Whiskies para comprar no Duty Free III

Esta é a terceira edição de um texto sazonal com novidades nos Duty Free shops de aeroportos brasileiros que valem a pena. Confiram aqui o primeiro, e neste link o segundo texto sobre este tema.

Esses dias estava vendo uns desenhos com a Cãzinha no YouTube. Depois de alguns episódios de Sara e o Pato e Masha e o Urso (afinal, o que há com jovens meninas e animais?) resolvi mostrá-la alguns desenhos da minha época. Percorremos em bons quarenta minutos coisas como Tom e Jerry, Papa Léguas e Caverna do Dragão. Desenhos que eu julgava adorar.

Mas aí eu percebi como eles eram irritantes. Porque o Frajola nunca conseguiu pegar aquele passarinho. E o Coiote descobriu mais de uma centena de formas de morrer – explodido, dilacerado, esmagado, dividido, entre outras – tentando transformar o papa-léguas em almoço. Passei anos e anos de raiva esperando que eles tivessem sucesso. Sucesso que nunca veio. Eu devia ser uma criança estúpida, esperançosa ou muito masoquista mesmo.

cretino

Mas o pior deles era o que eu julgava ser meu preferido. Caverna do Dragão. Tudo que aquele pessoal queria era voltar para casa. Só que por mais próxima e mais palpável que parecesse a oportunidade, algo sempre acontecia. A chance era perdida – por acaso ou escolha – e tudo voltava àquele status quo. Se Caverna do Dragão me ensinou qualquer coisa, é que boas oportunidades são fugazes.

Sempre lembro desse desenho ao passar por um Duty Free. A loja do Duty Free é como aquele portal, que se abre apenas por poucos minutos, concedendo aos personagens a chance de algo extraordinário. Chance esta que eles sempre desperdiçam, mesmo com a ajuda de unicórnios e anciões misteriosos.

Mas aqui, meus caros, o desfecho da história será diferente. Porque este Cão hoje bancará o Mestre dos Magos, e guiará vocês pelo lindo portal das oportunidades do Freeshop, para que possam volta para casa em segurança e bem acompanhados. Os whiskies estão organizados por preço, do mais caro para o mais barato.

BRUICHLADDICH OCTOMORE 07.2

Apesar de (discutivelmente) bonita, a garrafa alta e opaca não cabe em quase nenhuma prateleira. Além disso, não dá para ver quanto whisky resta lá dentro. No entanto, o Bruichladdich Octomore 07.2 é absolutamente fantástico. Ele é um dos whiskies mais defumados do mundo – com 208 ppm (a título de comparação, um Ardbeg 10 possui em torno de 50ppm). Além disso, sua graduação alcoolica é de deixar qualquer um tonto – literalmente: 58,7%.

A maturação do Octomore 07.2 também é pouco ortodoxa. Ela ocorre em uma combinação de barricas de carvalho americano com barricas que antes contiveram vinho de uva syrah do vale do Rhone. O tempo de amadurecimento é de apenas cinco anos, mas é o suficiente para trazer adocicado e especiarias para este monstro enfumaçado.

No Duty Free, uma garrafa desta fumaça líquida custa US$ 190,00 (cento e noventa dólares). Tome uma dose antes, desce mais fácil.

AULTMORE 18 ANOS

O Aultmore 18 foi lançado em 2015, e faz parte de um grupo com um nome bastante modesto. The Last Great Malts. São representantes das cinco destilarias sob o comando do grupo Dewars (Bacardi). As outras são Aberfeldy, The Deveron, Royal Brackla e Craigellachie.

Aultmore é quase o contraponto do Octomore citado acima. É um whisky delicado, com notas vegetais e adocicadas. Há um sabor enfumaçado quase imperceptível que, de acordo com a destilaria, advém da água usada. É um whisky extremamente equilibrado e refinado, que certamente agradará entusiastas de blends de luxo, como meu querido Chivas Regal 18 anos.

O preço da ampola – maravilhosamente desenhada, por sinal – é de US$ 99,00 (noventa e nove dólares). Se você estiver se sentindo abastado, dá para comprar cinco dessas com a quota, e sobra cinco dólares para o chocolate do pessoal do trabalho.

CHIVAS REGAL BROTHERS BLEND

Se você é apaixonado pelo Chivas 18, mas flerta com o Chivas 12, o Brother’s Blend é seu whisky. Ele é uma variação do Chivas Regal 12 anos. O ponto de partida de sua fórmula é a mesma – o single malt Strathisla. Entretanto, a proporção é diferente. Ele leva uma quantidade bem mais generosa do single malt, o que o torna mais floral e frutado, como seu irmão mais velho.

O objetivo do Brother’s Blend é ser um whisky extremamente suave e agradável. Um blended whisky de qualidade, para se tomar acompanhado dos amigos, quiçá conversando sobre viagens passadas, ou combinando a próxima visita ao duty free. O Brother’s Blend custa, nos Duty Frees brasileiros, US$ 51,00 (cinquenta e um dólares)

WOODFORD RESERVE DOUBLE OAKED

Vai parecer que este Cão fez a escolha dos whiskies pela aparência das garrafas. Porque esta também é lindíssima.

O Woodford Reserve Double Oaked é uma versão turbinada do nosso conhecido Woodford Reserve Distiller’s Select. Aliás, ele começa a vida da mesma forma. Maturado em barricas virgens de carvalho americano. Porém, antes de ser engarrafado, ele é finalizado em barricas altamente tostadas e levemente torradas. Isso lhe traz um certo sabor de caramelo ou açúcar queimado que é absolutamente delicioso.

Além de ser um whiskey ótimo para se tomar puro, seu sabor mais forte o torna ideal para utilizar em coquetéis cuja base exige um bourbon adocicado. O preço desta maravilha torrada? US$ 50 (cinquenta dólares). Mê vê dez, por favor.

8 thoughts on “Whiskies para comprar no Duty Free III

    1. Acabei de passar no DutyFree . Deixei pra traz apenas o Octomore, pois infelizmente a grana acabou.

      Agora é sentar e provar estar belezas com um bom charuto

  1. Nao preciso dizer que a escolha seria Octomore 07.2, certo? Hahaha
    O Double Oaked também me chamou a atenção. A SM Brasil vendia uma versão do Woodford que vinha com esse copo bacana.
    Abraço!

  2. Caro Cão, sigo seu blog a algum tempo, e sempre estou por aqui aprendendo algo mais sobre o mundo dos maltes.
    Viajo mês que vem e pretendo adquirir no duty free o Aultmore 12 anos, preço atual U$74,50, você acha que é um investimento que vale a pena? Quais as suas considerações sobre esse whisky?

    Até!

    1. Felipe, o Aultmore é um single malt bem adocicado, puxado um pouco para baunilha e especiarias. É um pouco mais floral e menos frutado do que o Aberfeldy, que acabou de desembarcar no Brasil. Se você gosta do estilo, vá em frente. Senão, recomendo comprar o Royal Brackla 12 ou 16, que também está no Duty Free e é do mesmo grupo (Dewar’s). É um single malt com influência vínica, muito bom e – sei lá se isso é importante – com uma embalagem linda!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *