Especial Escócia – Visita à Laphroaig

Uma mistura maltada com a infusão de turfa em urina de ovelha, filtrada através de meias de lã molhadas e suadas de pastores.” “é como lamber turfa queimada de uma fogueira na praia, que grudou na bota de um pescador”. e minha preferida: “como um dragão em conserva de iodo, assado sobre um vulcão, e servido em uma cama de algas marinhas.”.

Não é um campeonato de metáforas nojentas. Não. São opiniões sinceras de consumidores que – assim como este Cão – são apaixonados pela Laphroaig. Estas opiniões fazem parte de uma campanha de marketing, e estão impressas por toda parte na destilaria. E apesar de parecerem todas desfavoráveis, na verdade, são apenas francas. Não há como descrever Laphroaig sem vigor. Se Ardbeg é bravura; Bruichladdich, inovação,Lagavulin, aristocracia, Bowmore, detalhismo e Bunnahabhain sutileza, então Laphroaig é intensidade.

Os maltes da Laphroaig são conhecidos como alguns dos mais medicinais e iodados de Islay. Não é bem a turfa que o diferencia. Mas este caráter iminentemente marítimo, que também o torna bem polêmico. Com Laphroaig, a relação somente pode ser de intenso amor ou ódio. Para mim, de amor. A Laphroaig é uma das minhas destilarias preferidas – e a que mais queria conhecer em minha recente viagem a Islay.

A Laphroaig possui seu próprio Malting Floor – um local usado pela destilaria para que a cevada maltada comece a germinar. Isso é bastante incomum. A maioria das destilarias compra o malte pronto, de produtores como a Port Ellen Maltings. A Laphroaig não é uma exceção absoluta à regra. Sua produção de whisky é bem superior à capacidade de seu malting floor. Assim, parte é comprado, e parte malteado in-loco.

A defumação do malte da Laphroaig leva em torno de quinze horas – o que é bastante. Segundo nosso guia, um quilograma de turfa é suficiente para defumar sete quilogramas de malte. A fermentação, porém, é um processo bastante breve. Ela leve apenas dois dias, em washbacks feitos de aço inoxidável. Perguntei ao nosso guia se o material do washbacks fazia diferença, afinal, a muitas destilarias preferem madeira. A resposta foi pungente, como uma dose de Laphroaig – é claro, para o marketing faz bastante diferença.

Kiln. E não, este não é o operador oficial.

A sala dos alambiques da Laphroaig é uma das mais impressionantes da ilha. São três alambiques de primeira destilação (wash stills) e quatro de segunda (spirit stills). Os wash stils, com aproximadamente seis metros de altura, são carregados com 10.500 litros de wash (o mosto fermentado). Já os alambiques de segunda destilação tem tamanhos diferentes. Um deles é bem grande, quase comparável aos wash stills. Os outro três são idênticos e bem menores – apenas quatro metros e meio. Estes são carregados com 4.700 litros, enquanto seu irmão superdesenvolvido recebe 9.400 litros. Segundo nosso guia, a carga dos alambiques é muito próxima à sua capacidade total, o que produz um destilado mais pesado e oleoso.

Apesar da carga, os braços dos alambiques são levemente voltados para cima, o que incentiva o refluxo, e tende a tornar o whisky mais leve. O destilado novo – chamado new make spirit – da Laphroaig possui incríveis 67,5% de álcool. Entretanto, ele é diluído até 63,5% para que seja colocado nas barricas. O corte é outro diferencial. Começa aos 72%, e termina aos 60,5%. Apesar da direção ascendente do braço dos alambiques, todo resto sugere um destilado com bastante personalidade.

Alambiques

A maturação ocorre principalmente em barricas de carvalho americano, ainda que exista o uso de carvalho europeu especificamente para finalizações especiais. E por falar em finalizações, a destilaria tem um excelente portfólio de whiskies maturados em barris especiais. É o caso do Laphroaig An Cuan Mór, que passa algum tempo em barricas virgens de carvalho europeu. Assim como os ótimos Brodir e PX, finalizados em barricas de vinho do porto e jerez Pedro Ximénez, respectivamente.

Para este Cão, visitar a Laphroaig foi uma experiência incrível. Presenciar, ao vivo, a produção de um de seus whiskies preferidos e ter a chance de conversar e interagir com as pessoas que o produzem é algo absolutamente encantador. Talvez seja isto que falte para toda aquela metade do mundo que detesta este whisky. Conhecer seu local de nascimento. Depois disso, eu garanto, é impossível não sair intensamente apaixonado.

 

8 thoughts on “Especial Escócia – Visita à Laphroaig

  1. Olá! Primeiramente, até eu, que não sou chegada no whisky, estou aprendendo toneladas no seu blog e querendo experimentar! Hahaha! Parabéns pelos textos 🙂
    Queria perguntar uma coisa que não tem a ver com o texto de hoje. Na verdade é uma ajuda, de cão pra cã que quer presentear seu cão. Só sei que ele curte o Jack Daniels porque, segundo ele, é saboroso e é possível sentir o gosto de milho e tal. Você pode me ajudar com alguma dica legal? Me perdi um pouco nos tipos! Hahaha!
    Um abraço e muito obrigada desde já!

    1. Hahaha, sempre bom falar com canídeos como eu, Marcela.

      Puxa, próximo do Jack, com valor semelhante? Veja o Evan Williams 1783, ou o Woodford Reserve Distiller’s Select. O perfil é mais ou menos semelhante, e são ambos bem legais!

      1. Aaah, estou sem palavras! Obrigada pelas dicas e por ter ajudado uma pequena cã perdida. Hahaha!
        Ps: no seu texto sobre como presentear bem e dentro das várias faixas de preço, você fala do Wild Turkey. Ele também entra nessa categoria de “próximos” ao Jack ou fica muito abaixo dessas novas sugestões?
        Muito obrigada mesmo! Salvou um aniversário e natal! Hahaha!

        1. Marcela, desculpa a demora em responder. Já decidiu? Acho que sim.

          Wild Turkey está próximo sim, mas o perfil de sabor é mais adocicado e menos picante. Está lá ombro a ombro com o Evan Williams e Jim Beam.

  2. Texto providencial, mestre!
    Meu primeiro Laphroaig chegou semana passada. E é justamente a expressão que ilustra seu post (a minha é com abv de 43). Eu acabei não encontrando o QC, que era o plano original.
    Mas estou contente. Eu sou definitivamente um homem de Islay hahaha. E estou feliz por vc, meu amigo.
    O senhor tb foi na Kilchoman e Caol Ila? É possível visitar Port Ellen mesmo desativada?

    Grande abraço!

    1. Mestre, voce tem bom gosto!!

      Fui na Kilchoman. Não fui na Port Ellen nem na Caol Ila, que estava fechada no dia! Acho que terei que voltar..rs

  3. Olá. Fui apresentado somente hoje ao blog, por um grande amigo, que de certa forma influenciei a se interessar por whisky. Estou há duas horas lendo e não consigo parar. Parabéns, sensacional!!!
    Tive a oportunidade de visitar a Escócia por duas vezes e conheci algumas destilarias, principalmente nas Highlands e Speyside. Degustei diversos Single Malts, mas a paixão veio mesmo de Islay – Laphroaig. Aquele aroma de esparadrapo é inconfundível. E a sensação da gengiva retraindo… inesquecível. Só mesmo provando para entender.
    Grande abraço e mais uma vez… PARABÉNS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *