Fancy Free – Bourbon Month

Há uma centena de datas comemorativas bem aleatórias durante o ano. Uma das minhas preferidas é o dia 01 de fevereiro. É o dia do Eletricitário Gaúcho. Gosto da data porque ela é bem específica – eletricitário já é difícil, imagina gaúcho. Outra que me fascina, pelo motivo contrário, é 02 de fevereiro, o dia seguinte. O Dia Mundial das Zonas Úmidas. O que, afinal, são as zonas úmidas? É um eufemismo para o dia do banheiro?

Mas no quesito aleatoriedade, poucas celebrações ganham de uma que toma um mês inteiro. Janeiro, o Mês da Digestão da Ameixa Seca Californiana. Chega a ser dadaísta. E é ainda mais admirável que seu gênio criador foi Arnold Scwarzenegger. Em 2009 o então governator determinou que aquele seria o mês dedicado a “encontrar deliciosas formas de integrar a ameixa seca na sua dieta e na de seus entes queridos“.

Mr. Dried Plum

E tudo bem que janeiro é mesmo meio parado, que tá todo mundo de férias, e às vezes bate um tédio. Mas passar um mês inteiro sendo criativo com ameixas secas está longe de meu conceito de diversão, mesmo nos mais entediantes dias. O mês de Setembro – um tanto mais agitado – porém, compensa toda a irrelevância da aleatória comemoração de janeiro. É que nos Estados Unidos, setembro é o Mês da Herança Nacional do Bourbon (National Bourbon Heritage Month).

Durante este mês, há uma série de festividades que comemoram a bebida essencialmente americana. A cidade de Bardstown, no Kentucky, inclusive, realiza um festival que celebra a história do Bourbon. O costume é até regulamentado por lei. Em 2007 o senador Jim Bunning propôs o projeto que, obviamente, foi aprovado por unanimidade – afinal, bourbon whiskey é bem mais gostoso que ameixa seca.

E neste ano de 2019, o website Difford’s Guide se uniu à marca Woodford Reserve para trazer a comemoração ao Brasil. Por aqui, o mês do bourbon será celebrado em diversos bares, com versões clássicas e autorais de um dos mais emblemáticos coquetéis que leva bourbon whiskey – o Old Fashioned. Embalado por tão distinta iniciativa, este Cão resolveu humildemente contribuir. Para isso, escolheu um coquetel clássico, variação do tão querido Old Fashioned. O Fancy Free.

O Fancy Free é, basicamente, um Old Fashioned, onde o torrão ou a calda de açúcar foram substituídos por licor de maraschino (que é uma cereja, e não uma ameixa, antes que você me pergunte). A receita primeiro apareceu em 1941, num livro curiosamente intitulado Crosby Gaige’s Cocktail Guide and Ladies Companion – O Guia de Coquetéis e Companheiro Feminino de Crosby Gaige. Seja lá o que um companheiro feminino for.

Acontece que o Fancy Free é aquele tipo de coquetel que é tão simples, mas tão simples, que há uma irremediável necessidade de complicá-lo. Assim como sua inspiração, o Old Fashioned – que coleciona receitas com os mais variados ingredientes. No caso do Fancy Free, as variações vão do whiskey utilizado até o tipo de serviço e o preparo. O que é até irônico, se pensarmos que seu nome significa justamente “sem sofisticação”.

Falemos das variações. O tal (suspeito que um tanto misógino) supra mencionado Companheiro Feminino indica que o drink seja mexido e servido em uma taça coupé, bordeada com açúcar. O livro aponta bourbon whiskey como base. Já outro livro um tanto mais famoso, o Death & Co., recomenda o uso de Rittenhouse 100 Rye, um whiskey de centeio. Além disso, aponta que o serviço deve ser feito sem açúcar nas bordas, em um copo baixo, com uma pedra grande de gelo. Como um Old Fashioned.

Por fim, o website Difford’s Guide sugere o bourbon Woodford Reserve como base. Além disso, curiosamente, pede que o coquetel seja batido ao invés de mexido, e servido em uma taça coupé – à moda de um Blood and Sand. O que talvez faça sentido, de forma a atenuar o dulçor do Maraschino, e trazer uma certa cremosidade ao drink.

A versão do Difford’s Guide

Detesto complicar o que já está singelamente intrincado. Mas devo declarar que prefiro uma mistura de duas das receitas. A sugestão de serviço do Death & Co, mas com as proporções e o bourbon indicado pelo Difford’s Guide. Afinal, o nome do coquetel transpira simplicidade – e nada mais sofisticadamente singelo do que um Old Fashioned. Com um bourbon equilibrado, como o Woodford Reserve.

Assim, meus caros, munam-se de seus mixing glasses e bailarinas e preparem-se para brindar um dos mais importantes meses celebrativos do ano. E se quiser comer uma ameixa seca e enviar energias positivas (tunts) para os eletricitários gaúchos durante o preparo, eu deixo. Com vocês, o coquetel que traz uma bela dose de ironia em seu nome. O Fancy Free.

FANCY FREE

INGREDIENTES

  • 60 ml (2 doses) de Bourbon Whiskey (este Cão recomenda Woodford Reserve)
  • 15ml licor de maraschino (Luxardo)
  • 2 dashes (sacodidelas) de Angostura Aromatic Bitters
  • 2 dashes de Angostura Orange Bitters
  • Parafernália para misturar
  • copo baixo

PREPARO

  1. Adicione, em um mixing glass, bastante gelo e todos os ingredientes líquidos. Mexa por aproximadamente cinco segundos.
  2. Com o auxílio de um strainer, coe a mistura e desça em um copo baixo com um gelo grande, ou alguns menores.

2 thoughts on “Fancy Free – Bourbon Month

  1. Excelente, mestre! Inclusive, acaba de me ocorrer que ainda não comprei nenhum Woodford Reserve hahaha.
    Não preciso de uma data especial para beber, mas já que arrumaram um motivo, por que não, né?
    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *