Sobre Prodígios – Talisker 10 anos

talisker-10-o-cao-engarrafado

Envelhecer é algo curioso. A tendência é que ficamos menos dispostos. As coisas passam a não funcionar tão bem quanto funcionavam antes. Temos dores improváveis em locais quem nem sabíamos que existiam, e tudo vai se tornando progressivamente mais amargo. Inclusive nosso gosto.

As manias se agravam e a boa vontade diminui. Tornamo-nos mais metódicos, cerimoniosos e nostálgicos. Mesmo quando não temos nenhum motivo para sentir nostalgia. O tempo tende a atenuar as dores e potencializar os momentos alegres do passado. O que, ainda que assim o pareça, não é necessariamente bom.

O whisky era tão melhor quando eu era mais jovem!
O whisky era tão melhor quando eu era mais jovem!

A idade, na verdade, não nos torna piores, mas nos faz mais complexos. E nisso, seres humanos e whiskies costumam se assemelhar bastante. Só que, para a maioria de nós, o avançar da idade é temeroso. Já no caso da melhor bebida do mundo, ele costuma ser às vezes até mesmo supervalorizado.

Temos a falsa impressão de que o whisky mais amadurecido é necessariamente melhor. E que, numa situação em que há dois produtos de idades diferentes e preço semelhante, o jovem deve ser preterido em favor do mais maturado. Acontece que, dentro desta lógica pouco razoável, acabamos negligenciando os prodígios. Prodígios como o Talisker 10 anos, que acaba de desembarcar no Brasil pelas mãos de sua importadora oficial, a Diageo.

Para um single malt de apenas um decênio, o Talisker 10 anos é inacreditavelmente complexo. Com sabor levemente defumado, de especiarias e com um certo aroma medicinal que surge no sabor residual, o single malt se passa por algo muito mais maturado com facilidade.

Ao contrário de seus primos de Islay, o Talisker é apenas levemente defumado. Há um equilíbrio interessante entre o turfado e o sabor proveniente de sua maturação, algo bem incomum para whiskies com sua maturação. Maturação que, aliás, ocorre, principalmente, em barricas de carvalho americano que antes contiveram Bourbon whiskey – ainda que a própria Talisker faça bastante segredo sobre isso.

A Talisker é a única destilaria ativa em uma das mais belas paisagens naturais da Escócia. A Ilha de Skye. Famosa pela costa rochosa e geografia dramática, Skye é um dos destinos preferidos de lua de mel para os escoceses que não querem sair de seu país. A ilha é a maior porção de terra das hébridas internas, e a quarta mais populosa – com pouco mais de dez mil habitantes.

Imagine beber um Talisker com esta vista!
Imagine beber um Talisker com esta vista!

Ela foi fundada 1830 por Hugh e Kenneth MacAskill, dois irmãos que criavam ovelhas e estavam dispostos a diversificar os negócios familiares para atingir – literalmente – mais liquidez. A escolha pouco usual para aumentar o leque de negócios familiar atraiu a ira do pároco local, que, por muitos anos, proferiu sermões sobre a maldição que seria a destilaria. Entretanto, apesar da oposição clerical, a destilaria prosperou, e, inclusive, trouxe novos habitantes para a ilha.

Atualmente, a Talisker faz parte da Classic Malts Collection da Diageo, juntamente com single malts como Lagavulin, e Cardhu. Mas ao contrário destas – que possuem um portfólio bem enxuto – a destilaria de Skye tem uma boa variedade de expressões. Há whiskies sem idade declarada, como as jovens Port Ruighe e Dark Storm, já revistas nestas páginas caninas, e outros bem maturados, como o 25 e 30 anos. Além disso, Talisker é também um componente importante de diversos blends da Diageo, dentre eles, o Johnnie Walker Green Label.

O Talisker 10 anos, porém, é a espinha dorsal de todas as expressões da destilaria. É o denominador comum, e a prova de que um whisky não precisa ser necessariamente muito maturado ou caro para atingir complexidade e equilíbrio.

Se você gosta de whiskies levemente defumados e bastante equilibrados, ou se está começando a experimentar o mundo dos single malts esfumadaçados, o Talisker 10 anos não lhe decepcionará. Porque até pode ser que fiquemos mais chatos ao envelhecer, mas, para apreciar um bom whisky, não há idade máxima.

TALISKER 10 ANOS

Tipo: Single Malt Whisky com idade definida (10 anos)

Destilaria: Talisker

Região: Islands

ABV: 45.8%

Notas de prova:

Aroma: Defumado, com algas marinhas e sal. Frutado

Sabor: Frutado, talvez com maçã, final progressivamente defumado e apimentado. Algas, herbal.

Com água: A agua ressalta o defumado e reduz o dulçor do whisky

24 thoughts on “Sobre Prodígios – Talisker 10 anos

  1. Parece ser um whisky bom pro dia a dia.
    Onde encontro no Brasil?
    Procurei em algumas lojas online e não achei.

    Abs

    1. Mestre, em breve aparecerá em algumas lojas. Vimos no Rei do Whisky, em São Paulo – mas apenas na loja física. Fique ligado que logo menos surgirá no e-commerce.

        1. Belo preço, hein? Na verdade, o Talisker veio com mais dois single malts para cá. Singleton e Glenkinchie. O segundo tem por lá. Já o singleton, ainda não vimos para vender.

  2. Como vai, Maurício?
    Haha não sou tão jovem, mas também não tão velho e me identifiquei bastante com o texto.
    Bom, me parece que Talisker sempre é uma boa pedida. E vençamos o mito que o mais maturado sempre é o melhor. As mais variadas expressões nos provam que não é bem assim.

    Grande abraço!

    1. Agreed completely. Veja bem, talvez eu seja um idoso precoce. Afinal, estou aqui falando de whisky. E charutos.

  3. Maurício, primeiramente gostaria de parabenizar pelo seu blog, textos suaves, engraçados e didáticos. Apesar de apreciar um bom Whisky há vários anos e de conseguir fazer uma coleção considerável de rótulos, nunca havia me interessado em me aprofundar nas histórias, tecnicidades e sabores que envolvem essa nobre bebida. Mas agora estou estudando bastante e seu blog já está nos meus favoritos. Recentemente em viagem aos USA adquiri três rótulos meio que no escuro e não consigo achar nenhum review ou comentário, gostaria de saber se você conhece algum deles: Glen Ness 12 anos da região de Highland, Speyburn 10 anos também de Highland e Hamiltons Islays, um NAS de blendeds malts de Islay. Se você puder dizer algo sobre eles eu agradeço. Grande abraço e sucesso!

    1. Fala Dudu, desculpa demora pra responder. Não vi o comentário antes, ele pulou pra segunda página!

      Bom, vamos lá do mais fácil pro mais dificil:

      Speyburn não tem nada de obscuro não. É um excelente single malt, qe a expressão 10 anos é a mais clássica. Ele é mega premiado (ouro na IWSC e SFWSC, prata na International Spirits Challenge etc). Ele tem um preço de combate, então muita gente não conhece ou subestima. Mas dê um pouco de atenção para ele. É um baita underdog.

      Hamilton Islay – Nunca provei, e meu conhecimento se limitava a saber que ele era um blended malt da Hamilton, com predominancia de whiskies de Islay (há também Speyside, Highlands etc). Lendo um pouquinho mais, vi que a base dele é provavelmente Laphroaig, e que há alguns whiskies adocicados para deixar a mistura mais agradável para o publico em geral. Deve ser interessante. Seria legal compará-lo com o Islay Mist, por exemplo. Mas sei que nenhum dos dois é uma compra fácil.

      Glen Ness – Complicado encontrar informações. Esse não conhecia. Pelo que vi, é um mystery malt, de alguma destilaria próxima à Ballindaloch (duvido que seja a propria Ballindaloch, porque ela é muito nova). O senhor terá que ser o juiz deste…rs.

      Espero ter ajudado! 🙂

      1. Maurício, muito obrigado pela atenção, assim que abrir esses whiskys te dou um feedback. Na oportunidade, li que recentemente você avaliou o novo Jameson Caskmates, nessa viagem também adquiri algumas garrafas desse whiskey pois aprecio, apesar de várias críticas, o Jameson. Achei esse whiskey sensacional, notas de chocolate, café e a lembrança de uma boa cerveja stout. Aprovado! Grande abraço!

        1. Opa, valeu Dudu! Também gostei bastante do Caskmates! A Jameson acertou em cheio nele (e no Black Barrel!)

  4. <3 talisker com essa vista é realmente uma experiência incrível <3
    mas, sobre os barris, não acho que seja correto dizer que eles façam segredo. fui na destilaria em isle of skye e essa informação nos foi passada sem qualquer sigilo 😉
    agora, triste o preço que chegou no br. R$ 427 por 750 ml tá meio fora da realidade, né? se não me falha a memória, paguei umas 40 libras por lá…

    1. Não é?

      Então, quando se vai na destilaria, aí recebemos essas informações em “off”. Por exemplo, Lagavulin usa barrica de EX Sherry para corrigir “inconsistências” de sabor. Mas não é uma info amplamente divulgada, e se você perguntar para eles por e-mail ou via alguma rede social, a resposta geralmente vai ser meio evasiva – “olha, posso afirmar que usamos barris de, bem, carvalho!”

      Caro. Na verdade, nas lojas físicas, ele está lá pelos R$ 350,00 (trezentos e cinquenta). Até que para nosso padrão de preços está na média. O que não significa que seja uma boa média..rs

  5. Somente de passagem no papo…
    Creio que os preços eram mais altos no início do ano. Adquiri um aqui em Brasília por pouco mais de 200 reais.
    Também visitei a Talisker porque um amigo alemão estava com uma garrafa de um Talisker 18 anos pela metade e quando o bebi fui aos céus. Agradou total e na hora. Fechou em cheio com meu gosto para single encorpado.
    Quando visitei a destilaria provei o 10 anos lá, mas optei por adquirir duas garrafas de 18 anos (uma para beber com emu amigo alemão e outra para trazer) por 95 euros cada quando o de 10 anos estava por volta dos 40 euros (era euro ainda quando fui).
    O 10 anos é muito bom… mas o 18 é uma coisa séria. Está no panteão dos melhores. Ele e o Lagavulin 16.

    1. O senhor tem bom gosto. E o que achou da destilaria e de Skye? É uma das mais belas paisagens da Escócia, não?

  6. Acabei de receber minha garrafa, de brinde um belo copo Talisker “made by the sea”. Vamos ver a que o “mel” se propõe…

  7. Esse single malt é muito bom mesmo… fiz uma prova as cegas com uns amigos… todos apostaram num whisky com mais de 15 anos…

    1. Pethrus, animais diferentes!!

      Green será equilibrado e oleoso, muito complexo e agradável. Sensorialmente bem acessível.
      Glenkinchie é mais floral, adocicado e leve. Tem uma nota vegetal que acho bem interessante
      Talisker é apimentado, com especiarias, frutas e defumado.

      Vai do gosto e da situação! Mas minha escadinha, na maioria dos dias é Talisker – Green – ‘kinchie.

  8. Cara! Que whisky fantástico. Paguei pelo the bar 200 reais aproximadamente e achei excelente custo beneficio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *