Seis Whiskies Para se Tomar com Gelo (e sem culpa)

Gelo

Ontem, quando cheguei do escritório, a Cã perguntou se – ao invés de jantarmos fora – eu não queria pedir comida. Eu disse que sim, claro, afinal, estava cansado. E indaguei a ela o que queria. Pizza? Não, pizza não quero, estou gorda. Japonês? Não, quero algo quente. Uma massa? Não. Árabe então? Não, árabe não também. Hambúrger foi a derradeira opção, igualmente recusada. Mas afinal, amada Cã, o que você quer pedir? Ah, não sei, o que você quiser está bom para mim.

Na verdade, eu queria qualquer coisa. Só não queria pensar muito. Tenho dias assim. Esse era um deles. No trabalho, me disseram para ouvir Penderecki enquanto traduzia um contrato de M&A, porque música clássica auxiliava na concentração. Mas o máximo que queria ouvir era Rolling Stones. Durante o almoço, recomendaram que pedisse o polvo. Mas eu queria mesmo era um belo mexidão. Me disseram para ver um filme do Godard. Mas meu desejo mesmo era ver um J. J. Abrams.

Por fim, falaram que eu deveria ler Dostoievski. Aí concordei, afinal, a vida é muito curta para desperdiçá-la com literatura ruim. Mas hoje não, hoje eu não leria nada. Aliás, cinema, literatura e whisky tem muita coisa em comum. Os três funcionam como panaceias infalíveis contra uma rotina quase mecanicamente opressora. São catalisadores de ideias. E isso é ótimo.

Isso é ótimo quase sempre. Mas as vezes, as vezes não. Se você, assim como eu, está num desses dias que não quer ver o Godard, ler o Dostoievski, comer o polvo e preparar um acordo infinito com inúmeros termos no dialeto bretão, mas quer apenas algo ótimo e palatável com apenas o mínimo necessário de massa encefálica, aí vão seis whiskies que você pode tomar com gelo e ficar absolutamente satisfeito.

JOHNNIE WALKER BLACK LABEL

Blacklabel4 - Copia

Sua reputação o precede. O Black Label é, provavelmente, o blended whisky premium mais conhecido do mundo. Possui mais de um século de vida. Composto por mais de quarenta single malts e grain whiskies, maturados por, no mínimo, doze anos, o Black Label possui um equilíbrio quase cirúrgico. Ele é bom o suficiente para se tomar puro, mas também fica ótimo com gelo. Saiba tudo sobre ele aqui.

CHIVAS REGAL EXTRA

Chivas Regal Extra

O Chivas Regal Extra é simplesmente fenomenal. É um whisky cuja complexidade facilmente faz frente a whiskies bem mais caros, e cujo perfil de sabor consegue aguentar bem a diluição do gelo. Ao contrário do que ocorre com a maior parte dos blended whiskies disponíveis no mercado, a maioria dos single malts que o compõe são maturados em barricas que antes continham vinho jerez. Isso lhe confere um forte sabor frutado e de especiarias. Leia mais sobre ele aqui.

FAMOUS GROUSE FINEST

Orçamento apertado não é motivo para se tomar whisky ruim. O Famous Grouse Finest está aí para provar isso. Sua fórmula leva alguns dos single malts mais respeitados da Escócia, como The Macallan, Glenturret e Highland Park. É suave, complexo e despretensioso. Nada mal para uma garrafa que custa pouco mais do que cem reais. Ficou curioso? Leia mais sobre ele aqui.

JOHNNIE WALKER DOUBLE BLACK

Double Black2

Se você, assim como eu, é um fã de tudo aquilo que é defumado, o Double Black é para você. Sua composição leva single malts jovens de Islay, região famosa por produzir whiskies turfados, como Caol Ila e Lagavulin. O gelo reduz a impressão da fumaça, mas fica longe de eliminá-la. Assim, se seu ideal de felicidade sem esforço é um churrasco líquido e gelado, Double Black on the rocks deve ser sua pedida.  Leia sobre ele neste post.

 

GRANT’S

Grants1

Se é suavidade o que você procura, o Grant’s é para você. Em seu coração está o single malt mais vendido no mundo, o Glenfiddich. É um whisky leve e equilibrado, predominantemente frutado e adocicado e pouquíssimo enjoativo. Funciona bem puro e fica ótimo com gelo. Praticamente um vinho de mesa. Só que muito melhor.

QUALQUER UM

whiskies para iniciantes

Qualquer um mesmo. Afinal, o whisky é seu, e você bebe ele como quiser. Apenas lembre-se que, para promover uma degustação analítica da bebida, tentando perceber todos seus aromas e sabores, o gelo talvez não seja a melhor opção. O gelo torna as papilas gustativas menos sensíveis, e atrapalha bastante nesse trabalho. Para isso, o ideal é mesmo experimentá-lo puro, ou com algumas gotas de água. Leia mais sobre isso aqui.

E se nada disso funcionar, meus caros, aí minha recomendação é outra. Neste caso, leia um Dostoievski ou assista um Godard. Coma frutos do mar sofisticados e ouça musica minimalista polonesa. E faça tudo isso acompanhado de, talvez, um Macallan Ruby, Glenmorangie Quinta Ruban, Laphroaig 18 anos ou Glenfiddich 15 anos. Afinal, às vezes tudo que precisamos mesmo é refletir um pouco.

10 thoughts on “Seis Whiskies Para se Tomar com Gelo (e sem culpa)

  1. Cão, acho que assim como eu, você também deve ser um apreciador da literatura do Fiódor. Mais uma vez, parabéns e excelente texto!

  2. Bom dia, Maurício!

    Olha, minha preferência é o cowboy, justamente para uma melhor degustação, mas por que não variar, de vez em quando??

    O Chivas Regal Extra é realmente excelente (inclusive, muito obrigado pela recomendação). O único problema foi que depois de tomá-lo, ficou difícil retornar para os standards haha.

    Abraços, meu amigo!

    1. Falei, como dizem, “vem na minha que é sucesso”.

      Mas olha, outro que tem boa proporção de single malts maturados em ex-sherry é o White & Mackay. A base dele é o Dalmore. Se tiver sorte, você encontra mais barato que o Chivas Extra. Mas vai ter que ter sorte mesmo!

      abss!

  3. Senti falta, nessa relação, do Old Paŕr 12 yo! Acho o Old Paŕr ótimo whisky para se beber com gelo! Tudo de bom!

  4. Caros,
    No espaço ‘qualquer um’, colocaria na foto o Bushmills Original (Bushmills White Label, ou White Bush…isso, o mais barato mesmo).
    Abrtaços

  5. Eu colocaria o Dalmore 12 anos na lista, é um excelente whisky pra se beber com gelo pelo fato de ser muito pesado.

  6. O final do post me salvou, pois não consigo, degustar o Whiskey de outra forma, a não ser puro, já tentei com gelo, gelo de agua de cocô, energéticos, e nada me satisfaz mais, do q saborealo ao natural, as vezes, até com algumas gotas de água, em dias q não estou muito afim de lêr ou ver um filme do Godard.

    Grande abraço, feliz 2018 q esse ano possa nos presentear Mais, com seus belos textos e dicas desse néctar dos deuses.

    1. Haha, caro Celso, o whisky é seu, nada mais justo do que beber da forma que mais gostar, não é mesmo?

      Muitissimo obrigado! Um grande abraço e feliz 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *