Fettercairn 12 – Brilho do Sol

A vida moderna, também, é geralmente uma opressão mecânica, e o álcool é o único alívio mecânico” uma vez escrever o velho Ernst, em tom quase profético. Opressora e compressora, essa vida moderna. Ainda mais no último mês. Comprimido em casa, sem poder sair, realmente, uma dose de whisky é quase um abraço – hábito que, aliás, também está oprimido.

Talvez seja por isso que tenha bebido tanto whisky ultimamente. Graças à quarentena, meu novo hábito etílico prescinde horários. Uma da tarde é um momento totalmente aceitável para começar. O sol a pino, escondido por trás da laje, exige algo floral e delicado. Algo com um certo frescor, sofisticado, porém com um perfil de sabor casual. Como, por exemplo, o single malt Fettercairn 12 anos, recém chegado ao Brasil.

O Fettercairn 12 anos é um whisky perfeito para qualquer momento. Sensorialmente, traz frutas maduras e cítricas, e um toque de pimenta do reino. Não chega a ser um whisky delicado, mas está aquém da intensidade de um Dalmore, ou algum monstro defumado de Islay. De certa forma, faz sentido. A Fettercairn está posicionada como uma marca super-premium. Nada mais natural que, sensorialmente, seja acessível mesmo para o leigo, acostumado com produtos de luxo.

A Fettercairn possui algumas características bastante incomuns em sua produção – para um whisky geek, muitíssimo interessantes. Por exemplo, entre 1995 e 2009, os condensadores de seus alambiques eram feitos de aço inoxidável, ao invés de cobre, o que trazia uma nota sulfúrica para o whisky. Em 2009, os condensadores passaram a ser de cobre. Para auxiliar na condensação do new-make, há (até hoje) uma espécie de anel de canos perfurados, que derramam água sobre o braço do alambique, para resfriá-lo e incentivar a condensação. Isso o torna um pouco mais leve – há mais refluxo.

Alambique da Fettercairn com água descendo pelo pescoço (fonte: Whisky Exchange Blog)

Além disso, no passado, os alambiques de primeira destilação eram preenchidos de mosto quase até seu limite de volume. Para evitar que o mosto vazasse, a destilaria empregava reservatórios de sabão neutro, não perfumado, que era despejado sobre o mosto em aquecimento para evitar que produzisse muita espuma e transbordasse. Isso mesmo, sabão. Atualmente, porém, esses alambiques são operados de uma forma diferente – seu volume é de vinte e cinco mil litros, e a carga, treze mil litros.

Há pouquíssimos engarrafamentos oficiais da Fettercairn. O malte sempre foi utilizado largamente na indústria de blended whiskies, como matéria prima – especialmente nos blends da Whyte & Mackay. Além do 12 anos, tema desta prova e única expressão que desembarca no Brasil, a marca possui também três rótulos super-maturados: 28, 40 e 50 anos.

No Brasil, uma garrafa de Fettercairn 12 anos custa, em média, R$ 550,00 (quinhentos e cinquenta reais). É um preço bem elevado, que o coloca ombro a ombro com outros rótulos super-premium no mercado, como o Macallan Double Cask 12 e o – fogo amigo – Dalmore 12 anos. Porém, comparativamente a eles, o Fettercairn é bem mais delicado, adocicado e floral. Aqui, há um claro tradeoff – a intensidade dá espaço para a drinkability.

Assim, se você procura um whisky sensorialmente delicado e extremamente bebível, o Fettercairn é perfeito. Ele é praticamente aquele abraço que não podemos mais dar. E só para fechar com Shaw o que comecei com Heminway: ele é brilho de sol líquido – infelizmente, o único brilho possível.

FETTERCAIRN 12 ANOS


Tipo: Single Malt
Destilaria: Dalmore
País/Região: Escócia – Higlands
ABV: 43%
Idade: 12 anos

Notas de prova:

Aroma: caramelo, açúcar mascavo.
Sabor: caramelo,açúcar de confeiteiro. Pimenta do reino. Final médio e adocicado.

3 thoughts on “Fettercairn 12 – Brilho do Sol

  1. Ótimo texto, achei ele também deveras cítrico e com leve frutado, mas o que marca é o dulçor mesmo.

    O me incomoda é que preço deste whisky só pode ser uma brincadeira de mal gosto. Na faixa dos 125 valeria a pena, acima disso é piada.

    Total falta de respeito com o consumidor ou desilusão mesmo da Whyte e Mckay.

  2. Salve Cão!!
    Belos e valiosos comentarios. Gostaria de sugerir, na medida do possivel, uma avaliação do Auchentoshan.
    Abraço.

  3. Já li sobre o Fettercairn, mestre. Justamente por causa do W&M, linha esta da qual gosto bastante do 13yo.

    Espero poder provar em breve.
    Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *