Um Desvio à Moda Antiga – Brooklyn Brewery Improved Old Fashioned

Esses dias acordei e, como não encontrasse nada na geladeira que me apetecesse, fui com fome ao supermercado. E isso, como vocês devem saber, é péssimo. Ao invés de cuidadosamente separar os itens para um café da manhã saudável, resolvi fazer um voo solo pelas gôndolas que mais me interessavam naquele momento. A dos salgadinhos. Parei lá, contemplando em silêncio as dezenas de opções para aquele desjejum nutritivo.

Dentre inúmeros saquinhos coloridos, um chamou minha atenção. Batatinhas sabor picanha. Sabor. Picanha. E enquanto salivava pensando em um churrasco instantâneo, comecei a pensar o que faria aquilo ter, especificamente, o gosto de picanha. Porque picanha é uma coisa bem específica. O que diferenciaria, por exemplo, um salgadinho sabor picanha de um com gosto de contrafilé?

E aí, quando voltei para casa, resolvi pesquisar este fascinante mundo da comida deliciosamente artificial. A internet, prontamente, me apresentou um mundo de produtos estranhos. Batatinhas de sabores tão improváveis quanto borsh (isso é uma sopa), chocolate ao leite, salada césar – porque, se é para ser trash, melhor algo com sabor de comida saudável – e uma opção que quase me levou ao nirvana psicológico-gastronômico: chips com gosto de vieiras com alho e manteiga.

Meu deus. E que língua é essa?
Meu deus. E que língua é essa?

Acompanhei, na semana passada, com interesse comparável àquele que tive por esta delícia falsamente marítima, o lançamento de uma cerveja. A Brooklyn Improved Old Fashioned, que aconteceu no Bar Cateto, dia 11 de junho. A ideia era a mesma dos salgadinhos. Só que muito melhor. Porque, afinal, era cerveja. Uma cerveja com o mesmo perfil de sabor do clássico coquetel de whiskey. O Old Fashioned.

Antes de descrever como o pessoal da Brooklyn Brewery, localizada em Nova Iorque, conseguiu essa façanha, deixe-me fazer um mea culpa. Este não é um texto sobre whisky, mas sobre uma cerveja. Uma cerveja, entretanto, que guarda uma relação muito íntima com a melhor bebida do mundo. Uma relação, aliás, bem mais próxima do que aquela daquela batatinha com um aroma que remonta, remotamente, um corte bovino. Ela é, na verdade, a recriação em forma fermentada de um dos mais icônicos coquetéis que levam whiskey.

A Brooklyn Improved Old Fashioned faz parte de um projeto da Brooklyn Brewery e Garrett Olivier, seu brewmaster, de criar cervejas com perfil de sabor semelhantes àqueles dos melhores coquetéis do mundo. A primeira edição prestigiou o já prestigiadíssimo Manhattan. A segunda – que me dá ansiedade só de pensar – denominada The Concotion, foi uma releitura cervejeira do Penicillin, e teve o auxílio de seu criador, Sam Ross, para ser desenvolvida.

Para recriar o sabor do coquetel, ao invés de recorrer a alguma essência industrialmente produzida, Garrett usou como ponto de partida uma rye ale – ou seja, uma cerveja produzida com centeio – de forma a enfatizar o sabor picante proporcionado por aquele grão. Depois, deixou que a cerveja descansasse em barricas previamente utilizadas para maturar o Whiskey WhistlePig Rye. Esse estágio trouxe à bebida os sabores de fumaça e madeira. Por fim, foi desenvolvida uma tintura especial que emulasse os bitters e botânicos do Old Fashioned.

WhistlePig Rye
WhistlePig Rye

Nas palavras – traduzidas, claro – de Garrett “Existem coisas que você consegue fazer, e outras não. Por exemplo, não dá para replicar a sensação de calor proporcionado por um destilado. Mas você pode fazer outras coisas, e acho que fizemos bem. A parte mais difícil foi provavelmente balancear os componentes dos elementos do bitter, especialmente o cravo. Um pouquinho só já é muito. A outra parte difícil foi acertar na sensação da casca de laranja. Não usamos quaisquer extratos ou óleos comerciais (…). Acabamos oor usar uma casca de laranja asiática, desidratada a frio, que proporciona um aroma fantástico.”

O resultado, provado por este Cão, é realmente incrível. Aliás, incrível como a maioria das cervejas produzidas pela Brooklyn. Há um claro aroma cítrico, que é curiosamente complementado por uma sensação picante e, ao mesmo tempo, herbal. É uma sensação agradavelmente confusa. Tipo sentir vieiras em batatinhas pré-fritas. Mas vieiras de verdade.

Para experimentar a Brooklyn Improved Old Fashioned, não será necessário visitar algum país esquisito e comer salgadinhos de sabores improváveis – não que isso seja ruim. A BeerManiacs, mesma abençoada importadora que nos traz a deliciosa Ola Dubh, trouxe um número limitado de garrafas da cerveja para cá. O preço sugerido é de R$ 300,00. Elas serão vendidas em lojas especializadas, como, por exemplo, o Empório Alto dos Pinheiros e, claro, o Bar Cateto.

Para os ecléticos ébrios, a Improved Old Fashioned é uma cerveja obrigatória. E para os não tão ecléticos também. Porque você nem precisa gostar de cerveja. Basta admirar um bom whisky. E se você não gostar de um bom whisky – o que me faz perguntar por que você teria chegado até aqui no texto – basta ser fã de coquetelaria.

Este Cão garante. É uma experiência bem melhor do que qualquer batatinha.

BROOKLYN BREWERY IMPROVED OLD FASHIONED

Tipo: Rye Ale maturada em barricas de whiskey

Cervejaria: Brooklyn Brewery

País: Estados Unidos

ABV: 12.8%

Notas de prova:

Aroma: cravo, canela, especiarias, pão, pimenta do reino.

Sabor: picante e cítrica, com finalização longa, com cravo, canela e especiarias.

Preço sugerido: R$ 300,00

 

 

6 thoughts on “Um Desvio à Moda Antiga – Brooklyn Brewery Improved Old Fashioned

  1. Só alguém muito sagaz conseguiria montar um comparativo entre os deliciosos salgadinhos com sabores improváveis e uma cerveja sabor old fashioned hahahaha.
    Realmente muito interessante! Clássicos merecem total respeito!

    Grande abraço!

  2. Fala mestre, grande Maurício, aí eu te pergunto: com os preços dessas cervejas que você tem nos mostrado, quem disse que whisky é caro?

  3. Caro Cão Engarrafado, não seja maniqueísta. Cheguei ao fim do seu delicioso texto, aliás muito bem escrito, e não gosto de uísque. Nunca consegui gostar. Mas gosto muito de cerveja. E esta aí experimentei com agradável surpresa no Mondial de la Bière deste ano. É realmente uma grata experiência. No mais, estamos de acordo. Grande abraço.

    1. Caro Sait-Clair, este foi um comentário fantástico! A Improved é realmente muito boa. Aliás, quase tudo que a Brooklyn faz, é. Talvez minha cerveja número um seja a Sorachi Ace, seguida de perto por aquela maldade líquida que era a Cuvée Noire.

      Ah, e sem maniqueísmos! Me sinto realizado que tenha chegado ao final do texto mesmo não gostando da água da vida. Whisky e cerveja têm muitos pontos em comum. Mas veja bem, acho que o denominador comum aqui é gostar de coisas boas. E nisso estamos afinados!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *