Johnnie Walker Blue Label Legendary 8 – Simbolismo

Quando era criança, minha mãe me dizia que era muito importante aprender matemática. Você vai usar tudo que aprender de matemática em algum momento da sua vida. E ainda que não visse utilidade nenhuma em saber sobre números primos, imperfeitos, defectivos, perfeitos, mais que perfeitos ou abundantes, o conselho – e os conceitos – ficaram bem amarrados em minha mente.

Vamos rememorar, e eu prometo que chegarei a algum lugar. Números perfeitos são aqueles cuja soma de seus divisores é igual a seu próprio número. Seis, por exemplo, que é igual à soma de um, dois e três – seus divisores. Imperfeitos, são aqueles que referida soma é menor do que o número. Já mais que perfeitos são o contrário – a soma é superior ao numeral. Como doze, porque um mais dois mais três mais quatro mais seis dá dezesseis, que é mais que doze.

E há também aqueles números cuja soma de seus divisores é igual a seu antecessor. Como, por exemplo, oito. Estes são convenientemente chamados de números quase-perfeitos. E é engraçado como o conselho de minha mãe tem uma estranha forma de fazer sentido depois de quase trinta anos, porque a Diageo acaba de lançar o Johnnie Walker Blue Label Legendary Eight (os oito lendários). Um whisky que não poderia ser definido de outra forma senão quase-perfeito.

Glenury Royal – A edição anterior da série Ghost & Rare.

O Johnnie Walker Blue Label Legendary Eight é a edição de 2020 da cobiçada série Ghost & Rare – que já teve expressões incríveis colocando em evidência destilarias há muito desativadas, como Port Ellen e Brora. Este ano, no entanto, ao invés de evidenciar uma única destilaria, a edição presta tributo a oito lendárias – grain e malt distilleries. Quatro de ghost distilleries (leia mais sobre isso aqui) – Brora, Cambus, Carsebridge e Port Dundas. E outras quatro de destilarias ainda em operação – Blair Athol, Oban, Teaninich e Lagavulin.

De acordo com Aimee Morrison, blender do time da Diageo “estamos fazendo história com este whisky, mas, também, recapitulando a história da marca. Usando maltes como Oban. Oban bem maturado é raro até mesmo para nós. É uma destilaria pequena, e a maioria é usada na linha de single malts. Isso, além do iso de quatro “ghost distilleries” faz do Legendary Eight um whisky muito especial.

E a exclusividade não para por ai. o Johnnie Walker Blue Label Legendary Eight faz parte de uma série de lançamentos da Diageo para comemorar os duzentos anos da Johnnie Walker. Além dele, foram lançados mais dois blends: o Celebratory Blend e o Johnnie Walker & Sons Bicentennary Blend. Além disso, foi lançada também uma garrafa especial de Blue Label – a não ser confundida com o Legendary Eight – serigrafada com uma bela ilustração especial.

Em comparação aos outros whiskies da série Ghost & Rare, o Johnnie Walker Blue Label Legendary Eight se aproxima mais do Glenury Royal, e se distancia de Brora e Port Ellen. De certa forma, ele é uma amplificação do tradicional Johnnie Walker Blue Label. O perfil sensorial é o mesmo, mas elevado e ainda mais refinado, e também mais intenso. Há uma nota de malte que permanece do aroma à finalização, e que dá uma estrutura surpreendente para o blend.

Cambus – Uma das silenciosas

Assim como as edições anteriores da série Ghost & Rare, o Johnnie Walker Blue Label Legendary Eight é uma demonstração de como a marca do andarilho pode criar whiskies extraordinários, sensorialmente excelentes e cheios de história. O trabalho de Jim Beveridge, master blender da marca, parece até mesmo uma ciência exata. Há um pouco de tudo no blend, em perfeito equilíbrio, e com enorme complexidade.

Minha mãe jamais me aconselharia a provar determinado whisky. Mas, se o fizesse, certamente escolheria o Legendary Eight. Este é quase uma ciência exata – é quase perfeito.

JOHNNIE WALKER BLUE LABEL LEGENDARY EIGHT

Tipo: Blended Whisky sem idade definida (NAS)

Marca: Johnnie Walker

Região: N/A

ABV: 43%

Notas de prova:

Aroma: Adocicado, com frutas cristalizadas e ameixas.

Sabor: frutado (frutas em calda), nozes e ameixa seca. Final longo e adocicado, com passas e pimenta do reino.

Preço Médio: R$ 1600,00 (mil e seiscentos reais)

3 thoughts on “Johnnie Walker Blue Label Legendary 8 – Simbolismo

  1. Misturar whisky e matemática é que nem liberar pornografia no Netflix! Por sua causa agora tem um blue label na minha wish list!!!

  2. Boa noite caro Mauricio, este parece ser um rotulo muito bom um produto com características em demasiado luxuosas.
    so diria que o valor parece-me um pouco desestimulante…
    abc forte.
    Gabriel Saint Martin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *