Sobre o Frio – Irish Coffee

O Cão Engarrafado - Irish Coffee

Não sei se vocês estão sentindo. Mas aqui está bem frio. E ainda que eu claramente prefira essa congelante brisa invernal – apesar de não estarmos ainda no inverno – ao calor senegalês do verão, há uma série de coisas que eu realmente prefiro fazer quando está mais quente. Como, por exemplo, ir ao banheiro. Eu odeio ir ao banheiro de casaco.

Aliás, vou contar uma coisa mais ou menos porca para vocês. Nada relacionado a higiene pessoal é legal no frio. Escovar os dentes exige que se bocheche e, consequentemente, suas mãos sejam congeladas. Acordar de manhã e percorrer a distância até o chuveiro – e aguardar o chuveiro esquentar – só para passar frio novamente ao sair é torturante.

No entanto, há uma infinidade de atividades que ficam bem melhores no frio. Cole Porter já descreveu uma delas, ao dizer que “de acordo com os Estudos de Kinsey, todo homem médio que se conhece, prefere praticar seu esporte favorito, quando a temperatura está baixa”. As outras são, por exemplo, dormir, assistir filmes no conforto do lar e, claro, beber whisky. Aliás, o frio é um ótimo pretexto para se consumir a melhor bebida do mundo.

Cole, pensando em seu esporte favorito.
Cole, pensando em seu esporte favorito.

Acontece que, às vezes, você precisa de algo realmente quente. Uma bebida cuja temperatura natural já seja capaz de reanimar suas congeladas células. E, neste quesito, nada no mundo supera o Irish Coffee.

O Irish Coffee é, na verdade, a combinação de duas das melhores coisas já inventadas em estado líquido. Whiskey e café. Reza a lenda que ele foi criado na década de quarenta por Joe Sheridan, um chef de cozinha responsável por um restaurante e café localizado no terminal aeroportuário de Foynes, na Irlanda. O restaurante de Joe era conhecido naquela época como um dos melhores do país.

O coquetel teria sido concebido quando um grupo de passageiros americanos desembarcou de um hidroavião, em uma manhã de inverno, em 1940, naquele condado. Sheridan, prestativo e criativo, adicionou whiskey irlandês ao café, para aquecer ainda mais aqueles pobres viajantes. Quando indagado se aquilo era café brasileiro – uma iguaria na época – Sheridan simplesmente respondeu “é Café Irlandês”.

O Irish Coffee alçou voo internacional quando Jack Koeppler, proprietário do Buena Vista Café de São Francisco o incluiu em seu cardápio. O restaurante alega ter aperfeiçoado a receita de Sheridan após muita pesquisa e até mesmo uma visita à terra natal do coquetel.

Para evitar qualquer discussão acalorada, a receita apresentada nestas páginas caninas será a mesma da International Bartender’s Association. Porém, este Cão encoraja que você, leitor, teste até atingir sua receita preferida. Mexa um pouco nas proporções e mude os ingredientes. Se você quer algo mais amargo, adicione mais café ou reduza o açúcar. Se quer mais cremoso, aumente a proporção do creme. Teste com mais de um tipo de café. Seja corajoso. Quase tão corajoso quanto alguém que saiu da cama para tomar banho hoje.

IRISH COFFEE

INGREDIENTES

  • 1 Dose de Whiskey Irlandês (este Cão utilizou Jameson Irish Whiskey)
  • 2 Doses de Café Quente
  • ¾ dose de chantilly (ou espuma de leite) – Tá bom, eu assumo que coloquei um pouco mais do que isso para a foto.
  • 1 colher de chá de açúcar mascavo

PREPARO

  • Em um copo especial para bebidas quentes – pode ser uma caneca de vidro ou mesmo de porcelana – adicione o café, o whiskey e o açúcar mascavo. Mexa um pouco. Adicione o chantilly sobre a mistura.

15 thoughts on “Sobre o Frio – Irish Coffee

  1. Sabe que até meu whisky tem ficado frio com esse clima?!
    E ainda que eu prefira o frio, tem certas coisas que realmente são complicadas de se fazer no frio, como por exemplo, ir até a parte externa da casa haha.
    Olha, vc tem toda razão: whiskey e café são excelentes. Misturados, eu acredito que não tenham como dar errado.

    Grande abraço, meu amigo!

  2. É uma ótima pedida. Aqui em Goiânia faz pouco frio, mas algumas boas cafeteiras servem o Irish Coffee com whiskey Jameson.

  3. O Jameson por si só já é meu cachorro na beira do fogão a lenha qdo preparo nossa comidinha aqui em ubatuba.

    1. Cara, não é boba não, que besta eu não explicar. Aqueci com um isqueiro numa dessas taças de conhaque. Mas para te falar a verdade, isso é um preciosismo. Pode colocar a temperatura ambiente, contando que o café esteja bem quente. Aliás, vou modificar o texto para refletir isto. Obrigado pelo comentário 🙂

  4. Certa vez pedi um Irish Coffe na cafeteria – ‘só por curiosidade’; depois daquele dia pedi outro noutro dia, e noutro dia, e depois… O maior problema era a consistência da bebida (cada vez que pedia, ele era diferente da vez anterior). Aí resolvi comprar uma garrafa de Jameson (o único irlandês que encontrei no mercado) e fazer eu mesmo (o problema, agora, é que a garrafa do Jameson acaba antes que eu tenha feito uns 2 ou 3 cafés).

    E foi assim que comecei a beber whiskey.

    1. Hahahaha, fantástica a história, Sergio. Tem que comprar duas garrafas: uma pra beber enquanto está fazendo o Irish Coffee, e outra pro coquetel. rs.

  5. Muito ansioso para provar esse casamento das minhas bebidas favoritas… :p

    Ps: Cão, sou muito fã do seu trabalho, continue assim, nota 1000, é meu site preferido!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *