Drops – AnCnoc Blas

Guardamos relação sentimental com uma porção de coisas. Aquele carro que nos acompanhou numa viagem incrível, aquele filme que assistimos com certa companhia especial e aquela música que pautou algum grande desafio. Não é necessariamente algo bom ou ruim. Mas é uma sensação de que aquilo é especial somente para você, por mais prosaico que possa aparentar para todas as outras pessoas. São aquelas coisas que participaram de momentos de epifania, ou que marcaram alguma passagem em nossas vidas.

Um dos whiskies que guarda espaço especial em minha memória etílica é o AnCnoc. O AnCnoc foi meu predileto na degustação mais importante que participei em minha primeira viagem à Escócia.  Fiquei tão impressionado que a última coisa que fiz, vinte minutos antes de embarcar de volta para o Brasil, foi correr em uma loja do Duty Free para levar uma garrafa para casa – um AnCnoc 16 anos.

Naturalmente, imaginei que com o tempo e depois de provar outros maltes, a sensação se dissiparia. Mas, na verdade, ela se manteve. Depois daquele 18 anos, tive mais umas quatro garrafas diferentes. E gostei de todas elas. Todas guardavam a mesma característica de suavidade, de uma oleosidade quase de manteiga derretida, que me fascinava. Mas a minha preferida dentre todas é este AnCnoc Blas – cujo nome significa “sabor” em gaélico.

O AnCnoc Blas é uma versão turbinada – em uma palavra mais técnica, Cask Strength – do clássico perfil de sua destilaria. Que, aliás, não se chama AnCnoc, mas sim Knockdhu. A incomum diferença entre o nome do whisky e da destilaria possui uma razão bem clara. É para evitar que os ébrios amantes de whisky o confundam com a Knockando, outra destilaria, cujos whiskies se chamam também Kockando.

A Knockdhu localiza-se em Aberdeenshire, nas Highlands escocesas, e possui uma impressionante e variada gama de expressões. Há whiskies sem idade – como o Blas – e outros bastante maturados, como um incrível 25 anos. Há também edições especiais turfadas, que possuem diferentes níveis de defumação. A destilaria é bastante versátil e, na opinião parcial deste canídeo,  uma das mais injustiçadas da Escócia, juntamente com a Ben Nevis.

O AnCnoc Blas é uma edição especial da Knockdhu, em colaboração com o estilista escocês Patrick Grant. Se você acha esquisito que um estilista tenha se envolvido na produção de um single malt, eu explico. É que Grant ficou responsável por ilustrar a embalagem e o rótulo do whisky. Segundo o desenhista, “passei bastante tempo na Knockdhu, não apenas observando a paisagem e os arredores, mas conhecendo as pessoas que trabalham lá e os métodos que utilizam. Tudo na gravura é da montanha, da vila de Knock ou de dentro da destilaria, e conta a história da produçao do Blas. Eu tentei interpretar a história e tradição da AnCnoc de uma forma moderna, e espero que isso tenha sido traduzido pela estética da garrafa”.

Patrick e o Blas

Não é a primeira vez que a Kockdhu se une a uma personalidade para uma colaboração improvável. Outras edições limitadas da destilaria contaram com ilustrações de Peter Arkle, conhecido ilustrador escocês. Mas se você acha que todo esse papo de desenho é uma besteira, acalme-se. O AnCnoc Blas não é diferente apenas em sua roupagem. Como mencionado acima, ele é engarrafado diretamente do barril, sem qualquer diluição, e possui 54% de graduação alcoólica – algo bem incomum para os AnCnocs.

Talvez eu esteja exagerando. Talvez o AnCnoc Blas seja apenas mais um bom whisky, dentre tantos whiskies bons. Talvez ele tenha se beneficiado de um momento extraordinário. Afinal, é mais fácil apaixonar-se na Escócia do que na sala de casa. Mas é justamente esta dúvida, esta sensação de que ele é melhor para mim do que para todo mundo, que o torna ainda mais especial.

ANCNOC BLAS

Tipo: Single malt sem idade definida

Destilaria: Knockdhu

Região: Highlands

ABV: 54%

Notas de prova:

Aroma: Mel, baunilha, castanhas caramelizadas.

Sabor: Frutado, levemente cítrico, com mel, baunilha e capim santo. O final é adocicado e muito suave.

Disponibilidade: apenas lojas internacionais

2 thoughts on “Drops – AnCnoc Blas

  1. Como vai, mestre? Excelente texto!! Só me esclareça uma coisa: este seria considerado um cask strength, correto? Porém, se o whisky passa por alguma diluição, mesmo que seja pequena ele já não pode ser considerado CS?
    Engraçado que a mesma sensação que você teve com o Ancnoc eu tive com o Ardbeg. Me pareceu excelente. Supus que seria uma sensação passageira e hoje, 19 tipos de whisky depois (sim, eu anoto hahaha), nenhum conseguiu bater o título dele de meu preferido.

    PS: Aproveitando a passagem, vi um pessoal vendendo o Bowmore Darkest (aquele antigo, NAS, https://www.thewhiskyexchange.com/p/967/bowmore-darkest-sherry-cask-finish). Parece uma boa idéia?

    Grande abraço e obrigado pelas respostas no e-mail!!

    1. Fala mestre! Pois é – tenho isso com alguns underdogs. AnCnoc, Ben Nevis, Ledaig… Sou apaixonado por eles e não entendo como não tem tanto destaque!

      Sobre o Darkest, pode comprar. É um whisky legal. É via ML, né? O preço está bem bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *