Jack Daniel’s Bottled in Bond – Drops

Se você é um apaixonado por whiskey americano, talvez você saiba que sua época embrionária não foi nada gloriosa. De fato, apenas uma pequena fração do que era destilado no século dezenove na América poderia hoje ser considerado um american whiskey, de acordo com nossos padrões atuais. O publico também não ajudava muito – os cowboys estavam longe de serem grandes degustadores sofisticados.

O que importava era, bem, ficar bêbado.  Então qualquer coisa que envolvesse muito álcool era bem recebida nos saloons. Muitas vezes, o que se bebia nem era whisky. Mas sim álcool neutro misturado com algo que lhe desse cor ou algum sabor, para emular a bebida real. Essas fusões podiam incluir uma pletora de coisas, desde melaço até glicerina e ácido sulfúrico. Aliás, boa parte dos casos de pessoas que ficaram cegas bebendo algo que acreditavam ser whiskey – como reza a lenda – aconteceu por conta dessas combinações.

Uma das tentativas de resolver a questão – e fazer o público deseducado beber melhor – partiu do Governo Federal dos Estados Unidos. Em 1897, foi promulgado o “Bottled in Bond Act”. De acordo com esta lei, whiskies que atendessem a certos requisitos de qualidade poderiam estampar, orgulhosamente, em seus rótulos, a expressão “Bottled in Bond”. Os requisitos eram (a) ser produzido em uma única temporada de destilação (de janeiro a junho, ou de junho a dezembro), por uma única destilaria; (b) maturar em uma “bonded warehouse” sob a supervisão do governo por no mínimo 4 anos; e (c) possuir 50% de graduação alcoólica.

O Jack Daniels Bottled In Bond, tema desta prova, presta homenagem a esta lei. Aliás, engarrafamentos “Bottled in Bond” têm sido uma tendência. De acordo com a destilaria “Durante a decada de 1890, o Sr. Jack Daniel’s engarrafou seu whiskey na hoje familiar garrafa quadrada, para garantir sua qualidade “Até que o selo fosse violado”. O governo dos Estados Unidos então entrou na onda, e divulgou o “Bottled in Bond Act” identificando whiskey produzido em uma unica destilaria, de uma única temporada, maturado em um armazém alfandegário e engarrafado a 100 proof (50% ABV).

Outros rótulos Bottled in Bond (foto: Serious Eats / Vicky Wasik)

A história real, porém, não é bem assim. O Governo norteamericano não promulgou a lei porque o lendário Jack teria colocado seu whiskey na garrafa quadrada. A garrafa foi criada apenas para identificar o produto da Jack Daniel’s mais facilmente, atestando sua qualidade. Em outras palavras, não há uma relação direta entre a garrafa quadrada e o Bottled in Bond Act. Exceto que as duas coisas aconteceram em um intervalo de tempo de menos de três anos e que, discutivelmente, participaram da mesma tendência. A garrafa quadrada da Jack Daniel’s é datada de 1895, e o Bottled in Bond Act, de 1897.

Além de prestar homenagem à lei, como seria de se esperar, o Jack Daniel’s Bottled in Bond segue todos seus requisitos. O que, sensorialmente, não faz muita diferença, se compararmos com o tradicional Jack Daniel’s Old No. 7. Exceto por um detalhe bem importante. A graduação alcoólica. O Jack Daniel’s Bottled In Bond possui 10 pontos percentuais a mais de álcool, se comparado ao seu irmão mais comum. Algo mais do que notável.

Sensorialmente, o Jack Daniel’s Bottled in Bond é mais apimentado e alcoólico que o Old No. 7 – o que é de se esperar. Ele é também um pouco mais adocicado. Na verdade, a expressão que mais se compara a ele não é o mais tradicional dos Jack Daniel’s, mas sim uma edição especial. O Jack Daniel’s 150th Anniversary Edition, que também possui 50% ABV. Comparado a ele, o Bottled in Bond parece menos amadeirado e mais doce, ainda que essa diferença seja quase marginal, e somente perceptível com mais clareza se bebidos lado a lado.

Ainda que tenha o visual vintage do Old No. 7 , o Jack Daniel’s Bottled in Bond é bem recente. Ele foi lançado no segundo semestre de 2018. Porém,  já está disponível nos principais aeroportos com terminal internacional no Brasil, nas lojas de Duty Free. Seu preço é de US$ 42,00 (um pouco superior àquele do Old No. 7, mas, ainda assim, razoável).

Se você é um fanático pelos produtos da Jack Daniel’s, gosta de whiskeys com graduação alcoólica relativamente alta ou apenas aprecia uma boa história, não deixe de conferir o Jack Daniel’s Bottled in Bond. E ao contrário do whiskey servido no tempo das diligências, a gente te garante que a única cegueira que ele poderá te dar é aquela da admiração.

JACK DANIEL’S BOTTLED IN BOND

Tipo – Tennessee Whiskey

ABV – 50%

Região: N/A

País: Estados Unidos

Notas de prova

Aroma: adocicado, caramelo, açúcar mascavo, baunilha.

Sabor: adocicado, frutas em calda, baunilha, mel, especiarias. Um pouco de acetona. Final longo, um pouco agressivo, com baunilha e toffee.

Com água: a água torna o final mais adocicado e curto.

6 thoughts on “Jack Daniel’s Bottled in Bond – Drops

  1. Como fã incondicional do Jack, comprei, e gostei muito tanto do visual quando do teor da garrafa…
    E como sempre, seus textos são sempre esclarecedores e dignos de leitura… Parabéns.

  2. Vi recentemente este whisky para vender, mestre. Acompanha lá demais americanos no quesito agradável e agressivo?
    Aproveito a oportunidade para questionar: qual a diferença mínima de graduação que o senhor acredita influenciar no sabor do destilado? Cerca de 3 pontos?
    Abraço!

    1. Mestre, acho que vale arriscar, se estiver com preço bom. O 150th anniversary é melhor. Mas o bottled in bond é interessante.

      Acho que por aí. 3%. A Laphroaig reduziu o ABV há uns anos, e isso fez bastante diferença. Foi justamente essa variação – três pontos. A história mais famosa é a da Maker’s Mark, quando decidiram reduzir o ABV do whisky. Rolou até boicote à marca.

  3. O aroma de acetona é uma característica em alguns jacks
    Provei recentemente o Rye .
    Pude sentir também acetona

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *