Exceção – Bruichladdich The Classic Laddie

classic-laddie-o-cao-engarrafado

Quando estava no colégio, uma das minhas aulas preferidas era biologia. Achava interessantíssimo assuntos como evolução, reprodução – sem duplo sentido aqui – e, claro, genética. Aliás, genética provavelmente foi um dos meus pontos mais queridos durante minha formação no ensino médio. Adorava descobrir quais eram os genes recessivos e dominantes, e encontra-los em meus amigos e familiares.

Caso você não saiba o que é isto, aí vai uma explicação mais ou menos simples. Genes recessivos são aqueles que não se expressam no estado heterozigótico. Em uma linguagem leiga, acontece o seguinte. Muitos genes – tipo a cor do olho – possuem duas ou mais variações chamadas alelos. Se você tem, diremos, um alelo “azul” e outro “castanho”, e este último é o dominante, então você terá olhos castanhos. Entendeu?

Não? Então aqui vão mais alguns exemplos. Se, para você, dipirona não tem gosto de nada, você é recessivo. Cruzar o dedão direito sobre o esquerdo ao encontrar as mãos é recessivo, assim como não conseguir dobrar a língua em U. Por outro lado, se sua orelha tem lóbulo (essa é aquela parte debaixo, perto do maxilar) solto, você é dominante. E ainda isto esteja longe de ser absoluto, geralmente, a característica determinada pelo gene dominante é mais frequente, e a pelo gene recessivo é menos.

Por exemplo, não testar para ver qual dedo cruza em cima do outro depois de ler isto é recessivo (mentira)
Por exemplo, não testar para ver qual dedo cruza em cima do outro depois de ler isto é recessivo (mentira)

Se whiskies tivessem genes, provavelmente o mais recessivo deles seria o Bruichladdich The Classic Laddie. O Classic Laddie é a exceção em um mundo de dominantes. A começar por uma característica que o define. Ele não tem qualquer traço de defumação, apesar de ser produzido na ilha escocesa de Islay, conhecida mundialmente por seus whiskies esfumaçados.

Além disso, o Classic Laddie utiliza cem por cento de cevada produzida na Escócia. Um traço claramente recessivo em um mundo de dominantes, onde parte da cevada é, geralmente, importada, de forma a aumentar e eficiência e reduzir os custos de produção.

Como se isto não bastasse, o Bruichladdich The Classic Laddie não recebe a adição de corante caramelo – uma prática comum hoje em dia – e não é filtrado a frio. Por conta disso, ao adicionar gelo ou um pouco de água, é comum que certa turbidez apareça. Isto acontece porque as moléculas mais pesadas se agregam com a redução do teor alcoólico do whisky. E falando em teor alcoólico, aí está mais um traço incomum no The Classic Laddie. Cinquenta por cento.

A maturação do The Classic Laddie ocorre inteiramente em barricas de carvalho americano que antes contiveram Bourbon whiskey. E aqui talvez esteja o único traço genético dominante no The Classic Laddie. A ausência de idade impressa no rótulo – uma prática cada vez mais comum na indústria do whisky.

Assim como o The Classich Laddie, a própria Bruichladdich é uma destilaria incomum. Ela foi fundada por William, John e Robert Harvey, irmãos em uma família já veterana no ramo dos whiskies e proprietária das destilarias Yoker e Dundas Hill. O trio, entretanto, tinha uma ideia ambiciosa. Construir uma destilaria que, desde o início, se destacasse como uma exceção a tudo aquilo que já existia em Islay. E deu certo. Até hoje, a Bruichladdich é uma das mais encantadoras destilarias da ilha.

Lugar feio.
Lugar feio.

Além de sua linha tradicional, da qual o The Classic Laddie faz parte, a Bruichladdich produz ainda uma série de whiskies esfumaçados – mais ou menos nos mesmos níveis de defumação de seus vizinhos – conhecida como Port Charlotte, e uma com exemplares insanamente defumados, batizada de Octomore, em homenagem à fazenda que lhes fornece a cevada. Ah, e além de três linhas de whisky, ela produz também gim.

Visualmente, o single malt apresenta uma coloração quase de palha, devido à ausência de corante caramelo. Seu aroma é frutado, e o sabor adocicado, com pera, laranja e baunilha, apesar da graduação alcoólica, ele é um whisky leve e muito agradável.

Se você é fã de single malts leves e frutados, ou se é apaixonado pelos monstros defumados de Islay mas quer entender o que mais a ilha pode produzir, o The Classic Laddie é para você. Porque, afinal, não há genes recessivos ou dominantes para se apreciar um bom single malt.

BRUICHLADDICH THE CLASSIC LADDIE

Tipo – Single Malt sem idade definida (NAS)

ABV – 50%

Região: Islay

País: Escócia

NOTAS DE PROVA

Aroma: baunilha, frutas, mel.

Sabor: Frutado, com pera, maçã e frutas doces. Final médio, com baunilha e açúcar refinado.

5 thoughts on “Exceção – Bruichladdich The Classic Laddie

  1. Como vai, Doutor?
    Cara, Bruichladdich realmente ataca em diversos campos, não é mesmo? O verdadeiro Jack-of-all-trades do mundo dos whiskys.
    Gosto da idéia de um whisky sem corante e com uma maior graduação, mas acho que iria preferir partir para o lado defumado.

    Grande abraço e obrigado pelas respostas no e-mail!

    1. Somos dois, mestre Felipe. O Port Charlotte é tudo de bom que Islay pode oferecer. Bastante fumaça, alta octanagem e pouca maturação. Fantástico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *