Fumaça Negra – Johnnie Walker Double Black

Double Black2

Este texto foi originalmente escrito pelo Cão para a Single Malt Brasil no começo de 2015. Mas coisas boas sempre devem ser relembradas. Afinal, recordar é viver.

Vou ser objetivo com vocês. Eu adoro qualquer coisa consumível que seja defumada. Isso inclui sólidos e líquidos. Quer me ver feliz? Faça um jantar que inclua, em algum momento, calabresa defumada, bacon ou salmão defumado. Ou os três. Com um bacontini. Sim, isso é um Martini com bacon.

Inclusive, há uns meses atrás, durante uma visita ao supermercado, achei que tinha feito uma descoberta que mudaria para sempre minha vida. Fumaça líquida. Fumaça líquida é uma espécie de essência, que você pode borrifar em cima de alimentos, para deixá-los com um certo aroma de fumaça. Ou seja, delícia líquida. Comprei logo dois vidros. Na minha imaginação, eu poderia defumar tudo agora. Pense em um hambúrguer defumado, com pão defumado, queijo defumado e alface defumado. Perfeito!

Não, não tem nada a ver. Mas a música é boa.
Não, não tem nada a ver. Mas a música é boa.

Meus primeiros testes com a fumaça líquida foram ótimos. Inclusive, fiz um espaguete com azeite, alho, pancetta, fumaça líquida e mais umas coisinhas que ficou bem decente. Só que aí eu comecei a ficar corajoso. E com a coragem, veio naturalmente a estupidez. Alguém aí já tentou iogurte defumado? Eu já, e é horrível.

Houve apenas uma coisa que eu não tentei defumar. Whisky. Não tentei porque, em um lampejo de consciência dentro da minha histeria defumatória, admiti que jamais produziria algo semelhante a, por exemplo, o Johnnie Walker Double Black.

O Double Black foi lançado em 2010, ano em que grande parte do porfólio da Johnnie Walker foi reformulado. De acordo com a marca, seu master blender, Jim Beveridge, teria utilizado o famosíssimo Black Label como ponto de partida, para posteriormente alterar sua fórmula, aumentando a participação de single malts provenientes da costa oeste da Escócia, famosos por seu aroma com caráter defumado. Essa história, no entanto, é apenas parcialmente verdadeira. Afinal, o Double Black utiliza whiskies mais jovens que seu irmão, e cobra mais por isso. Os maltes, entretanto, são realmente quase os mesmos.

Assim como o hambúrguer cem por cento bovino do McDonald’s, a composição exata dos single malts que compõe o Double Black é mantida em absoluto segredo. Entretanto, ao contrário da carne bovina, podemos especular que o Double Black contenha whiskys das destilarias Cardhu, Oban e Talisker, com uma generosa adição de Caol Ila e Lagavulin. Estes últimos provenientes da ilha de Islay, e famosos por seu aroma de fumaça. Bom, essa é uma hipótese. A outra é que Jim Beveridge borrifou fumaça líquida em um Black Label. Mas olha, se pudesse apostar, apostaria na primeira teoria.

O Double Black é um blend sem idade determinada. Ou seja, a garrafa não informa a idade do whisky mais novo na sua composição. Ainda que muitos considerem um demérito, o no-age-statement permite que se crie um produto mais consistente e regular, buscando sabores específicos, como é o caso do Double Black. Isso é uma tendência até entre single malts de peso, como o Dalmore King Alexander III e o Macallan Ruby  (e aí, ainda acha isso um demérito?).

 

Eca, que nojo.
Eca, que nojo.

 

No Brasil, um Johnnie Walker Double Black custa em torno de R$ 170,00 (cento e setenta reais). É um preço alto para um whisky que é, basicamente, o clássico Black Label, com a utilização de maltes mais jovens com uma pitada de delícia defumada. Entretanto, ainda que tenha este preço um pouco, diremos, desestimulante, o Double Black continua sendo um dos whiskies mais baratos vendidos no Brasil cujo sabor e aroma é predominantemente defumado.

Se você está começando no mundo dos whiskys com aroma de fumaça, e está buscando algo versátil e ao mesmo tempo com custo-benefício razoável, o Double Black é minha sugestão. Ou isso, ou compre um pouco de fumaça líquida e borrife sobre o mundo.

Boa sorte.

JOHNNIE WALKER DOUBLE BLACK

Tipo: Blended Whisky sem idade definida

Marca: Johnnie Walker

Região: N/A

ABV: 40%

Notas de prova:

Aroma: frutado, levemente cítrico, com caramelo e fumaça. Lembra molho barbecue.

Sabor: bem mais defumado que o aroma. Levemente picante, com final defumado e um pouco salgado.

Com Água: Adicionar água torna os sabores defumado e picante menos evidentes, e evidencia o caráter frutado e adocicado.

Preço médio: R$ 170,00 (cento e setenta reais)

11 thoughts on “Fumaça Negra – Johnnie Walker Double Black

  1. eu também sou fã, assim como você, de fumaça. E já temos, para vossa sorte, o Black Grouse aqui no Brasa. Um whisky bem legal que custa em torno de 120 dilmas. Sendo que a última vez que comprei no Free Shop paguei 24 obamas. Acho que vale um post, se é que já não tem.
    Abç.

  2. eu também sou fã, assim como você, de fumaça. E já temos, para vossa sorte, o Black Grouse aqui no Brasa. Um whisky bem legal, pra mim até melhor que o Black, que custa em torno de 120 dilmas. Sendo que a última vez que comprei no Free Shop paguei 24 obamas. Acho que vale um post, se é que já não tem.
    Abç.

    1. Eric, estou devendo Black Grouse faz tempo. É um ótimo custo benefício mesmo. A base dele é um whisky defumado chamado Glenturret (não, não é Highland Park, como todo mundo acha que é… rs)

  3. Muito bom novamente Maurício! Tenho duas garrafas de JW Double Black em meu barzinho particular e uma delas já está quase pela metade. Minha opinião pessoal é que trata-se de um blended harmonioso e muito suave. Algo diferente como petit gateau com recheio de fumaça e sorvete de bauniha com calda de caramelo… é exatamente o que acho do Double Black rsrsrs. Sou fã dos destilados da Johnnie Walker e confesso que apesar do valor ser mais alto prefiro o JW Double Black ao The Black Grouse que também é muito bom. Leio muito seus posts, ultimamente eles me servem de inspiração na aquisição de novos whiskies. Gosto da forma literária que compõe seus textos e aprecio muito sua experiência com whiskies. Felicidades.

    1. É bem isso aí. Pra mim, é balinha de caramelo defumada. Acho um blended whisky bem decente, e um dos melhores para coquetelaria quando queremos algo defumado.

      1. Haha, gostei da expressão “balinha de caramelo defumada”… Acho que pelo que conversamos neste e em outros posts você já percebeu que temos algo em comum, os defumados. Estou providenciando o Laphroaig Quarter Cask, depois quero experimentar o Ardbeg 10. Depois passo minhas impressões sobre eles, porém, pelo que pesquisei, inclusive no site do fabricante, pude antecipar algumas características. Até a próxima e felicidades.

  4. Eu ja tinha tomado este defumado e gostei muito e agora no Free Shop eu adquiri mais garrafas pra compor a minha adega de consumo. Muito bom….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *