O Cão Clássico – Glenlivet 12 anos

Glenlivet 12Meu trabalho traz a oportunidade de conhecer uma boa dose de loucos. O mundo corporativo está cheio deles, de todas as espécies e graus de loucura. Um dos mais interessantes foi o Sr. Roberto, sócio de um escritório em que trabalhei. O Sr. Roberto era extremamente articulado, relativamente elegante e muito educado. Trabalhava bem e era muito eficiente. Enfim, o Sr. Roberto parecia um cara absolutamente normal. Até você ir almoçar com ele.

Na hora da refeição, o Sr. Roberto tinha todo tipo de mania. Uma das mais estranhas era de, durante reuniões mais longas, comer esfihas de ricota, cortadas por nossa copeira em oito pedaços milimetricamente idênticos, como uma pizza. O Sr. Roberto passava reuniões inteiras com um minipedaço de esfiha na mão, e, eventualmente, o comia, pegando outro logo em seguida.

Outro cara que tinha manias alimentares tão estranhas quanto as do Sr. Roberto, foi Napoleão Bonaparte. Reza a lenda que Napoleão não comia nada antes das batalhas. Por conta disso, voltava delas com uma fome monstruosa. Seu prato preferido – criado por seu chef pessoal após a batalha de Marengo – era Frango à Marengo. Napoleão gostava tanto daquele prato que sempre o pedia após a luta, e, quando seu chef tentou substituir alguns ingredientes que estavam rareando, Napoleão preferiu ficar com fome.

A prova de que frango também engorda.
A prova de que frango também engorda.

Além de um homem de gosto culinário peculiar e grande conquistador, Napoleão contribuiu imensamente para a indústria do whisky, ainda que de forma indireta. Por conta da guerra contra ele, logo após a cessação da proibição de venda de destilados, a Inglaterra passou a cobrar impostos pesadíssimos das destilarias legalizadas, que se localizavam nas lowlands escocesas. Como resultado, muitas faliram, abrindo espaço para as destilarias ilegais das highlands, mais especificamente, da região de Speyside. E a Glenlivet era uma delas.

A Glenlivet foi fundada originalmente em 1824 por George Smith, em sua própria fazenda. Mais tarde, em 1858, George, e seu filho, John Gordon, reconstruíram a destilaria em outro lugar, em Minmore, onde ela se localiza até hoje. Ela foi a primeira das destilarias ilegais de Speyside que se destacou, mais tarde legalizando-se. O produto da Glenlivet era tão bom que as outras destilarias, ainda ilegais, passaram a utilizar em seus rótulos a frase “ *- Glenlivet”, em referência à região em que se localizavam.

 

“tipo Bugatti”
“Bugatti”

Atualmente, a Glenlivet pertence ao grupo Pernod Ricard, os mesmos da Chivas Regal. Mas aqui há uma curiosidade. O Glenlivet vende tão bem como um single malt até hoje que a Pernod raramente o utiliza na composição de seus blended whiskies, como os Chivas Regal e Royal Salute.

Considerando todos os rótulos da destilaria, o Glenlivet é o single malt mais vendido nos Estados Unidos, e o seguindo mais vendido no mundo, apenas atrás do Glenfiddich. Inclusive, mais da metade de toda a produção da Glenlivet que é engarrafada como single malt, é comercializada na terra do hamburger e da liberdade. As expressões da destilaria estão presentes em mais de cem países do mundo.

Em 2010 a Glenlivet passou por uma expansão, de forma a aumentar a sua produção de seis para dez milhões de litros por ano. A reforma custou em torno de dez milhões de libras, e contou com um novo mash tun, oito novos washbacks e meia dúzia de alambiques de cobre. Tudo isso para tentar ultrapassar a Glenfiddich como single malt mais vendido no planeta. Atualmente, em meio a este frenesi de conquista napoleônica, a expressão mais vendida de seu portfólio é o Glenlivet doze anos.

Maturado por no mínimo doze anos em barricas de carvalho americano que antes contiveram bourbon whiskey,  o Glenlivet 12 anos é o clássico single malt de Speyside. Possui aroma frutado e gosto adocicado, com baunilha e mel no sabor residual. É um whisky leve e agradável, que não demanda qualquer esforço para ser bebido.

Os alambiques da Glenlivet são altos, e seu formato de lanterna incentiva o refluxo do destilado. Apenas os vapores mais leves conseguem atingir o topo. Isso produz um destilado relativamente pouco oleoso. Bem menos do que de outras destilarias de Speyside, como Macallan, Aberlour e Glenfarclas.

Durante sua vida, o Glenlivet 12 anos recebeu uma infinidade de prêmios internacionais. Os mais recentes foram uma medalha de ouro na International Spirits Challenge de 2014, na categoria de single malts abaixo de 12 anos, bem como ouro pela Scotch Whisky Masters, além de uma medalha de prata pela International Wine and Spirits Competition, também em 2014.

Se você for um iniciante no mundo dos single malts, e me perguntar um whisky para começar, minha recomendação provavelmente será um Glenlivet ou Glenfiddich. São whiskies que agradam a quase todos os gostos, e realmente se destacam dos blended whiskies disponíveis em nosso mercado. O Glenlivet 12 anos é quase como Napoleão. Um conquistador por natureza.

 GLENLIVET 12 ANOS

Tipo: Single Malt com idade definida – 12 anos

Destilaria: Glenlivet

Região: Speyside

ABV: 40%

Notas de prova:

Aroma: cítrico, abacaxi, com leve aroma de baunilha e especiarias.

Sabor: sabor cítrico, levemente apimentado, com final longo e amargo.

Com água: o sabor fica mais adocicado, e o aroma de baunilha se sobressai. Final fica mais curto e menos amargo.

Preço: R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais)

 

8 thoughts on “O Cão Clássico – Glenlivet 12 anos

  1. Pena que vai acabar. Ouvi dizer que a produção do Glenlivet 12 anos vai ser descontinuada. Parece que eles tb vão seguir a tendência de produzir whiskies sem data definida. Enfim, como nada na vida é eterno vamos seguindo e experimentando novos sabores. Cosí la nave vá…

    1. Então, pelo que ouvi da Pernod Ricard, vai “médio” acabar. Ele será substituído pelo Founder’s Reserve em “mercados amadurecidos”, mas continuará a ser vendido em locais em que a cultura do whisky ainda está se consolidando. A Pernod não chegou a dizer o que é o que, e onde o Brasil entra, mas será uma surpresa se ela nos considerar um mercado consolidado. Então, a boa notícia é que… ainda terá. Pelo menos por um tempo.

  2. Parabéns pelo texto, como sempre muito rico!!!

    Ainda pode ser encontrado a venda nas lojas Casa do Porto pela bagatela de R$149,00.

    1. Paulo, é isso aí. Tinha também no Pão de Açucar por mais ou menos isso, há um tempo. Não sei se ainda tem. Vale muito a pena!

      1. Pois é, o preço é esse mesmo no Pão de Açucar. Mais barato que um JW Double Black, por exemplo. Costumo comprar whiskies no Rei do Whisky em Moema (Av. Sabiá), eles costumam ter uns preços bastante interessantes. Um blended básico como o William Lawson custa menos de R$ 50,00. O Glen Grant menos de R$ 90,00. Vale muito à pena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *