Drops – Booker’s True Barrel Bourbon

O mundo do whisky escocês é cheio de exageros. Single malts com graduação alcoólica superior a 60%. Whiskies maturados por mais de cinco décadas e vendidos a milhares de libras. Maltes insanamente defumados, que preenchem o ambiente com seu característico aroma de fumaça tão logo sejam abertos. Normalmente produzidos em pequenos lotes ou edições limitadas. Há uma certa curiosidade quase doentia nisso. Uma dúvida de até onde se pode chegar e quais seriam os resultados práticos disso.

Naturalmente, do outro lado do Atlântico, a indústria do whiskey americano não fica para trás. Bourbons com mais de vinte anos de idade e cujos preços alcançam quatro casas decimais são cada vez mais comuns. Os Pappy Van Winkle provam isso com louvor. Assim como aqueles whiskeys insanamente alcoólicos, mas incrivelmente saborosos. Um dos expoentes máximos deste estilo é o Booker’s, também conhecido como Booker’s True Barrel Bourbon.

O Booker’s é um bourbon engarrafado sem filtragem ou diluição (cask strength ou barrel strength, como preferir). A maioria das barricas do Booker’s é selecionada de uma área específica do armazém. As prateleiras do meio – onde, segundo a Jim Beam, as condições de temperatura e umidade são mais favoráveis a criar um whiskey mais intenso e profundo, seja lá o que intenso e profundo significar nesse caso. Aliás, falando em armazém, há uma curiosidade sobre o Booker’s. Às vezes, a graduação alcoólica de entrada nas barricas é inferior a de saída.

Pode parecer contra-intuitivo (afinal, o álcool possui temperatura de evaporação inferior à água), mas é justamente o que acontece. As barricas são preenchidas com destilado cuja graduação alcoolica é de 62,5% – o máximo permitido para bourbons. Por conta de condições de humidade baixa e variação de temperatura, porém, o barril perde mais água do que álcool, num processo semelhante à osmose, o que acaba aumentando o ABV do whiskey. Isso já foi comentado por aqui quando provamos o Stagg Jr.

A história do Booker’s é interessante. Ele foi criado por Frederick Booker Noe II, master distiller da Jim Beam de 1965 a 1992. No começo, Frederick engarrafava o whiskey apenas para presentear amigos e familiares. As barrSTAGGicas eram escolhidas uma a uma por ele. O Whiskey, porém, ganhou fama, e os presenteados acabaram conseguindo persuadir Frederick a transformar seu whiskey em um produto oficial da Jim Beam. O primeiro lote foi lançado em 1988, e contava com menos de mil garrafas.

Frederick

Atualmente, o Booker’s é um lançamento – mais ou menos – trimestral. Cada lote é claramente identificado na garrafa pelo seu número e ano de envase, mas recebe também uma espécie de nome de batismo. Os nomes geralmente fazem referência a algum personagem ou passagem importante da história da Jim Beam. O whiskey da foto, por exemplo, é o lote 02 de 2015 (2015-02) e se chama Dot’s Batch.

Por não haver qualquer diluição, a graduação alcoólica varia de lote para lote – mas geralmente supera os 60% – assim como a idade. Porém, pode-se afirmar que a média dos whiskeys selecionados é de 7 anos. Se você acha pouco, pense novamente. O Booker’s é produzido no Kentucky, onde há enorme variação de temperatura da noite para o dia, o que acelera bastante o processo de maturação.

A Mashbill do Booker’s é a mesma dos Jim Beam tradicionais, que conta com 77% de milho, 13% de centeio e 10% de cevada maltada. Isso, aliado à graduação alcoolica e à maturação em barricas virgens de carvalho americano – como todo bourbon – trazem um sabor adocicado, mas também bastante picante e carregado de especiarias, caramelo e baunilha. Em comparação ao Stagg Jr., o Booker’s é mais seco, mas é também um pouco mais palatável puro.

Infelizmente, nenhum Booker’s está disponível em nosso país. Porém, se viajar e tiver a sorte de encontrar um destes, não deixe de experimentar. Nem que seja apenas para aplacar alguma curiosidade. No mundo do whisk(e)y, o exagero é quase sempre interessante.

BOOKER’S TRUE BARREL BOURBON – BATCH 2015-02

Tipo – Kentucky Straight Bourbon

ABV –varia (normalmente superior a 60%)

Região: N/A

País: Estados Unidos

Notas de prova

Aroma: adocicado com canela, caramelo e pimenta do reino.

Sabor: adocicado no começo, com caramelo queimado, pimenta do reino (páprica talvez?). Final médio e seco, com baunilha.

Com água: A água torna o whiskey mais adocicado.

Disponibilidade: Lojas internacionais

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *