Ardbeg An Oa – Sobre o Caos

Sabe, eu não acredito muito em destino. Na verdade, é bem o contrário. Acho que estamos aqui bem por acaso, que o mundo é um enorme caos que tende, cada vez mais, à entropia. Arrumar é mais difícil que bagunçar, encontrar é mais penoso do que perder. As coisas naturalmente se deterioram, ainda que, implacavelmente, tentemos conservá-las. É um movimento antinatural, em um universo que não é muito mais do que uma enorme bagunça. Destino é meramente coincidência.

Deixe-me explicar, sem soar pedante ou descrente, com uma metáfora bem imbecil. O destino é uma espécie de roleta de cassino. Quando a bolinha estaciona em uma casa que não apostamos, simplesmente ignoramos o resultado. Não há reconhecimento. Porém, se ela porventura acabar naquela que elegemos, bem, aí nos deslumbramos com o destino. Reconhecemos que aquela bolinha e nós estávamos predestinados àquele resultado.

Mas vou assumir algo aqui. Ainda que eu acredite nisso na maioria das vezes, em poucas delas, é realmente difícil aceitar que não existe qualquer espécie de destino. Uma delas aconteceu comigo há poucas semanas. Havia marcado uma viagem à Escócia, para visitar as destilarias de Islay. Sem qualquer razão específica, apenas curiosidade. No dia do meu embarque, soube que a Ardbeg havia lançado um novo whisky em seu portfólio permanente. O An Oa. Aliás, a primeira expressão a entrar na linha perene em quase uma década. Era coincidência demais.

O An Oa não possui idade declarada, e é uma curiosa combinação de diferentes barricas. Há carvalho europeu que maturou vinho jerez, carvalho americano de ex-bourbon bem como carvalho americano virgem. Algo, aliás, bem incomum, especialmente para um whisky enfumaçado de Islay. Os whiskies são combinados em um novo tonel, recentemente inaugurado por Bill Lumsden – o whiskymaker da Ardbeg.

O breve nome é uma homenagem a uma formação rochosa pertencente a uma península, o Mull of Oa, localizado no sudoeste de Islay. O local é visível antes da chegada à costa de Kildaton, onde a Ardbeg está situada. A ideia é que assim como Oa – que está antes de Kildaton para navios que se aproximam – a nova expressão seja mais acessível para aqueles apresentados aos Ardbegs.

Ardbeg (foto: Diego Muller)

O An Oa é um whisky claramente enfumaçado, mas pouco agressivo, e com um final bastante frutado e adocicado. Lembra bastante o extraordinário Ardbeg Corryvreckan, mas é bem menos apimentado e mais adocicado. Enfim, bem menos desafiador, como pretendido pela destilaria. Mas é claro, vale apontar que ele ainda mantém os genes de sua criadora bastante vivos.

Como disse uma vez, ao falar do Ardbeg Dark Cove, acertar na maturação de whiskies que possuem a participação de jerez não é nada fácil. Pode-se passar do ponto facilmente, exagerando na influência da madeira e eclipsando o sabor enfumaçado característico da destilaria. Porém, como acontece no Dark Cove, o An Oa é bem resolvido. O sabor de fumaça e medicinal estão lá, com um certo sabor de açúcar mascavo bastante agradável.

Por enquanto, o Ardbeg An Oa não está disponível em nosso país. A única expressão da destilaria a desembarcar em nossas terras é o Ardbeg Ten. Porém, talvez, em um futuro próximo, tenhamos também esta expressão à nossa disposição. É impossível prever. Como disse, o universo é regido pelo caos e pela incerteza. No entanto, com um empurrãozinho do acaso, pode ser que ele apareça por aqui. Ah, bem que poderia ser destino.

ARDBEG AN OA

Tipo: Single sem idade declarada (NAS)

Destilaria: Ardbeg

Região: Islay

ABV: 46,6%

Notas de prova:

Aroma: Enfumaçado, com iodo e um aroma subliminar frutado e cítrico.

Sabor: Defumado e seco, que progressivamente vai se tornando mais adocicado. Podia jurar que senti mexericas, mas não arrisquei traduzir.

 Disponibilidade: apenas lojas internacionais.

 

5 thoughts on “Ardbeg An Oa – Sobre o Caos

  1. Não há como negar que desta vez, o senhor sofreu a influência do destino, mestre hahaha
    Por acaso não vem nenhuma novidade defumada aqui para o Brasil?
    Vi alguns lugares vendendo o Laphroaig QA, mas acabou não me interessando mto.

    Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *