Black & White – Lenda Canina

Lacoste, Puma, Linux, Ferrari, Dodge, Nestlé, Jaguar, Lamborghini, Red Bull, MGM e Bacardi. Poderia continuar esta lista por mais cinquenta nomes sem muito esforço. São as marcas que utilizam animais em seus logos, ou em seus materiais publicitários.

Mesmo no mundo do whisky, isso é bem comum. White Horse, Glenfiddich, Famous Grouse, Wild Turkey e Murray McDavid são exemplos. Mas poucas dessas empresas possuem embaixadores peludos, empenados ou escamados tão famosos quanto uma certa Black & White, e seus dois terriers.

A história por trás do uso dos cãezinhos é interessante. Diz-se que James Buchanan, fundador da Black & White, teria visitado uma exposição de cães e lá tivera a ideia de utilizar um West Highland Terrier e um Scottish Terrier como seus mascotes. As duas raças, obviamente, originárias da Escócia.

Se fosse brasileiro, seria metade tremedeira, metade ódio.

O nome Black & White, porém, nada tem a ver com os cachorros, e pre-data a época em que eram usados na linguagem visual da marca. O Black & White nasceu na verdade como Buchanan’s Blend, um whisky que caiu no gosto da House of Commons do parlamento inglês.

James, então, aproveitando o marketing gratuito, o rebatizou de House of Commons Finest Old Highland whisky, e mudou sua embalagem – agora, uma prestigiosa garrafa escura com rótulo branco. Os comensais então começaram se referir ao whisky como “o whisky branco e preto” – “black and white whisky”, o que, mais tarde, culminou em seu rebatismo, em 1902.

No coração do Black & White está o single malt Dalwhinnie. Sua destilaria, cujo whisky faz parte dos Classic Malts da Diageo, está localizado nas Highlands escocesas, próximo à vila homônima à destilaria. O papel central de Dalwhinnie no Black & White, aliás, não é nenhum segredo – A Dalwhinnie, inclusive, lhe serve como lar espiritual.

Apesar da inspiração canina, os fofos terriers somente passaram a figurar no rótulo do Black & White em 2013, ainda que sua carreira como garotos – digo, cães – propaganda da marca seja bastante anterior. Foi na década de vinte que se tornaram parte do marketing do whisky, aparecendo em posteres e propagandas da época.

Cães desengarrafados
(note que não há a imagem dos terriers no rótulo)

O Black & White é talvez um dos whiskies mais referenciados na cultura popular. Apareceu nas mãos de Jessica Jones, na série da Netflix e em Tender is the Night, livro de F. Scot Fitzgerald. Era o scotch de preferência do lendário Walt Disney, e foi apreciado pelo agente secreto mais famoso do mundo, Bond, no filme Moonraker. Nem metade das celebridades do mundo têm tantas e tão ecléticas aparições.

Atualmente, o Black & White faz parte do portfólio da gigante Diageo, a mesma por trás de marcas como Johnnie Walker, Buchanan’s e Old Parr, e aproximadamente trinta destilarias escocesas. Historicamente desenvolvido para o paladar britânico, curiosamente, o Black & White passou a ter como seus maiores consumidores os mercados estrangeiros, como a América Latina e a Ásia.

Sensorialmente, o Black & White é bastante doce e nada enfumaçado. Não é um blend muito multifacetado, mas, também, o que lhe falta em complexidade é compensado em suavidade. O Black & White é dócil e despretensioso. Tão dócil como dois bons cãezinhos.

BLACK & WHITE BLENDED SCOTCH WHISKY

Tipo: Blended Whisky sem idade definida

Marca: Black & White

Região: N/A

ABV: 40%

Notas de prova:

Aroma: mel, amendoas, baunilha.

Sabor: mel, malte, amêndoas, caramelo. Tudo doce. Final médio, doce e com cereais.

Com água: A água torna o whisky menos doce, mas lhe rouba um pouco o sabor.

8 thoughts on “Black & White – Lenda Canina

  1. Caro Cão, não sou um expert em Whiskies mas sinto um enorme aroma de borracha queimada neste whisky. Sei que é injusto, mas fica mais evidente após um single malt, mas sinto essa borracha queimada de forma proeminente. Estatia, eu, dizendo devaneios?

    1. Marcus, não está dizendo devaneios não. O “burnt rubber” é um sensorial especialmente comum em whiskies turfados. Eu não pego esse sabor nele não – mas ele está bem presente no Teacher’s, por exemplo, e no Johnnie Walker Double Black.

  2. No quesito Animais e Whisky, também poderíamos citar o Scallywag. Inclusive achei o 13y um possível alvo.
    Dalwhinnie também é o coração do Buchanan’s, correto, mestre?
    Black & White foi um dos primeiros whiskys que eu tive contato, mas está bem longe de minhas prioridades hahaha.

    Abraço!

    1. Caramba mestre, está pesquisando bastante! É isso aí. Dalwhinnie está em uma série de whiskies da Diageo. É uma das destilarias mais utilizadas por eles para blends.

  3. Essa História de Trufados ou defumados … ? Trufa era usada para aquecer os alambiques e servir de combustível para a destilação ? O Combustível dos alambiques ? Ou é usada para defumar os toneis por dentro para dar o sabor de defumado do Duble Black ?

    1. Marcelo, acho que você está confundindo turfa com trufa (note a posição do R na palavra..rs).

      Trufa é aquele vegetal que os porquinhos gostam.
      Turfa é uma espécie de material vegetal em decomposição, um pré-carvão, que é inflamável e deixa tudo com esse delicioso aroma defumado (aka trufado).

      A turfa é usada para secar a cevada maltada, interrompendo o processo de malteação. É muito antes dos barris ou dos alambiques. Dá uma lida aqui: https://ocaoengarrafado.com.br/como-whisky-feito-1/ – essa é a primeira parte de um especial que fiz sobre produção de whisky. No post há link para as outras duas partes subsequentes.

  4. Cão, parabéns pelos ótimos textos, deveria transcrevê-los em um livro. Meu era e sou um apreciador desta exceleste bebida. Black & White era um dos preferidos do meu velho, agora sei bem porque.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *