Highball Cocktail – Simplicidade Intrincada

Foto: Tales Hideki

Há coisas que parecem simples, mas são, na verdade, extremamente intrincadas. Os japoneses tem até uma palavra pra isso. Shibusa – ou shibui. Que na minha (assumo, limitada) interpretação da cultura oriental, poderia ser traduzido – não sem alguma perda – como “austero”. Shibusa definiria algo que fosse despojado de ornamentação excessiva. Algo que tivesse um equilíbrio fino entre o elegante e o bruto, o formal e o espontâneo. Entre o simples e o complexo.

A palavra é, geralmente, aplicada a objetos – mais frequentemente, arte e moda. Ainda que quase tudo possa ser Shibusa. Pode ser uma comida. Que, aliás, cunhou o termo “shibui”, até hoje utilizado como sinônimo de adstringente. Uma bebida ou um coquetel, também. Por exemplo – e como não poderia deixar de ser – o Highball.

O Highball é o tipo de coquetel que é incrivelmente fácil e ao mesmo tempo, inacreditavelmente intrincado. Se a frase anterior lhe parece um paradoxo, deixe-me explicar. Produzir um whisky-soda, ou melhor, misturar whisky com qualquer coisa com bolhas, é bem fácil. Se meu cachorro tivesse polegares opositores, ele provavelmente faria tranquilamente. A questão, aqui, são os detalhes que permeiam os ingredientes, e o cuidado no preparo.

Em primeiro, é preferível que o copo – tradicionalmente uma caneca alta – esteja bem gelado. Aliás, é melhor que esteja tudo bem gelado: club soda, whisky, copo e (já que estamos falando obviedades) o gelo. Atenção especial para este ingrediente. Um gelo opaco, com muito ar represado em seu interior, poderá diluir muito rapidamente, e atrapalhar na carbonatação (as bolhinhas).

Tá, vai com calma, campeão!

Prefira um gelo mais translúcido – não necessariamente grande. Aliás, falando nas bolhinhas, este é outro ponto importante. Use club soda, ou uma água com gás neutra com bastante gás. Bastante mesmo, a ponto de ser quase imbebível pura. A temperatura baixa, aliada à diluição com gelo e whisky tratarão de equilibrar o gás.

Tradicionalmente, o highball leva apenas gelo, whisky e club soda. Porém, nada impede que você sofistique sua receita. No Caledonia Whisky & Co., nosso bar em São Paulo, por exemplo, servimos com uma lasca de gengibre e uma folha de limoeiro. Essas adições aromáticas são super bem vindas, e ajudam a trazer complexidade para a mistura. Um chá delicado também pode ser uma boa ideia, mas cuidado para não exagerar – lembre-se de shibui. A nota predominante deve ser do whisky, com a leveza da água carbonatada.

Como muitos coquetéis clássicos, a origem do highball é discutível. A ideia de misturar uma bebida alcoolica com algo carbonatado data do final do século dezenove nos Estados Unidos (há um coquetel chamado Simplificatore no Bartender’s Manual de Harry Johnson, de 1900). Porém, os responsáveis por sua popularização são, indiscutivelmente, os japoneses. Na década de vinte os japoneses já consumiam whisky com club soda. Em meados de 1960, Shinjiro Torii, fundador da Suntory, abriu uma cadeia de bares chamados “Torys”, que serviam o drink. Aí, a popularidade da mistura decolou.

Mas vamos deixar este post simples. Aí vai uma receita tão simples quanto misturar whisky e água com gás, mas tão intrincada quanto fazer um niguiri.

Talvez mais.

HIGHBALL (AKA HAIBORU):

INGREDIENTES

  • 1 dose (30ml) de Whisky (escolha um whisky que tenha uma influência clara de madeira ou turfa. Se pegar algo delicado, a tendência é que ele perca força por conta da água carbonatada).
  • 3 doses (90ml) de Club Soda ou água com gás (escolha uma que tenha bastante gás!)
  • Gelo bom
  • Copo alto ou caneca previamente gelada
  • adições aromáticas (seja criativo)
  • aparato para mexer

PREPARO

  1. Gele tudo. Copo, whisky, água com gás. Gele até o gelo, só pra ter certeza.
  2. Adicione na caneca (ou copo) gelada, o gelo. Ele deve ser suficiente para cobrir quase todo copo. Se conseguir produzir um gelo grande e comprido, melhor. Senão, vá com pedras grandes – isso vai garantir que a diuluição e a carbonatação estejam corretas.
  3. adicione o whisky e a club soda
  4. mexa suavemente com a colher bailarina, como se puxando o whisky do fundo para cima. Não exagere.
  5. Se quiser, adicione uma lasca de gengibre, ou algum elemento aromático que você goste. Lembre-se que o higball é um coquetel delicado!

9 thoughts on “Highball Cocktail – Simplicidade Intrincada

    1. Excelente, mestre! Simples e bem bom.
      Por favor, alguma sugestão para um gelo melhor? Li sobre água mineral e ferver a água e cobrir com papel filme antes de resfriar.
      Abraço!

      1. Mestre, gelo cristalino é dificil mesmo de fazer. Nao adianta muito ferver ou botar o papel. O mais garantido é fazer um congelamento controlado. Coloca numa forma de sorvete, e deixa congelar. A parte de cima ficará cristalina. Aí voce vai lá e corta a parte de baixo e molda. Dá trabalho, mas é garantido

  1. Salve Máster of Masters! Uma pergunta. Tem alguma diferenca entre Highball e o Tom Collins? Obrigado Caro Faro dos Destilados!!

    1. Walther, de certa forma, são palavras que definem a mesma coisa, mais ou menos. Mas highballs normalmente são uma soda com base alcoolica, um pouco mais extenso.

  2. Boa tarde, caníneo.

    Antes de mais nada, sou um apreciador oculto de seu blog há alguns (vários) anos. Hoje, embuído da verve quarentenal resolvi dar as caras nos comentários de uma postagem sua.

    Minha dúvida é a seguinte, acabei de comprar um Dewar’s 12 anos e gostaria de saber se esse whisky é um bom ingrediente para o drinks.

    Desde já agradeço e cuide-se, parece que o mundo está acabando.

    1. CAramba, adorei a verve quarentenal.

      Felipe, o Dewar’s 12 é excelente para coqueteis. É, inclusive, a base para uns três ou quatro coqueteis que temos lá em nosso bar, Caledonia! 🙂

      Dá uma olhada na receita do Gold Rush, capaz de voce curtir

  3. Eu sempre vou em um izakaya e lá o highball é feito com cerveja, e o doido é que pra mim sempre era com cerveja, to em choque agora que descobri que não é a receita “mais comum”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *