Royal Salute Malts Blend – Diversificação

Certa fez, Henry Ford, ao falar de seu Ford Model T disse “O cliente pode ter seu carro pintado de qualquer cor, desde que essa cor seja preta“. Ainda que sarcástica, a declaração tinha todo sentido. Não havia espaço para o supérfluo. O Model T fora criado para ser acessível – e nisso, foi incrivelmente bem-sucedido.

O primeiro Ford Model T saiu da fábrica em setembro de 1908. No ano seguinte, mais de dez mil automóveis foram produzidos. O último – tão preto quanto o primeiro – deslizou da linha de produção em 1927. Foram dezoito anos. Nesse período, perto de quinze milhões de Model T foram produzidos. Todos, quase idênticos – exceto por alguns pequenos detalhes internos.

Pelo menos tinha conversível

Na época do iPhone X e Xs, manter inalterado um bem de consumo por dezoito anos pode parecer um enorme contrassenso. Por outro lado, a inércia da Ford não pareceu afetar as vendas do Model T – que entrou na história como um dos mais bem sucedidos automóveis de todos os tempos.

Uma marca cuja trajetória foi muito semelhante àquela do Ford Model T é a Royal Salute. Desde sua criação, em 1953, o único whisky em sua linha permanente foi o querido Royal Salute 21 anos, hoje conhecido como Signature Blend. Ainda que, neste caso, haja opções de cor – tres vezes mais do que do Model T.

Em 2019, porém, a marca finalmente decidiu diversificar seu portfólio perene, introduzindo dois novos whiskies. Um blended scotch whisky de vinte e um anos, defumado: o Royal Salute Lost Blend (já revisto por aqui) e o Royal Salute 21 Malts Blend – o primeiro blended malt da marca, que acaba de desembarcar no Brasil. As cores também foram revistas. O blend clássico vêm somente na cor azul. O turfado possui um decanter preto, enquanto o blended malt ficou com o verde.

Este é um movimento corajoso da Royal Salute. Criar um blended malt não é algo trivial. Blended whiskies recorrem bastante à porção de whisky de grão. Ela é a tela em branco, a tabula rasa, onde o quadro – o perfil sensorial – será pintado. A porção de grain whisky traz delicadeza e suavidade, e confere um pano de fundo para que os maltes brilhem.

No caso de um blended malt – que utiliza apenas single malts em sua mistura – a técnica de equilíbrio é semelhante. Mas o desafio é muito maior, porque não se pode recorrer ao grain whisky. A construção depende exclusivamente do equilíbrio entre os single malts – elementos que possuem personalidade bem mais forte. E, no caso do Royal Salute Malts Blend, há ainda mais um agravante: a idade mínima deve ser vinte e um anos.

De acordo com Sandy Hyslop, o criador do Royal Salute Malts Blend, em entrevista exclusiva para este Cão Engarrafado, “Ele usa mais carvalho americano. Tem Strathisla na mistura, também Longmorn. Alguns maltes verdadeiramente clássicos. Mas, obviamente, sendo um blended malt, foi para o lado frutado” e continua “Estamos usando mais de 21 single malts diferentes na mistura. É complexo. Cada barril é individualmente analisado, e no final você tem algo que é bastante frutado. É como pêssegos e xarope. É bem adocicado.

Sandy, durante evento em Seoul

Já Mathieu Deslandes, diretor de marketing da Royal Salute, ao ser indagado sobre a criação de um blended malt, em oposição a um blend com whisky de grão, disse “Nós, como marca, fomos criados como um blend, então permanecemos fiéis a isso. É verdade que o perfil do sabor do single malt é algo que vem se desenvolvendo muito. É algo que é mais forte em termos de personalidade, menos suave. Por isso, foi interessante entrar nesse campo como uma forma de diversificar nosso portfólio para o consumidor“.

Sensorialmente, o Royal Salute Malts Blend é um whisky adocicado, com frutas em calda, mel, caramelo e baunilha. Há um certo apimentado residual, bem discreto. O álcool é extremamente bem integrado. Não há qualquer sinal de turfa. Apesar de ser um blended malt, há um tema bem claro, reminiscente de um single malt. Um tema adocicado e frutado, muito bem elaborado.

Tanto para o apaixonado pela Royal Salute, quanto o entusiasta de whiskies, o Malts Blend é um lançamento entusiasmante. É a prova de que blended malts podem ser tão bons ou melhores que single malts, e um sinal de renovação de uma das mais cobiçadas marcas de blended scotch. Assim, se puder, prove o Royal Salute Malts Blend. Você, inclusive, pode escolher qualquer cor para o frasco. Desde que seja verde.

ROYAL SALUTE MALTS BLEND

Tipo: Blended Malt
Marca: Royal Salute
País/Região: Escócia – N/A
ABV: 40%
Idade: 21 anos

Notas de prova:

Aroma: Adocicado, com frutas em calda e creme brulee.
Sabor: adocicado, com compota de frutas, baunilha, bananas, creme brulee. Final longo e apimentado.

One thought on “Royal Salute Malts Blend – Diversificação

  1. A Chivas já atingiu a excelência. Já atingiu o mais alto grau de reconhecimento. Bebendo ou não whisky, é impressionante como a maioria das pessoas conhece o Chivas. Conhece o Royal Salute.
    É admirável a ousadia e a coragem de ainda assim buscar a evolução.
    Abraço, mestre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *