Tullamore D.E.W. – Drops

Quando ela pedia whisky, sempre escolhia Tullamore Dew. Se você é fã de literatura sueca, provavelmente está familiarizado com a citação anterior. Ou não. Porque, também, há coisas mais importantes para atentar enquanto se lê um livro do que as preferências etílicas dos personagens. Quer dizer, a não ser que você seja eu. A citação vem do bestseller “The Girl With a Dragon Tattoo”, miseravelmente traduzido como “Os homens que não amavam as mulheres”, talvez em uma brincadeira sem o menor sentido com um filme do Truffaut. Seja como for, o livro é um belo romance policial, que alçou fama após uma excelente adaptação do cinema sueco, e foi posteriormente (quase) arruinado por uma (quase) medíocre versão americana. A frase […]

Monotemática – Grant’s Family Reserve

A querida Cã me disse hoje que quando estou produzindo algum texto para o blog, as vezes fico uma pessoa monotemática. Ela disse aquilo de uma forma meio neutra, quase como uma constatação científica. E aí, fiquei pensando se era um elogio ou uma crítica. Poderia ser um agrado, afinal, como escreveu Jenny Holzer uma vez em um de seus clichês-pastiches, “a monomania é um prerrequisito para o sucesso”. Não consegui decidir qual o tom daquela sua frase. No entanto, enquanto refletia, acabei tendo meus pensamentos sequestrados por uma ótima ideia para mais uma prova deste blog.  Falar do Grant’s Finest, um whisky criado por um cara que também tinha uma certa fixação por whisky – William Grant. Antes de analisar […]

Seis Whiskies Para se Tomar com Gelo (e sem culpa)

Ontem, quando cheguei do escritório, a Cã perguntou se – ao invés de jantarmos fora – eu não queria pedir comida. Eu disse que sim, claro, afinal, estava cansado. E indaguei a ela o que queria. Pizza? Não, pizza não quero, estou gorda. Japonês? Não, quero algo quente. Uma massa? Não. Árabe então? Não, árabe não também. Hambúrger foi a derradeira opção, igualmente recusada. Mas afinal, amada Cã, o que você quer pedir? Ah, não sei, o que você quiser está bom para mim. Na verdade, eu queria qualquer coisa. Só não queria pensar muito. Tenho dias assim. Esse era um deles. No trabalho, me disseram para ouvir Penderecki enquanto traduzia um contrato de M&A, porque música clássica auxiliava na […]