Royal Salute 21 The Lost Blend – Das distinções

Em julho deste ano viajei, a convite da Royal Salute, para a Coréia do Sul, para provar o novo portfólio permanente da marca. E me surpreendi. Tanto com os whiskies quanto o país. É que a Coréia do Sul, para falar a verdade, é bem parecida com a gente. Lá tem tudo que tem aqui, mas as coisas são um pouquinho diferentes. Por exemplo, no prato, tem frango, carne, peixe. Mas o tempero é outro. E não tem muito feijão. Mas quase virtualmente em toda refeição tem alguma coisa de kimchi.

Na nossa superstição, o número treze dá azar. Lá, é o quatro. As ruas não tem muitas palmeiras por lá, mas são cheias de cerejeiras. Na Coréia do Sul, quase todo mundo usa maquiagem, e tudo bem. Os semáforos falam e fazem um barulhinho engraçado quando você atravessa a rua, sei lá por que. E as pessoas usam máscaras contra poluição.

E a língua, bom, a língua é totalmente e desesperadoramente diferente, a ponto de eu não saber nem como falar sim e não ou pedir pro taxista me levar pro hotel, porque, quando eu pedi, ele entendeu outra coisa e me deixou em um bar. O que até foi uma surpresa boa, porque eu achei providencial beber algumas doses para aliviar a jet lag. Depois, claro, de ter que explicar, por mímica, o que queria beber para o bartender.

Pelamordedeus!

E – para fazer um paralelo com o objetivo de minha viagem – a Coreia está para o Brasil assim como o Royal Salute 21 The Lost Blend está para o Signature Edition – aquele Royal Salute, que já conhecemos. Porque eles dividem o mesmo DNA. São whiskies sofisticados, delicados e extremamente agradáveis. Possuem belíssimas garrafas de porcelana e exalam sofisticação. Mas, sensorialmente, são distintos. Enquanto o Signature é floral e perfumado, o Lost Blend traz um tempero e uma fumaça maravilhosos.

Nas palavras de Sandy Hyslop, master blender e criador do Royal Salute 21 Lost Blend, durante seu lançamento oficial “Eu queria um whisky com sabor bem tradicional em sabor. Mas cujo aroma tivese um pouco de fumaça picante e de fogueira (…). Se você tomar um pequeno gole do Lost Blend, você verá que um certo sabor de laranja vem em abundância. Mas junto com ele, há uma fumaça, um aroma de fogueira, incrível. E também um sabor de avelã, proveniente dos barris de carvalho tradicionais (carvalho americano) usados no blend. O Royal Salute Lost Blend tem uma finalização incrivelmente longa, e leva bastante tempo para desaparecer na língua, e é aí que você percebe seu sabor defumado

Sensorialmente, para este Cão, o Lost Blend se aproxima bastante da descrição dada por Sandy. É um blended whisky delicado, extremamente refinado e nada agressivo. Seu aroma é pouco defumado – no nariz, o que se sobressai, é um frutado cítrico, bem característico, aliás, do tradicional Royal Salute. Porém, no sabor, pode-se facilmente notar um enfumaçado seco, mais presente em sua finalização. É um whisky extremamente complexo que parece ao mesmo tempo tão familiar quanto novo.

O Royal Salute 21 The Lost Blend leva, em sua composição, alguns maltes bastante raros, de destilarias silenciosas – o nome dado àquelas que foram desativadas ou demolidas. Dentre seus mais preciosos ingredientes, estão maltes da Imperial e Caperdonich, bem como whisky de grão da Dumbarton Green. Aliás – numa suposição educada deste Cão – o componente deliciosamente defumado do Royal Salute 21 Lost Blend é, provavelmente, o desejado Caperdonich. É por conta do uso destes raros elementos que o whisky leva seu nome de “Lost Blend” – O Blend Perdido.

A Caperdonich

O Royal Salute 21 The Lost Blend faz parte do portfólio permanente da luxuosa marca de blended scotch. Porém, é a única expressão da tríade cuja venda é exclusiva de duty-free shops. Elas não estarão disponíveis, a princípio, em nenhum mercado doméstico do mundo. Ou seja, para conseguir uma garrafa, será necessário viajar – mas não para a Coréia. O Lost Blend provavelmente estará disponível em breve em nossos freeshops de aeroportos internacionais.

Provar o Royal Salute 21 The Lost Blend é como viajar para a Coréia. É algo novo e entusiasmante. Mas há também uma agradável sensação de familiaridade. De que aquilo não é totalmente desconhecido por nós, e que nos traz um sentimento ao mesmo tempo de alumbramento e conforto. Sentimento, este, que apenas um blended scotch whisky tão tradicional e sofisticado poderia trazer.

ROYAL SALUTE 21 THE LOST BLEND

Tipo: Blended Whisky com idade definida – 21 anos

Marca: Royal Salute

Região: N/A

ABV: 40%

Notas de prova:

Aroma: Floral, com amêndoas e laranja lima.

Sabor: Adocicado, mel, frutas cítricas e frescas. Pimenta do reino, canela, cravo. O final é longo e vai se tornando progressivamente seco, defumado e picante.

Com Água: Adicionar agua reduz um pouco o sabor apimentado e deixa o enfumaçado mais evidente.

 Disponibilidade: Duty Free de aeroportos internacionais (em breve)

6 thoughts on “Royal Salute 21 The Lost Blend – Das distinções

  1. Preço ?
    Quanto ao Verde, os Esmerald, os Green ? Os Blend Malt ?
    Quando vão está no Uruguai ?
    Quanto vão custar ? Vender um rim para comprar ? Porque parte do Fígado ninguém vai querer mesmo …

  2. Fico feliz do senhor ter começado por este, mestre haha. Ele me chamou muito a atenção.
    Achei muito interessante a iniciativa de diferenciar as novas versões uma da outra.
    Aproveito a oportunidade para a questão que já ia te fazer: É natural percebermos mais notas na finalização do que na própria degustação? Já havia notado isso.
    Grande abraço!

    1. Mestre, até que sim, porque é quando o alcool vai embora e podemos pegar outras notas. Adiciona um pouquinho de água, pode ajudar a identificar as “notas iniciais”!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *