Johnnie Walker Swing – Doce Balanço

Calça jeans. Depois de quase um século e meio, a peça de vestuário que começou como indumentária de cowboys e mineradores no velho oeste passou a ser usada por praticamente todo mundo. Homens, mulheres, crianças. Porém, poucos conhecem sua real origem.

A calça jeans foi criada por Jacob Davis, um minerador que participou da febre do ouro nos Estados Unidos, no século dezenove. Sua matéria prima é o denim, material outrora utilizado para revestir as tendas dos trabahadores das minas, inicialmente produzido na cidade de Genova, na Itália. Daí o nome Jeans – Genoa (Genova), com sotaque americano. Jacob comprava o material de um tal de Levi-Strauss, que, mais tarde, se juntou a ele para fundar a conhecia Levi Strauss & Co.

Atualmente, a calça jeans está por toda parte, numa infinidade de desenhos diferentes. Mas há uma coisa em seu design que resistiu à passagem do tempo, e permanece desde sua concepção. Um pequeno bolso, dentro de um dos bolsos da frente. Esse bolsinho sempre me intrigou, de forma que, certo dia, resolvi pesquisar para que ele servia.

Pra que, Levi?

Imaginem o tamanho de minha surpresa quando descobri que aquele pequeno continente teria sido projetado, inicialmente, para o relógio de bolso. Sim, para evitar que ele se quebrasse, já que muitos mineradores e cowboys os utilizavam na época do oeste selvagem.

Olha, talvez eu não seja hipster o suficiente, ou tenha usado meus jeans errados a vida toda. Mas acho esse um uso meio específico. Quantas pessoas efetivamente usam a calça ou a compraram porque ela tem um minibolso que não cabe quase nada, exceto, bem, um relógio de bolso? Penso que bem poucas.

No mundo do whisky, o bolsinho da calça jeans poderia ser facilmente comparado à garrafa do Johnnie Walker Swing. É que ela foi projetada para que o whisky fosse levado em viagens navais, e não caísse da prateleira do navio com o balanço do mar. O que, bem, pressupõe que você possua uma embarcação, ou vá levar um whisky na embarcação de alguém. Para mim, esse é o tipo de solução para um problema que ninguém tem.

Quase ninguém

Seja como for, o Johnnie Walker Swing está no mercado já há bastante tempo. É o terceiro produto mais antigo da linha Johnnie Walker, sendo mais novo apenas que os clássicos Red Label e Black Label. Ele foi lançado em 1932, e desenvolvido pelo próprio Alexander Walker.

Segundo a marca, Alexander Walker notou que, durante uma viagem naval, as garrafas no bar da embarcação se moviam por conta do balanço do navio, e o bartender tinha dificuldades em deixá-las todas no lugar, e evitar que se quebrassem. O cavalheiro então, ao voltar para a Escócia, encomendou uma garrafa com um fundo convexo, que se mantinha no lugar, apesar do balanço.

Sensorialmente, o Johnnie Walker Swing é um blended whisky leve, adocicado e relativamente complexo. Ainda que a marca não divulgue sua composição, é quase seguro afirmar que leva uma boa proporção de Cardhu. O single malt domina seu paladar, ainda que haja uma discreta fumaça e influência vínica.

Se você gosta de whiskies leves e adocicados, ou é um fã da marca do andarilho mas procura algo com perfil de sabor um pouco distinto, o Johnnie Walker Swing é para você. Para você e para todos aqueles que querem uma garrafa que não se estilhace no chão durante viagens navais, claro.

JOHNNIE WALKER SWING

Tipo: Blended Whisky com sem idade declarada.

Marca: Johnnie Walker

Região: N/A

ABV: 40%

Notas de prova:

Aroma: baunilha, caramelo. Adocicado e muito agradável.

Sabor: Delicado e adocicado. Compota de frutas, com final levemente enfumaçado e ainda doceC

Disponibilidade: quase todo lugar, inclusive na Caledonia Store

11 thoughts on “Johnnie Walker Swing – Doce Balanço

  1. Por algum motivo eu já sabia do bolso da calça jeans. Apesar de nao ter a menor ideia de como tenho essa informação.
    História excelente, mestre. Meu navio terá várias desta hahaha. Engraçado que estive na Candy Shop estes dias e o Swing estava mais caro que o Platinum, o qual pelo que leio é bem bom.
    Inclusive acho que preciso escrever ao senhor rs. Uma pequena ajuda para organizar a rota.

    Abraço!

  2. Eu gosto do sabor do swing…e tb já dei de presente pq achava a garrafa bonita… Mas JAMAIS imaginei que a garrafa era desse formato para não cair da prateleira do navio…
    Agora só vou comprar o swing para minhas viagens de barco…huahuahauhauhau

  3. Junto com o uso em embarcação – já tenho o whisky preciso comprar o iate – consta também que o envelhecimento, não divulgado na garrafa, era 7 anos para o Red, 12 anos para o black e ele era “até a perfeição” quando só tinha os três tipos. Você é a pessoa indicada para esclarecer esta afirmação. Abraços

    1. Haha, pra mim também, Daniel. Para falar a verdade, não, estou um passo atrás – não tenho o whisky também.

      Sobre as idades – Black é efetivamente 12 anos. Está estampado lá! Red não é 7. Red é no mínimo 3 anos, de acordo com a autorregulação da Scotch Whisky Association (que determina que o mínimo de idade para um whisky é 3 anos em barris de carvalho não superiores a 700L). Minha teoria é que essa ficção de que o Red é 7 anos partiu de uma exigência antiga da Receita Federal, que, na época, tributava os whiskies de acordo com sua idade. E, por isso, a importadora era obrigada a declarar a idade mesmo se não houvesse

  4. Prezado solicito uma ajuda caso seja possível.

    não sou profundo conhecedor de whisky porém sou degustador de cerveja e tenho algum conhecimento de degustação de vinhos.

    Pois bem herdei alguns whiskys após o falecimento de meu avô. Entre eles veio um Johnnie Walker swing. Estou com a dura missão de saber se é falso ou não. Meu avô era meio roleiro e não bebia existe alguma possibilidade de ser falso.

    A começar pela garrafa que verifiquei que a tampa é diferente da tampa de hoje porém verifiquei que antigamente a tampa era diferente e se assemelha com algumas fotos que vi na internet. Soma-se que não tem dosador porém não sei exatamente quando isso se tornou obrigatório.

    Verifiquei suas notas de degustação e tentei comparar as minhas percepções. o interessante que o aroma é até agradável e tem realmente um fundo de baunilha e caramelo.

    No entanto o paladar me parece ser extremamente diferente de suas notas. Me parece áspero e extremamente picante. O calor alcoólico me parece excessivo. Também se volatilizam na boca lembranças de esmalte. O conjunto da obra acaba sendo esquisito pois é agradável de cheirar mas desagradável suficiente para eu não querer engolir o produto.

    Acabo ficando na dúvida se é algo completamente falso ou algo que não tenho paladar evoluído bastante para apreciar.

    Grato no que conseguir ajudar.

    1. Paulo, tudo bem? Acho que não há motivo para pânico. Vamos por partes:

      1) provavelmente seu avô comprou o whisky em alguma viagem, ou de alguém que viajou, e ele não tinha dosador. Quiçá houve a importação de algum lote sem dosador em algum momento. O dosador não é obrigatório. Ele é facultativo, é uma segurança a mais que certas importadoras e companhias utilizam para evitar que o whisky seja falsificado por transposição. Mas nao ter dosador nao significa que é fake. Veja que o Green label nao tem dosador hoje.

      2) A garrafa é provavelmente bem antiga, nao? Se for, o que pode ter acontecido é uma oxidação. A oxidação deixa o whisky mais metálico, esquisito. Outra coisa é a luz. Se ele recebeu muita luz por muito tempo, a tendência é que ele fique mais “flat”, com o apimentado e o alcoolico mais pronunciado. Ruim mesmo, tipo lamber inox.

      Pode ser algo desse tipo? Seja como for, nao se preocupe. Pode continuar bebendo com moderação, que não vai matar 😀

  5. Ola meu amigo feliz 2021!
    sou apreciador de whisk e tenho alguns exemplares blended jonnnie walker, blue, island green, swing, black ,red e single cardhu, e outros, costumo consumilos mas deixo em um bar de vidro e pega luz pois meu apto a varanda recebe sol do leste e invade minha sala toda com muita luz, estou preocupado com a garantia de segurança dos meus exemplares, confeccionei um acortinado de tecido preto com bordas em elastico estou envolvedo a frente do bar durante o dia, gostaria de uma dica, se ja seria suficiente.
    gosto muito dos seus comentarios.
    abs

    1. Caro Walter, tudo bom? O acortinado já ajuda. Acho que por um longo período de tempo pode haver alguma variação. Mas, acho que é um estímulo para sempre tomar uma dosezinha , com calma!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *