E mais, que essa união ficaria absolutamente incrível. A Paella é a confirmação do polêmico aforismo de que um monte de coisas boas juntas ficam ainda melhores.

Tem limite.

Na coquetelaria, talvez, o coquetel que mais se aproxime do conceito da paella é o Last Word. Ele é, basicamente, a união de partes iguais de quatro líquidos deliciosos. Gim, Chartreuse, Licor de Maraschino e limão. O primeiro, de origem holandesa, o segundo, francesa e o terceiro, italiana. E o resultado sensorial – assim como no caso do prato valenciano – é maior do que a soma dos elementos. Mas nada é tão bom que não possa ser revisto. E, por isso, hoje falaremos não do Last Word. Mas de seu primo com Rye Whiskey, o Final Ward.

O Final Ward foi criado em 2005 pelo bartender Phil Ward – note o sobrenome – durante o período em que trabalhou no Death & Co., em Nova Iorque. Sua criação envolveu apenas duas trocas. A primeira, da base. Ward substituiu o tradicional gim por rye whiskey. A segunda foi a substituição de limão tahiti por siciliano – simplesmente para equilibrar o coquetel.

Ainda que o Final Ward seja um coquetel relativamente recente, contemporâneo de outros grandes classicos modernos, como o Penicillin, o Last Word é bem antigo. Ele foi criado entre 1915 e 1920 no Athletic Club em Detroit. Sua mais ilustre aparição impressa foi no livro Bottoms Up de Ted Saucier, em 1951. Porém, assim como a grande metrópole automobilística norte-americana, o coquetel caiu na obscuridade por boas décadas, até ressurgir no começo de nosso século.

O ressurgimento do Last Word aconteceu em 2005 pelo bartender Murray Stenson, do Zig Zag Café de Seattle. Stenson ressucitou o clássico justamente depois de encontrá-lo no livro de Saucier. De lá pra cá, o coquetel ganhou popularidade e alcance incríveis, e deu origem a mais de uma dúzia de variações – a mais famosa de todas, o Paper Plane, do mestre Sam Ross. Outra, o coquetel tema deste post, o Final Ward. É interessante notar, inclusive, que o renascimento do Last Word fez parte do mesmo movimento da retomada da coquetelaria que deu origem a diversos clássicos modernos.

Stenson

Ainda que a preparação do Final Ward seja relativamente fácil, há um pequeno entrave em relação a um de seus ingredientes. Chartreuse verde. É um licor de ervas francês de alta graduação alcoólica, produzido pelos monges cartuxos. Além de ser relativamente difícil de ser encontrado, seu preço não é nada amigável. Uma garrafa da bebida tem preço semelhante àquele de excelentes single malts. É um investimento que deve ser feito com cautela. Aliás – o único ingrediente verdadeiramente barato no drink é o limão.

No entanto, se você estiver se sentindo sofisticado, prepare seu bolso e aponte seu lápis. Tome nota de um coquetel que arrepiaria qualquer CMV. O deliciosamente belo, caro e improvável Final Ward.

FINAL WARD

INGREDIENTES

  • 22,5 ml (3/4 dose) Rye Whiskey (este Cão utilizou o novo Jim Beam Rye)
  • 22,5 ml (3/4 dose) Chartreuse verde
  • 22,5 ml (3/4 dose) Licor de Maraschino (Luxardo)
  • 22,5 ml (3/4 dose) limão siciliano
  • Parafernalia para bater
  • taça coupé

PREPARO

  1. adicione todas as delícias em uma coqueteleira com bastente gelo
  2. bata, até sentir que está bem gelado
  3. desça em uma taça coupé previamente resfriada e fique maravilhado com a aleatoriedade desta combinação.

One thought on “Final Ward – Aleatoriedade e Combinação

  1. Mauricio,
    Na dificuldade de encontrar o Chartreuse no Brasil, testei o Licor Abadia da San Basile, para bolsos menos capitalizados, é uma boa opção. Tanto o Final Ward como o Tipperay ficaram bastante interessantes.
    Um abraço etílico, e obrigado pelos ótimos posts!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *