Monotemática – Grant’s Family Reserve

A querida Cã me disse hoje que quando estou produzindo algum texto para o blog, as vezes fico uma pessoa monotemática. Ela disse aquilo de uma forma meio neutra, quase como uma constatação científica. E aí, fiquei pensando se era um elogio ou uma crítica. Poderia ser um agrado, afinal, como escreveu Jenny Holzer uma vez em um de seus clichês-pastiches, “a monomania é um prerrequisito para o sucesso”.

Não consegui decidir qual o tom daquela sua frase. No entanto, enquanto refletia, acabei tendo meus pensamentos sequestrados por uma ótima ideia para mais uma prova deste blog.  Falar do Grant’s Finest, um whisky criado por um cara que também tinha uma certa fixação por whisky – William Grant. Antes de analisar o blended whisky, vou contar um pouco a história deste distinto cavalheiro.

William Grant nasceu em Dufftown, Banffshire, em 1836. Trabalhou em uma fábrica de sapatos e na famosa destilaria Mortlach, onde tornou-se rapidamente gerente. Mas William era um homem obstinado e ambicioso – ou melhor, monotemático. Seu sonho era possuir a própria destilaria. E isto tornou-se realidade quando soube que a Cardow (essa é a Cardhu de hoje em dia) venderia seus equipamentos. Com uma oferta de pouco mais que £119,00, conseguiu comprar tudo que precisava.

Menos do que custa um Glenfiddich 21 anos hoje em dia!

Vou ter aqui que fazer uma pequena intermissão em minha própria narrativa. É que disse que William era monotemático. Isso é mentira. Ele era algo como bi-temático. Sua segunda (ou primeira, vai saber) grande paixão era ter filhos. Grant tinha nove deles. Assim, tendo conseguido o equipamento, nada mais natural do que empregar a própria família como mão de obra para construir sua herança.

Em 1887 a obra estava concluída, e a destilaria foi ativada. William Grant batizou-a de Glenfiddich – que significa “vale do cervo”. Imagino que, neste ponto da história, nosso protagonista não sabia bem o que pensar. Se ficava feliz por ter atingido seu objetivo ou triste, por te-lo alcançado e agora não ter mais nada a perseguir.

Aparentemente, foi a segunda alternativa. Porque em 1892 ele resolveu novamente empregar seu sindicato hereditário para construir uma segunda destilaria quase adjacente à primeira. Aquela, por sua vez, foi batizada de Balvenie – em homenagem ao palácio homônimo pertencente ao Duque de Fife, também muito próxima. William faleceu em 1923, quando as duas destilarias já estavam bem estabelecidas.

No início, as duas destilarias forneciam exclusivamente maltes para a produção de blended whiskies, comercializados com um rótulo próprio, cujo nome variou bastante ao longo dos anos, até estabelecer-se finalmente como Grant’s Family Reserve. Onde desembocamos, finalmente, no blended scotch whisky tema desta prova.

O Grant’s Family Reserve possui, até hoje, os single malts The Balvenie e Glenfiddich em seu coração. Além deles há um terceiro single malt, de uma terceira destilaria construída em 1990. A Kininvie, também pertencente à família Grant. Estes três maltes são, aliás, justamente a composição de um blended malt já revisto nestas páginas caninas. O Monkey Shoulder. O Family Reserve, porém, leva também outros single malts, além de whisky de grão da destilaria Girvan – que, adivinhem, também é da familia Grant!

Girvan

Jim Murray, um dos mais conhecidos especialistas em whisky do mundo, em seu livro “Classic Blended Scotch“, descreveu o Grant’s Family Reserve como “um whisky espetacular, um dos mais complexos blends que a indústria jamais produzirá“. Este Cão, em sua humildade, está muito longe da envergadura e experiência de Murray. No entanto, ele suspeita que o grande crítico tenha sido sensivelmente hiperbólico em seu comentário.

O Grant’s Family Reserve é um blend leve – aliás, bem leve – de sabores suaves e quase nenhuma defumação. Ao contrário do que escreveu Jim, ele não é exatamente um whisky multifacetado (exceto no que se refere à garrafa triangular). Mas o que ele perde em complexidade, ganha em drinkability. Não há qualquer dificuldade em bebê-lo puro, além de ser um whisky ótimo como base para coqueteis que exigem scotches mais neutros.

No Brasil, uma garrafa do Grant’s Family Reserve custa, em média, R$ 80,00 (oitenta reais), para um litro do líquido. É um ótimo preço pela oferta. Assim, se você está em busca de um whisky bem honesto e que agradará a maioria dos gostos, o Grant’s Family Reserve é uma excelente opção. Pode ficar tranquilo e voltar a pensar em outra coisa. Deixe a monomania e a monotemática com a gente.

GRANT’S FAMILY RESERVE

Tipo: Blended Whisky sem idade definida (NAS)

Marca: Grant’s

Região: N/A

ABV: 40%

Notas de prova:

Aroma: adocicado, malte, mel.

Sabor: Adocicado, açúcar refinado, mel, cereais. Muito leve e fácil de beber. Bem menos agressivo do que outros whiskies em sua faixa de preço.

 Preço: em torno de R$ 80,00 (oitenta reais)

 

6 thoughts on “Monotemática – Grant’s Family Reserve

  1. Como vai, mestre?
    Acho que o legal do Grant’s é que ele não tem o álcool tão marcado, quanto a maioria dos seus concorrentes, mas em minha humilde opnião, prefeiro algo menos doce e menos leve.

    Grande abraço!

    PS: Enviei um e-mail para o senhor, mas não sei se chegou, já que nossa internet tb é monotemática = always sucks.

  2. Maurício, boa tarde!
    Parabéns pelo “post”. Estas publicações agregam muito a quem, como eu, tem preferência de leitura sobre os produtos que temos aqui no Brasil. Isso devido a real possibilidade de adquirir e provar os produtos aqui disponíveis.
    No caso em questão tenho interesse de experimentar outros Grant’s além do Finest e do 12 anos (que são os que tenho).
    Imagino que o portfólio da Grant’s seja relativamente grande, mas poderias me informar quais outras expressões com idade declarada de blended whisky a industria possui? E destes quais são encontrados no mercado brasileiro?
    Abraços

    1. Gláubio, então. Eu percebo isso aí – os produtos disponíveis aqui, claro, tem muito mais interesse. Estamos tentando um equilibrio entre “curiosidades” e “utilidades”, ou seja, whiskies que tem algo de interessante ou curioso, e whiskies que podem ser comprados aqui e cuja análise pode ajudar a pessoa a decidir.

      Grant’s tem uma infinidade de rótulos, inclusive alguns com finalização especial (sherry finish, ale cask finish – maturado em barrica de cerveja, etc). Pelo que sei, o portfólio deles é composto pelo Finest, Master Blender’s, Ale Cask, Sherry Cask, Nordic Oak (!) casks, Signature, 8 anos, 18 e 25. Posso ter esquecido algum!

  3. Bacana as informações, concordo com a análise, adocicado, fácil de beber, tenho uma “garrafinha” de 4,5l dele, não gosto de botar gelo em whisky nenhum, embora more em uma cidade relativamente quente, mas uma vez nesta moda de gelo de água de coco, resolvi experimentar, ficou uma porcaria, não recomendo, beba puro, ou se não tiver jeito, com gelo “normal”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *