Especial de Natal – Um Manual de Como Presentear com Whisky

Especial de natal

Escolher presentes de natal nunca é fácil. Nem mesmo para a pessoa com que você mais tem intimidade no mundo. No meu caso, a Cã Engarrafada. Neste caso, o risco é errar. Não há espaço para errar com alguém que você conhece tão bem. Mas como já estamos casados a pouco mais de meio decênio, tendo galgado o dobro disso de namoro, recorri a uma praticidade arriscada. Perguntei a ela o que queria receber de presente.

E não me condene por ter sido direto. Porque realmente é romântico captar sinais e ir sorrateiramente reunindo informações e analisando reações para tentar descobrir o que sua melhor parte deseja. Mas isso também é trabalhoso e – caso sua inteligência emocional seja equivalente a de um crustáceo, como a minha – pode dar terrivelmente errado.

Após uns três segundos de uma ensaiada cara de dúvida, a Cã respondeu que queria uma bolsa, e que me daria um single malt. Uma bolsa, tudo bem, pensei. Qual a dificuldade em escolher uma bolsa? Bem menor do que a dela, ao escolher o whisky.

Minha ida ao shopping revelou que a tarefa era consideravelmente mais difícil do que eu havia previsto. Principalmente quando não há o menor espaço para erro. Afinal, em tese, eu sei o gosto dela. Mas existem infinitos modelos, tamanhos e acabamentos. Couro ou lona? Ferragens douradas ou prateadas? Pequena ou grande? Com alça transpassada ou não? Tudo que eu queria, naquele momento, era que alguém me guiasse pelo espinhoso caminho dos assessórios femininos.

 

Eu sinto sua dor.
Eu sinto sua dor.

E aí eu tive um alumbramento. Pensei que talvez as pessoas tivessem essa dúvida com whiskies também. Então, resolvi fazer um post de utilidade pública. Um mini-manual com recomendações para não errar no presente para seja quem for o ébrio presenteado.

Por onde começar? Blended whiskies? Single malts? Bourbons? Comprar o melhor que puder bancar? Ou investir no básico de qualidade? Dividi o post em categorias, de forma que será mais fácil que você, meu caro, veja um incontestável sorriso nos alcoólicos lábios de seu presentado. As faixas de preço são meras referências. Os whiskies clicáveis levarão você para suas respectivas provas, feitas por este canídeo, com informações detalhadas – mais ou menos – sobre cada um.

1) WHISKIES STANDARD (AKA Abaixo de R$ 100,00)

Pode ser que você seja simplesmente pornograficamente rico, ou tenha recebido um bônus fantástico de seu escritório de cobranças judiciais. Neste caso, meu conselho é que pule para o item 3, com uma rápida passada de olhos pelo item 2. Caso contrário, segure firme em minha mão virtual, que lhe guiarei pelo incrível mundo dos whiskies baratos.

Vamos combinar uma coisa. Não está fácil para ninguém. Mas não existe nenhuma razão para se envergonhar caso você, depois de cumprir com todas suas obrigações financeiras, tenha ficado apenas com alguns reais para investir em um mimo etílico. O importante é fazer o melhor investimento que puder com suas Dilmas – caso seu desejo seja este, claro. Aí vão algumas sugestões:

Blended Whiskies – Vá de Famous Grouse Finest ou Suntory Kakubin. Se prazer pudesse ser medido em partes por milhão (ppm), provavelmente estes dois teriam a maior concentração de partículas por Real despendido. Sério, não dá nem para se sentir culpado.

Single Malt – Aqui não há espaço para escolhas. O único single malt abaixo de R$ 100,00 é o Glen Grant. Pronto. Quiçá todas as escolhas da vida fossem tão fáceis quanto esta.

Bourbon/Whiskey – A eterna batalha entre Jack Daniel’s Old. No. 7, e Jim Beam. Escolha uma garrafa e entre no combate. Ou recorra a uma Suíça engarrafada, e leve um Wild Turkey. Mais peru por menos dinheiro.

2) WHISKIES PREMIUM (entre R$ 101,00 e R$ 350,00)

Quando digo Premium, me refiro, especialmente, aos famosos blended whiskies premim. Normalmente, os primeiros que você vê quando entra em algum bar. Os que estão na prateleira do meio do supermercado. Enfim, os que estão por toda parte.

Blended Whiskies – Essa é uma escolha emocional. Siga seu coração. Você tem duas opções mais óbvias: Johnnie Walker Black Label ou Chivas Regal 12 anos. Se quiser subir um discreto meio-degrau, invista no Chivas Extra ou Johnnie Walker Double Black (se seu gosto for para os defumados). Dentre as menos elementares, temos o Buchanan’s 12 anos. O Black Grouse também é uma boa opção se você se animou com o Double Black. Simples assim.

Single Malts – Não tem como errar. Glenfiddich 12, Glenlivet 12 ou Glenmorangie 10. Um pouco mais acima, temos uma miríade de single malts magníficos, como o Glenfiddich 15 anos, Balvenie Doublewood, Dalmore 15 anos, Glenmorangie Quinta Rubán e os incríveis-fundo-de-cinzeiro-com-maresia Laphroaig Quarter Cask e Ardbeg 10.

Bourbon/WhiskeyWoodford Reserve, Maker’s Mark, Jack Daniel’s Single Barrel. Fique nestas três opções e seja feliz.

A Kesha aprova
A Kesha aprova

3) WHISKIES SUPER PREMIUM (entre R$ 351,00 e R$ 900,00)

Whiskies super premium são aqueles que você pensaria duas vezes em tirar a garrafa da prateleira, com medo de escapar da sua mão. São aqueles destinados a quem realmente não está muito preocupado em gastar um pouco mais, e procura algo exclusivo. A vida tem te tratado bem. Isto é bom. Não precisa ter vergonha também. Bebemore a isto.

Blended Whiskies – Minha escolha clássica é sempre o Chivas Regal 18 anos. Entretanto, há outras opções excelentes, como o Royal Salute 21 e Buchanan’s 18 anos. Na linha Johnnie Walker, este Cão tem preferência pelo Platinum ao Blue Label. Mas isto é um gosto pessoal.

Single Malts – Aqui se pode investir em garrafas bem interessantes. Macallan Sienna é uma escolha certeira. Dalmore 18 anos e Glenfiddich 18 também são boas alternativas. No campo dos defumados, a única opção é o Laphroaig 18 anos, também conhecido – por mim – como amor líquido.

Bourbon/Whiskey –Nosso país carece de bourbons de valor quase extorsivo. O único é o Jack Daniel’s Sinatra Select. Um litro de delícia para beber como um integrante do Rat Pack.

4) WHISKIES ULTRA PREMIUM (acima de R$ 900,00)

Estas são as Lamborghinis e Ferraris do mundo etílico disponíveis no Brasil. Não dá para ficar muito melhor – ou mais caro – do que isso. Quer dizer, na verdade, dá. Mas aí estaríamos entrando na esfera das edições especiais, exclusivíssimas e raríssimas.

Então coloque seu Patek Phillipe sobre sua mesa de mogno maciço, acenda seu Cohiba Behike e contemple as opções de presente que poderá dar àquele seu afortunado (não tanto quanto você) amigo.

Ryco
Ryco

 

Blended Whiskies – Dentre os ícones, você poderá optar entre o Royal Salute 38 anos e o Johnnie Walker Odyssey. Se estiver com um humor lúdico, pode até fazer essa escolha com base no seu material de preferência: cerâmica ou cristal? Se quiser fugir dos dois gigantes, o Ballantine’s 30 anos é uma boa opção. Altíssimo luxo por menos da metade do preço de qualquer um dos anteriores.

Single Malts – Poucas destilarias têm coragem de trazer produtos nessa faixa de preço para nosso país. A mais destemida delas é a Glenfiddich, com seus Glenfiddich 21 e 26 anos. Há também o Dalmore King Alexander III, maturado em seis diferentes tipos de barrica. Os dois são absolutamente irrepreensíveis. Mas a estrela do show é mesmo o Macallan Ruby. É o mais acessível – mesmo que acessível aqui tenha quase um sentido irônico – dentre os mencionados. Se você é um cara, pense que ele é a Amber Heard engarrfada. Se você é uma menina, imagine o, deixe pensar, Ryan Gosling? Me ajudem aqui.

Bourbon – Infelizmente nenhum Bourbon entrou nessa extorsiva faixa de preço.

Caso o whisky que você está considerando não está nesta lista, não se desespere. Seja para presentear terceiros ou como forma de autoindulgência, siga sua intuição. Ou recorra à praticidade como este Cão, e pergunte logo o que seu presenteado quer receber. Afinal, ganhar whisky é sempre bom, mesmo sem surpresa.

22 thoughts on “Especial de Natal – Um Manual de Como Presentear com Whisky

  1. Gostei de receber estas dicas. Muito boas.

    Tem um Whisky que tive a oportunidade de provar e que não encontro no Brasil. Gostaria de saber se já o conheceu e qual sua opinião?
    Crown Royal, um whisky canadense que eu e minha esposa adoramos!

    1. Erico, Crown Royal é um bom whisky. Já tive oportunidade de experimentar mais de uma vez. Acho um pouco leve demais (mas nada que atrapalhe!). Sabia que o Crown Royal Northern Harvest Rye (uma variação do Crown Royal que voce tomou) foi eleito pelo Jim Murray como o melhor whisky do mundo em 2016? Depois procure ler as impressões dele sobre o whisky! Abraços!

    1. Fala Leandro. Heaven Hill é um bourbon bem honesto. Ele é a marca original do grupo que hoje possui também o Elijah Craig (que é fantástico) e o Evan Williams.

      Até onde sei, Heaven Hill não chega em nosso país. Entretanto, se quiser experimentar algo parecido, vá atrás do Evan Williams. Lembre-se que cada uma dessas marcas possui mais de uma expressão, e que a unica disponível no Brasil é a versão de entrada.

  2. Gostaria de presentear um amigo com um bom whisky de 21 anos. A melhor escolha pra quem não sei muito dos gostos seria o Johnnie Walker Blue Label?

    1. Fala Bruno! Puxa, então, o Blue Label não é 21 anos. Ele é o que chamamos de NAS (No-Age-Statement). Temos a impressao que ele tem 21 por causa do posicionamento dele no portfólio da Diageo, logo acima do Platinum, que é 18 anos.

      Se a ideia é impressionar seu amigo, mas ele não é muito nerd no mundo do whisky, talvez o melhor seja pegar algo que ele já conhece e admira. Apesar de não ser 21, o Blue é uma ótima ideia. O Royal Salute 21 também. Dentre os blends premium, no entanto, sempre recomendo o Platinum (para quem gosta do sabor defumado e equilibrado) ou o Chivas 18 (para aqueles que apreciam o aroma adocicado e floral). Se preferir ir de single malt, o Macallan Sienna, Glenlivet 18 ou Glenfiddich 18 não tem erro!

      Abraços!

  3. Podes me ajudar indicando um bom whisky para eu dar de presente, na faixa de até 150. É que nao conheço nada de whisky, nem bebo nada . Desde já obg…

    1. Carlos, assim de surpresa é um pouco complicado. DO que a pessoa gosta? Blends, single malts, whisky americano? É uma pessoa que gosta de novidades ou não? Faz seguinte, mande um email para ocaoengarrafado@gmail.com que passaremos algumas ideias. Abraços

    1. Noh, assim, seco? Depende. Mais equilíbrio ou mais vinho de sobremesa?

      equilíbrio – Glenfiddich
      vinho – Dalmore

  4. Preciso comprar um presente para uma pessoa entendedora de whisky, mas meu bolso só comporta um Macallan 12 anos Fine Oak ou um Macallan Amber. Fico com qual dessas opções? Parto para outra marca? Meu receio com o Macallan Amber é que não tem “idade”… Obrigada!

    1. Oi Patrícia, boa tarde, tudo bem?

      Veja bem, para fazer essa recomendação, precisaria saber o gosto de seu presenteado. Deixe-me fazer um paralelo: é como se eu chegasse para uma costureira e dissesse assim: “olha, tenho duzentos reais para comprar uma roupa para minha esposa, o que você acha que eu compro? Um maiô, um vestido, um blusão talvez?”.

      É que os whiskies são, essencialmente, diferentes. Há whiskies defumados (como talisker, Johnnie Walker Double Black etc.), secos (Cardhu, Buchanan’s, Old Parr), vínicos (Macallan 1824 Series do qual o Amber faz parte, Dalmore), delicados (Chivas 12, Royal Salute), adocicados (Glenfiddich 12, Singleton of Glen Ordt) etc. Isso sem falar nos Bourbons e Irish whiskeys.

      Sobre os Macallan, o Amber é um whisky mais vínico, enquanto o Fine Oak é mais adocicado e delicado. É uma questão de gosto escolher entre os dois. Se você estivesse ME presenteando, aí provavlemente gostaria mais de receber o Fine Oak – mesmo por uma questão de custo/benefício. Mas isso dependerá somente da pessoa. É intransferível…rs

      O que essa pessoa costuma beber de whisky?

      1. Já vi bebendo um Macallan de tampa preta – juro, não lembro do rótulo -, mas só vi esse whisky na Escócia… Não encontrei muitos Macallan para comprar no Brasil… o Fine Oak realmente me ajuda muito pelo custo! E imagino que eu não faria feio, já que até tu se interessou pelo presente, hehehe!!!! Aliás, parabéns pelo blog! Não bebo whisky, mas estou achando o conteúdo super interessante! E tu escreve muito bem, humor afiado, parece cronista! Parabéns e obrigada pela dica!

        1. Valeu Patrícia!

          Acho o Fine Oak um whisky bem bom pelo preço. Não é muito complexo, mas é super agradável e possui a personalidade da Macallan. Se você já viu ele bebendo a marca, iria nele!

  5. Jameson também é blended whisky, muito bom por menos de 100 r$ sei que esse tutorial já tem alguns anos e por isso eu tive que incluir, o old parr acho que merece um espaço junto com o buchanans já citado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *